ITV do Paquistão recebe apoio

O governo do Paquistão anunciou um novo pacote de apoio à indústria têxtil e vestuário, com o objetivo de impulsionar as exportações. Um incentivo que inclui a abolição de impostos sobre as vendas e as taxas sobre as importações de maquinaria têxtil e algodão que está a ser bem acolhido pelo sector.

Máquinas de Futuro

Na vaga da 4.ª Revolução Industrial, a tecnologia assume uma importância crescente na competitividade da ITV. Com os empresários em busca de soluções capazes de reduzir tempos e consumos e aumentar a eficiência, o suplemento Máquinas de Futuro, no Jornal Têxtil, é o veículo perfeito para apresentar a oferta da sua empresa.
A recuperação das vendas na China e na Grã-Bretanha no quarto trimestre levaram a Hugo Boss a rever as suas previsões de lucro para o ano completo. Apesar da queda esperada de 17%, os resultados permitiram à casa de moda alemã recuperar a confiança do mercado, onde as suas ações estão a subir.
ISPO MUNICH 2017

Revista de Imprensa

Vídeo do dia

Breves

Tumultos abalam ITV mexicana

Os retalhistas mexicanos perderam mais de 65 milhões de euros com os protestos e pilhagens que na semana passada bloquearam as principais autoestradas e causaram atrasos nos envios de vestuário dos cinco principais centros de produção em Torreon, Chihuahua, Aguas Calientes, Estado do México e Puebla.
Este vai ser um ano de mudanças no retalho, com alterações que afetam toda a cadeia de valor. A inteligência artificial vai mudar o tabuleiro de jogo, com alterações que se vão refletir na resposta às necessidades dos consumidores mas também no aprovisionamento, com a redução nos tempos e nos custos de produção.

Um problema de qualidade

A produção de têxteis e vestuário nos países asiáticos ainda padece de diversos problemas de sustentabilidade pelos padrões ocidentais, ao nível não só de violações de princípios éticos, com relatos de trabalho forçado e infantil, mas também, em alguns casos, da qualidade e segurança dos próprios produtos.

As marcas do novo ano

Na opinião dos analistas, 2016 foi um ano de mudança no retalho. O mercado de lingerie sofreu a intervenção do desporto e as marcas estabelecidas tiveram necessidade de se adaptar. No sportswear, algumas tentaram tirar o pódio à Nike, com estratégias que passaram pelas redes sociais ou alianças com celebridades.
Muitas vezes de áreas diferentes, marcas e retalhistas estão a unir-se para ficarem mais perto dos consumidores e conquistarem novos públicos. Há uma verdadeira onda de parcerias a invadir o mercado e a provar que, efetivamente, a união faz a força, sobretudo quando se fala de retalho.

Mais Notícias