Início Destaques

57 expositores lusos no marketplace da Première Vision

Portugal é o oitavo país mais representado na plataforma digital da feira parisiense, que a partir de amanhã será dominado pelo Digital Show, a alternativa digital à edição física. Além de desvendar as propostas para as próximas estações, esta versão online conta também com um preenchido programa paralelo.

[©Première Vision]

O Digital Show irá decorrer a 15 e 16 de setembro, em dois dias em que irá assumir as rédeas do Première Vision Marketplace, substituindo a edição física que foi cancelada por imposição do governo francês.

Segundo a organização, o evento online tinha já sido equacionado em abril com a ideia de complementar a edição física e acompanhar a expansão do digital provocada pelo surgimento da pandemia no início do ano, enquanto o Marketplace é uma ferramenta já desenvolvida em 2018 para responder às necessidades de sourcing das marcas e à necessidade de visibilidade por parte dos expositores para além dos dias das feiras.

O Digital Show contempla mais de 1.600 lojas online, com mais de 40 mil referências de produto e oito universos: tecidos, peles, acessórios, fios, denim, Smart Creation, designs e confeção. Disponível sem custos desde março para os expositores da Première Vision, a plataforma foi melhorada para permitir uma maior interação e um catálogo digital mais funcional, permitindo adicionar vídeos e imagens aos perfis das empresas e com ferramentas para facilitar os contactos.

Por área de atividade, marcam presença 34 lojas online na Première Vision Yarns, 752 na Première Vision Fabrics, 202 na Première Vision Leather, 75 na Première Vision Designs, 316 na Première Vision Accessories, 74 na Première Vision Manufacturing, 17 no Denim e 115 expositores na área Smart Creation, dedicada à oferta ecologicamente responsável.

Por país, de acordo com um comunicado da Première Vision, Itália será o mais representado, com 567 expositores, seguido de França (205) e da Turquia (193). Portugal ocupa a oitava posição, com 57 expositores, atrás ainda da China (87), Espanha (86), Coreia do Sul (63) e Japão (59).

Futuro da moda em debate

Tal como acontece habitualmente na feira física, também o Digital Show terá um espaço dedicado às tendências e a conferências, apropriadamente batizadas Digital Talks, que terão como tema principal “Os futuros da moda”. Ao todo serão 15 as palestras, com a intervenção de 29 oradores e representando cerca de 10 horas de debate, que poderão ser assistidas em direto e vistas ou revistas posteriormente.

[©Première Vision]
Além das habituais apresentações de tendências para o outono-inverno 2021/2022, divididas pelos dois dias, estão ainda agendadas discussões sobre o novo calendário da moda, numa parceria com a Vogue Business, a sustentabilidade, o futuro da moda na América, o trabalho num mundo digital, o papel da ciência na moda e os mercados de moda numa Europa pós-Covid, este último com a apresentação de um estudo do IFM-Première Vision Chair que em junho inquiriu 5.000 consumidores em França, na Alemanha, em Itália e no Reino Unido para compreender as perspetivas de consumo para a segunda metade de 2020.

A feira vai igualmente entregar, pela primeira vez, os prémios Première Vision NextGen, que pretendem distinguir a criatividade têxtil de estudantes de design de todo o mundo. Os 20 finalistas são já conhecidos e entre eles encontra-se o projeto Lisboa, da designer Jessica Fauscette, que se inspirou na capital portuguesa, nomeadamente nas lojas de conservas e nos azulejos das fachadas, para criar padrões para têxteis estampados para utilização no design de interiores. Os vencedores nas quatro categorias – Grande Prémio do Júri, Prémio Imaginação, Prémio de Interiores e Prémio de Inovação nos Materiais – serão conhecidos no final do Digital Show.