Início Jornal Têxtil

2015 em grande

A fechar o ano em que celebra os seus 18 anos de atividade, o Jornal Têxtil faz a contagem decrescente até 2016 relembrando os principais eventos dos últimos 12 meses. Os novos investimentos das empresas da indústria têxtil e vestuário, as mudanças nas marcas e a internacionalização dos designers nacionais contam a história de um ano repleto de sucessos.

Na edição de dezembro, o Jornal Têxtil passa em revista os últimos 12 meses, num ano em que a indústria, a moda e o retalho sofreram grandes transformações, em Portugal e no mundo. Marcas que mudaram de mãos, o reconhecimento internacional dos designers e os novos investimentos na indústria são alguns dos factos que marcaram as notícias de 2015.

O ano fica ainda marcado pela celebração do 18.º aniversário do Jornal Têxtil. Manuel Teixeira, diretor do jornal desde o número zero, faz um regresso ao passado para lembrar os marcos e as pessoas que tiveram um papel fundamental na vida da publicação, enquanto César Araújo, presidente da direção da Anivec, que desde julho é a principal acionista do CENIT (que detém a publicação), aponta os projetos para o futuro do Jornal Têxtil, onde tem primazia a continuidade do serviço às empresas da indústria têxtil e vestuário.

Sem esquecer o passado, mas sobretudo preparado para estabelecer as fundações para um futuro sorridente para a Throttleman está António Archer. O administrador da Crivedi, que adquiriu a marca insolvente, revela em entrevista as ambições que tem para a marca, que está já a renascer em Portugal com o mesmo conceito que lhe garantiu a preferência dos consumidores no seu auge.

As marcas portuguesas, de resto, continuam a surpreender pela positiva: a Ballentina tem sido uma mostra para as valências produtivas do Grupo Valérius mas está também a conquistar a confiança de grandes retalhistas no Reino Unido, enquanto a Daniela., da designer Daniela Duarte, está a trazer o vintage para a moda e a French Kick se prepara para acelerar a expansão internacional.

Servir melhor os clientes e chegar a novas latitudes estão também nas metas da especialista em malhas Lurdes Sampaio, um desejo expansível à Sorema e à Somelos Tecidos, que contam com novos produtos e inovações para conquistar o mercado, enquanto a Orfama, reputada pelas suas malhas fully fashion, e a J.F. Almeida, especializada em felpos, continuam a investir para aumentarem o seu negócio e ganharem competitividade além-fronteiras.

A ganhar mercado está igualmente a Impetus, com a sua gama ProtechDry, para incontinência ligeira a moderada, a chegar à grande distribuição, antes do lançamento de um novo produto inovador, que deverá chegar ao mercado em 2016, assim como a marca Blank, da Mundotêxtil, que continua a expandir-se no retalho na Alemanha.

O país governado por Angela Merkel estará, aliás, em destaque nos próximos meses, com a realização das feiras Ispo Munich – onde as empresas portuguesas voltam a evidenciar-se como campeãs da inovação – e da GDS, dedicada ao universo do calçado. E por falar em calçado, as marcas e produtores nacionais voltam a estar nas bocas do mundo, graças à nova campanha da Apiccaps – Associação Portuguesa dos Industriais do Calçado, Componentes, Componentes, Artigos de Pele e seus Sucedâneos, que mantém o epíteto de “indústria mais sexy da Europa” mas traz novos protagonistas.

Conheça ainda as tecnologias que marcaram a diferença na última edição da feira de maquinaria ITMA e os materiais fibrosos que estão a dar cartas na saúde, como mostrou o mais recente workshop da plataforma Fibrenamics.

E porque a tecnologia é um fator importante na competitividade do sector, o Jornal Têxtil esteve em Las Vegas a acompanhar a Ideation 2015, a conferência organizada pela Gerber Technologies, onde foram apresentadas as novas soluções de software da multinacional de origem americana, que prometem marcar o próximo ano.

Não se esqueça também de espreitar os números do sector, nas páginas da conjuntura, e as notícias internacionais de empresas como a Culimeta, que está a fazer renascer a fiação no Reino Unido, e a Wrangler, que propõe uma nova malha, assim como o projeto de investigação sueco que promete gerar novas fibras a partir de madeira.

As despedidas de 2015 fazem-se ainda com os olhos postos no futuro, nomeadamente com as cores que deverão pintar coleções de moda para o outono-inverno 2017/2018.

21Esperamos por si em 2016, com mais uma edição do Jornal que o acompanha há 18 anos. Se ainda não é assinante, ponha uma prenda no seu sapatinho e faça já a sua subscrição (mais informações através do email cenit@portugaltextil.com).