Início Arquivo

1,4 milhões para ex-trabalhadores da Rohde

A Comissão Europeia aprovou a atribuição de 1,4 milhões de euros do Fundo Europeu de Ajustamento à Globalização (FEG) para ajudar cerca de 680 ex-trabalhadores da Rohde – Sociedade Industrial de Calçado Luso-Alemã, Lda. Portugal tinha pedido a intervenção do FEG para auxiliar estes desempregados a encontrar novos postos de trabalho, na sequência da falência, em Setembro de 2009, da empresa de calçado, que empregava 974 pessoas. A proposta da Comissão Europeia deverá ainda ser aprovada pelo Parlamento Europeu e pelo Conselho da União Europeia. László Andor, Comissário Europeu do Emprego, Assuntos Sociais e Inclusão, considera que esta verba «irá apoiar os antigos trabalhadores da Rohde a conseguirem novos empregos através de acções de formação que lhes proporcionarão as competências necessárias». «O FEG é um instrumento financeiro da União Europeia eficaz para ajudar os trabalhadores vítimas de despedimentos em larga escala. Os trabalhadores da indústria do calçado portuguesa foram atingidos pelas alterações estruturais ocorridas no comércio mundial e pela crise económica e financeira dos últimos anos», explicou Andor no comunicado divulgado pelo executivo comunitário. As verbas do FEG constituem assim, de acordo com a comissão, a maior parte de um pacote de 2,23 milhões de euros e destinam-se a financiar acções de formação profissional, bolsas para formação por iniciativa pessoal, apoios e capacitação para a criação de empresas próprias, bem como apoiar a auto-colocação, os incentivos ao recrutamento e o reconhecimento de competências. O encerramento da Rohde portuguesa – devido à diminuição de vendas e à redução do investimento e das encomendas por parte da casa mãe alem㠖 veio afectar sobretudo o município de Santa Maria da Feira, onde estava instalada a empresa, e o município de Ovar. «Estes municípios estão localizados, respectivamente, na regiões Norte e Centro. O encerramento da Rohde acrescenta quase um milhar de trabalhadores aos candidatos a emprego nas duas regiões, já de si afectadas por taxas de desemprego superiores à do país no seu conjunto. Ambas as regiões já foram aceites para receber assistência do FEG em Junho de 2009. A Região Norte foi de novo aceite para receber assistência do FEG em Setembro de 2010», refere o comunicado da Comissão Europeia. O FEG, inicialmente proposto por Durão Barroso, presidente da Comissão Europeia, foi instituído no final de 2006, para auxiliar os trabalhadores que perderam o emprego em virtude dos efeitos da globalização, e compõe os instrumentos de resposta rápida europeia à crise financeira e económica no espaço da União Europeia. Desde o início do funcionamento, em Janeiro de 2007, o FEG já registou 78 pedidos de intervenção, num total de cerca de 355 milhões de euros, beneficiando cerca de 76 mil desempregados em 25 sectores, em quase todos os Estados-membros da União Europeia.