Como consegue a abelha-mestra da moda rápida responder às tendências no espaço de dias? O Wall Street Journal fez da Zara um estudo de caso, revelou a sua estratégia e deu a conhecer o segredo mais bem guardado da retalhista espanhola – os responsáveis de loja.
Nas salas de aula do Modatex, a solidariedade faz parte dos sumários e, hoje, dia 12 de dezembro, a sede do Porto recebe uma Feira Solidária destinada a apoiar a Acreditar - Associação de Pais e Amigos de Crianças com Cancro.
A retalhista de moda rápida reafirmou recentemente a constante vigilância da sua cadeia de aprovisionamento, respondendo ao primeiro sinal de alerta de trabalho escravo. Simultaneamente, a Primark descartou a ideia de que preços baixos significam exploração.
Os consumidores atraídos por uma t-shirt barata, mas ainda assim preocupados com a produção ética do item, podem em breve saber se a peça está livre de trabalho escravo – tudo graças à investigação forense.
Considerando o impacto da moda no meio ambiente, as marcas precisam de reconsiderar urgentemente o modelo de negócio, aconselham os ambientalistas, e de produzir peças de roupa que sejam duradouras, reparáveis e indicadas para a reutilização.
Numa altura em que a tendência do minimalismo já atingiu as massas, um movimento orientado para o maximalismo, design arrojado e silhuetas exageradas, influenciado pela rebelião das subculturas jovens, tem vindo a ganhar força na moda homem.
O industrial e o romântico misturaram-se na coleção “Medo/Amor” de Lidija Kolovrat, apresentada na ModaLisboa. Foi, de resto, o segundo elemento dessa dicotomia que motivou a designer nascida na Bósnia a regressar e a continuar a investir em Portugal, com a chegada da marca a Norte já agendada.
Coube-lhe, pela segunda vez, a honra de encerrar a passerelle da ModaLisboa e, mais recentemente, Luís Carvalho foi distinguido com o prémio “Homem do Ano”, na categoria de designer de moda, atribuído pela revista GQ Portugal. Lado a lado com estas conquistas caminham o sucesso da loja da marca epónima e uma ligação próxima com a indústria.
A apresentação da coleção “Lusíadas I” de Nuno Gama está nomeada aos prémios internacionais Fashion Net Awards 2016, na categoria “desfile do ano”, rivalizando assim com as passerelles da Moschino, da Saint Laurent Couture ou da Balmain x H&M.
A marca assinada pela designer Catarina Sequeira está à venda num dos espaços mais icónicos da cidade do Porto – as Galerias Lumiére – há cerca de um ano. A loja, que recebe sobretudo estrangeiros, vem sublinhar a força da internacionalização da Saymyname, que tem no mercado asiático o seu principal comprador.

Mais vistas