Início Notícias Marcas

30 anos de Brandbias

A Brandbias celebra, este ano, três décadas de existência e está decidida a mostrar que a idade adulta apenas lhe tem aguçado a vontade de explorar novos cenários de atuação. Ao private label, a empresa nascida em 1986 juntou duas marcas, atualmente balançadas entre o vestuário casual e desportivo.

Com um efetivo de 24 pessoas, a Brandbias – frente comercial que destaca a produção, corte e embalamento para a empresa associada Tapa Costuras – exporta, atualmente mais de 85% do que produz, para 7 países, num mapa onde o Reino Unido, a Espanha e a França ocupam o pódio.

A empresa de base familiar que começou por se dedicar ao vestuário em malha para homem, oferece hoje inovadoras soluções na área de produção de vestuário corporativo, de trabalho, desportivo, casual e uniformes escolares, apostando, entretanto, em duas marcas próprias – a Lemonjack, que nasceu em 2006, e a Sportsfriend, apresentada em 2009. O principal propósito é marcar presença nas feiras internacionais e mostrar aos clientes parte das valências da empresa da Maia, representando um peso atual de 4% nas vendas.

«A Lemonjack está mais vocacionada para o casual e vendemos online. Hoodies e t-shirts sempre com desenhos imaginativos, diferentes», revelou Gonçalo Serra, diretor-geral da Brandbias, na edição de maio do Jornal Têxtil, acrescentando que as mais recentes propostas da marca incluem «materiais ligeiramente diferentes», como a lã e o algodão orgânico com certificação GOTS. «Na Lemonjack mudámos um bocado e temos artigos mais de moda, como é o caso da lã, que está muito na moda, e também artigos com dri release e mais técnicos, com outro tipo de funcionalidades», explica o diretor-geral, citando o exemplo de um artigo com uma membrana hidrófila que «absorve a água e seca muito rápido».

Já a Sportsbrand tem o desporto na sua espinha dorsal e, como tal, propõe «artigos técnicos, com diferentes propriedades, como antibacterianas». Esta vertente desportiva tem motivado investimentos e a atualização do parque de máquinas.

«A nível de equipamentos estamos em modernização de algumas máquinas, que são as Flatlock, ligadas ao desporto. Os atletas não gostam de ter costuras nas peças», explicou.

A carteira de parceiros permite que a Brandbias esteja «na vanguarda dos tecidos e das malhas e fazer a procura para os clientes que muitas vezes não têm noções. Perguntamos qual é o desporto, qual é a modalidade e vamos ao encontro das necessidades dos clientes», confessou Gonçalo Serra.

Se 2015, foi «um ano positivo, com um aumento de cerca de 15%» e um volume de negócios a rondar os 600 mil euros, 2016 será um ano de investimento em marketing e de regresso às feiras, depois de dois anos de interregno, resultado de «um boom em 2013/2014», assegurou o diretor-geral da Brandbias. «Podemos prever talvez 5% dos resultados de 2015 para investir especialmente em marketing e em feiras», admitiu Gonçalo Serra, referindo ainda a vontade de ingressar em certames dedicados aos têxteis técnicos, a que se junta, o desejo de conquistar o mercado norte-americano usando a Lemonjack como passaporte. «Agora estamos a contar com um agente em Chicago para ver se conseguimos vender a Lemonjack lá», concluiu o diretor-geral.