Início Notícias Tendências

20 tendências para 2020

Depois da chegada de 2020, as tendências do novo ano marcam o mundo da moda com influências da viragem da década. A caminho de um sector mais elegante e uniforme influenciado pelos anos 70, a transparência deixa de ser só um efeito visual e passa a aplicar-se também à sustentabilidade e às mensagens das passerelles.

Balmain

Para os designers, a mudança representa novas perspetivas e, por isso, os criadores afastam-se do streetwear e da nostalgia dos anos 90 para explorar a temática da sustentabilidade que quase conquistou o título de palavra do ano em 2019. A ideia é seguir um estilo fluido que tenha várias utilidades de forma a caminhar para uma indústria mais ecológica.

À semelhança da harmonia transmitida pelos números homólogos na constituição de 2020, também as tendências vão estar em sintonia por se alinharem e estarem prontas para proporcionar um ano uniforme no sector da moda, analisa o Soucing Journal.

De volta aos anos 70

Os anos 70 vão roubar o protagonismo aos anos 80 e 90, que têm servido como a principal inspiração para as mais diferentes passerelles do mundo.

Isabel Marant (calções curtos)

Em 2020 constata-se, ainda mais, o regresso ao passado, com um olhar atento sobre o trabalho de nomes como Hedi Slimane e Isabel Marant, que estão a explorar o denim nas últimas estações.

A coleção primavera-verão 2020 da marca francesa Céline é a prova de que os anos 70 estão de volta, ao ter o foco no denim e recordar fortes referências deste período como o modelo de calças flare e os calções com bordados. Além do denim, elementos como os óculos de aviador, coletes de pelo e blusas com mangas e decotes imponentes representam a elegância dos anos 70, enquanto os tops de crochet, os casacos de camurça e os chapéus devolvem a despreocupação da época.

Isabel Marant optou por retratar o espírito livre da época através de calções curtos, detalhes em missangas, crochet e uma paleta de cores alusiva ao deserto.

Marcas de luxo como Fendi, Prada e Gucci também convidaram a viajar até aos anos 70.

Denim colorido e reciclado  

A cor é um dos critérios mais apelativos para conquistar os millennials. Por esta razão, as marcas estão a desenvolver formas mais comerciais de trabalhar a tendência do denim, atribuindo-lhe cor e, muitas vezes, a respetiva conjugação de forma a criar um coordenado monocromático. Olivier Rousteing, diretor criativo da Balmain, deu um toque de cor à coleção da estação quente com apontamentos de amarelo, rosa, azul cobalto e verde Kelly. Isabel Marant também recorreu ao denim colorido com um coordenado cor de laranja para contar a história da coleção. A Chanel optou por calças vermelhas influenciada pela visão parisiense e Alberta Ferretti pela combinação de laranja e vermelho.

Iniciativas como o programa “Jeans Redesign” da Ellen MacArthur ganharam força em 2019, uma vez que a circularidade se tornou um tópico dominante. A abordagem pode ser criativa e sustentável, com marcas como Re/Done e Cie Denim a provarem ser possível aliar estas duas vertentes ao design contrastante que propõem.

Céline (Calças flare)

O denim reciclado é uma boa forma para os designers começarem a introduzir materiais sustentáveis nas coleções que vão criando para as marcas. Clare Waight Keller, diretora criativa da Givenchy, desenvolveu uma linha denim para a coleção primavera-verão 2020 que inclui calças, saias compridas e também calções produzidos com desperdícios denim de fábricas. Em Londres, a Vin + Omi reformulou as calças da Levi’s e transformou-as em vestidos e calças do avesso com frases sobre sustentabilidade. Além de ser uma prática benéfica para o ambiente, o reaproveitamento de vestuário antigo é também uma forma das marcas prolongarem a vida dos produtos, ao mesmo tempo que seguem a tendência denim. Insígnias como Dockers, Diesel, Gap e Tommy Jeans deram nova vida a peças vintage ao longo de 2019, o que pode servir de exemplo para outras marcas.

Sapatos com plataforma

No universo do calçado, as tendências costumam ser semelhantes às do vestuário. Por consequência, os anos 70 vão ser o mote de inspiração para este sector que dita os sapatos com plataforma como tendência para 2020. Os saltos quadrados e os ténis vão ser superados pela adição de plataformas a botas e sandálias.

Safari mais vestível

É cada vez menos provável que os designers e os consumidores desistam das vantagens do vestuário mais prático como os casacos utilitários e as calças cargo e, apesar da tendência se manter para o novo ano, as marcas querem inovar com uma abordagem mais elegante da tendência.

Vin+Omi (Denim reciclado)

O casaco safari da Yves Saint Laurent, introduzido em 1968 e um ícone nos anos 70, inspirou as coleções da Dolce & Gabbana, Fendi e Elli Saab. Os bolsos das calças cargo foram reinterpretados por marcas de streetwear de luxo como a Off-White e a Vetements.

A tendência safari vai evoluir significativamente em vestidos e calças de cetim, adequadas tanto para o dia como para a noite, e até mesmo em chapéus.

Moda política e ecológica

Com o mesmo espírito da ativista Greta Thunberg, a geração Z está mais consciente do que nunca sobre as problemáticas ambientais. Os consumidores da geração Z estão a debater mais temas como as mudanças climáticas e a colocar uma maior pressão nas marcas para reduzirem a pegada ecológica. Neste âmbito, as semanas de moda acabam por dar voz a alguns assuntos na ordem do dia, como é o caso da sustentabilidade. A tendência é melhorar neste sentido para que marcas e retalhistas possam corresponder às expectativas dos consumidores ou até mesmo inovar e surpreender com coleções específicas e novas metas sustentáveis.

As preferências ou crenças políticas expressam-se de várias formas e a moda é muitas vezes palco das críticas dos designers aos candidatos ou situações políticas. Com as eleições presidenciais nos EUA agendadas para 2020, espera-se que as passerelles para a próxima estação fria estejam repletas de argumentos políticos e frases explícitas como aconteceu em 2016.

Lingerie, calções e bolsas oversized

Utilizar a lingerie como top é a tendência mais reveladora de 2020. No entanto, mesmo sem estar necessariamente visível, a lingerie vai servir de inspiração para vários artigos como blusas e saias, que terão detalhes mais ousados.

Dolce & Gabbana (Safari)

À exceção da tendência dos calções ciclista, os calções curtos vieram para ficar, mas desta vez com uma propensão para a melhoria na composição. A Chanel e a Yves Saint Laurent apresentaram modelos obtidos a partir de materiais de alta qualidade para a coleção primavera-verão 2020, como tweed, couro e lantejoulas. O fato com calções é também uma forte tendência, tanto para o guarda-roupa feminino como para o masculino. A ideia surgiu com as marcas Chloe e Bottega Veneta ao criarem a versão de fato de verão.

O modelo “Le Chiquito” da Jacquemus abriu portas à tendência das bolsas pequenas em 2019 e ficou conhecido pelo tamanho extremamente diminuto. Em 2020, a tendência assume-se numa direção totalmente oposta com as bolsas oversized de volta ao centro das atenções. A Opening Ceremony já está a lucrar com a tendência ao popularizar o modelo PVC tote da marca, que tem mais do que 90 centímetros.

Couro e cetim

Com uma aparência totalmente distinta do streetwear, a ascensão do cetim é mais uma prova que a moda está focada em tornar-se mais elegante. Este tecido antes considerado apenas apropriado para horário noturno, está cada vez mais incorporado na moda quotidiana. Marcas como a Staud, Tibi e Tom Ford estão a produzir culottes, macacões e calças cargo em cetim. De igual forma, as marcas masculinas embarcaram na tendência. Dior e a Dries Van Noten propõem calças de cetim plissadas e a Dunhill casacos de cetim em tons mais escuros. A tendência combina tanto com ténis como salto alto e apoia a apetência por cores vivas, uma vez que este tipo de tecido intensifica ainda mais as tonalidades.

Embora o couro seja um material muito quente e associado à estação fria, as marcas estão a trabalhar para que se torne uma tendência vestível durante todo o ano. A Coach 1941, Givenchy, Marni e Prada estão a desenvolver grandes esforços neste sentido ao apostar em vestidos, bandoletes e gabardinas. O couro colorido é uma das práticas das marcas para tentar clarear a aparência convencional do material. As cores com maior destaque para o couro são o amarelo, laranja, verde azulado e cinzento.

Laranja, lavanda e neutros

O verde-lima e o amarelo deixaram de estar na ribalta e são agora substituídos pelo laranja, que se evidencia como uma tendência de cor-chave para 2020. A tonalidade cítrica é uma das principais cores, independentemente do género, das coleções e, muitas vezes, é utilizada para garantir um caráter mais arrojado às criações dos designers. Exemplo disso é o couro brilhante (Annakiki), o cetim elegante (Marni), o minimalismo dos anos 90 (Bottega Veneta) e folhos românticos (Laura Biagiotti). O laranja é uma boa alternativa para substituir os tons mais quentes e acastanhados do outono.

Bottega Veneta (Fato de calções)

Em 2018, a cor lavanda foi muito popular devido à nomeação do Ultra Violet como cor do ano. Contudo, com o passar do tempo, os designers optaram pelos neutros e deram vida a cores como o rosa velho. O tom lavanda está a voltar lentamente e já se destacou nas coleções de Ulla Johson, Loewe, Prada e Louis Vuitton. O desfile da Jacquemus teve como cenário os campos de lavanda de Provença, que talvez tenham despertado um pouco mais a atenção sobre a cor.

A contrariar as tendências anteriores e a mostrar que, por vezes, cores vivas não são sinónimo de ousadia estão os tons mais neutros como o cru, branco e bege, que têm sido uma grande aposta da indústria de denim, a pensar na versatilidade e no vestuário sem género. Os tons neutros e, por isso, mais naturais também são associados à sustentabilidade, que vai evoluir ainda mais em 2020.

Transparências e franjas

No final de 2019, as transparências voltaram a aparecer em vários artigos de moda, principalmente no vestuário feminino. As blusas e camisas de organza com mangas de balão vão continuar a ser uma tendência para o novo ano, mas desta vez ainda com mais força. A transparência também vai contagiar o guarda-roupa masculino, sobre a influência de marcas como Louis Vuitton e Dior, e vai tornar-se numa das tendências mais populares para os homens da geração Z. A fugir à norma do preto, as transparências vão surpreender em tons pasteis.

Quando a moda adota uma perspetiva mais elegante e, ao mesmo tempo, descontraída, como é o caso da influência dos anos 70, as franjas são um elemento obrigatório e vão estar presentes em vestidos, nas bainhas das saias e até mesmo em bolsas e botas.

Padrões de assinatura

Annakiki (Laranja e couro brilhante)

A passagem de Jennifer Lopez pela passerelle Versace foi um dos momentos mais marcantes nas semanas de moda de 2019. O regresso do padrão de assinatura da marca ficou para segundo plano, visto que o estampado verde e turquesa foi associado à personalidade da marca. Assim, criar um padrão de assinatura que espelhe a identidade da marca poderá ser uma tendência, que está já a resultar para a designer Marine Serre ao ver que celebridades como Kendall Jenner, Rita Ora e Beyoncé abraçaram a tendência com conjugações unicamente com o padrão.

Camisa estampada de manga curta

A fazer jus à descontração vivenciada por todos nas férias, as camisas de manga curta vão voltar a sair do armário, mas apenas se tiverem padrão tropical ou safari. Os millennials são os maiores apreciadores da tendência, que se revelou uma escolha dos amantes de viagens. Este tipo de camisa adequa-se também para um contexto mais formal quando acompanhada por tops, calças plissadas ou sandálias.

Calças front yoke

Brincar com os detalhes é uma forma de conseguir uma aparência totalmente diferente de um modelo de calças convencional. Inspirados pela nostalgia no final dos anos 80, os designers começaram a inserir costuras na parte frontal das calças de cintura subida, ressuscitando o modelo de calças front yoke. A Mavi Jeans adotou a tendência para a estação quente do novo ano e retalhistas como a Pull & Bear e a Stradivarius já disponibilizam este modelo em vários estilos e cores. A previsão aponta para a expansão da tendência front yoke para outras peças de vestuário, nomeadamente saias e calções.