Início Arquivo

2008 traz novos tamanhos para a UE

Esta novidade foi transmitida por Rolf Langenegger, especialista em normas de tamanhos e membro do comité da UE CEN/TC 248, que há dez anos tem vindo a trabalhar num sistema de codificação de tamanhos único. Depois de uma proposta apresentada pelos holandeses, num futuro próximo, a medida do peito será transformada num novo tamanho de vestuário para homem e senhora. Também os dados sobre a medida da anca e altura vão ser incluídos numa nova codificação que os apresenta na forma de duas letras. As tabelas de tamanhos para a norma EN 13402 estão actualmente a ser elaboradas e no final de Outubro a versão final será avaliada pelos países da UE. Langenegger afirmou que«ainda não é claro se a Alemanha irá dar o seu aval à norma, mas suponho que esta será aprovada mesmo com a sua discordância». A norma deverá ser publicada em 2007 e implementada a partir de 2008. Os elementos mais significativos do sistema de tamanhos são pontos de partida globais, a utilização de pictogramas com dados de duas a três medidas do corpo, assim como dados relativos às medidas básicas, regra geral a medida do peito. Tudo isto resume um determinado tamanho. No que diz respeito à altura, o valor inicia é de 152 cm empregando-se uma nova letra cada 4 cm (152 = A, 156 = B, 160 = C, etc). A última letra é o N, equivalente a uma altura de 204 cm. Relativamente à medida da anca existem cinco hipóteses: de A = anca estreita até E = anca larga. As calças têm na altura do utilizador a sua medida essencial. Um exemplo prático: uma mulher com 1,76 m, 100 cm de busto e 104 cm de anca, que até agora vestia o tamanho 44, terá de passar a procurar, no caso de uma blusa, o tamanho 100 BG. Segundo Rolf Langenegger, as informações com vários números foram elaboradas pensando sobretudo nos produtores e empresas de logística.Sustenta todavia que nas etiquetas, nas lojas, deverá continuar a parecer apenasum número. Será necessário esperar para ver se a norma chega a ser implementada. A sua implementação será decidida por cada país e baseia-se no voluntarismo. «Se os grandes comerciantes aderirem, estão lançadas as sementes para a implementação», afirma Langenegger.