Início Notícias Marcas

Moda à mesa

A moda chegou à mesa. Num momento em que os deleites da mesa conquistam uma popularidade crescente entre os consumidores, as marcas do segmento de moda utilizam a comida, nas suas múltiplas manifestações, como forma de ampliar a sua mensagem de lifestyle.

Luxo no estado líquido

Tendo em vista a sedimentação das mensagens de luxo e exclusividade veículadas pelas marcas, uma garrafa de álcool de edição limitada permite que as marcas de moda alcancem um público mais vasto. Integrada na sua série Power Creation, a marca de champanhe Dom Pérignon estabeleceu uma parceria com a designer holandesa Iris van Herpen para a criação de uma caixa, etiqueta e obra de arte feita sob encomenda para o seu novo vintage. De igual forma, a Disaronno, reconhecida pelo seu licor de amaretto, contou com a colaboração de Roberto Cavalli para conceber uma garrafa embrulhada com padrões de animais exóticos, inspirados pela pré-coleção de verão 2015 da casa Cavalli. A Versace e a Moschino também desenvolveram embalagens de edição limitada para a marca.

No mercado dos refrigerantes, Karl Lagerfeld, Jean Paul Gaultier e, agora, JW Anderson colaboraram com a Coca-Cola Diet, uma favorita da moda. A contribuição de JW Anderson inclui o design da garrafa, duas t-shirts e um bloco de notas, inspirado pela coleção outono-inverno 2015/2016 do designer.

As marcas de chá e café representam um outro popular canal de parcerias entre nomes da moda e bens alimentares. Baseando-se na sua coleção russa da década de 1980, o designer francês Jean Paul Gaultier trabalhou para a marca russa Kusmi Tea, propondo-se a elaborar embalagens para as misturas de chá da marca Anastasia e Príncipe Vladimir.

A tendência do lifestyle

A retalhista online Farfetch criou a Farfetch Curates: Food, o primeiro livro de uma série composta por três títulos, que inclui recomendações dos proprietários das suas boutiques sobre as últimas tendências alimentares. «Ter a experiência necessária para selecionar as melhores boutiques do mundo significa que somos curadores naturais», advoga José Neves, CEO da Farfetch. «Da mesma forma que somos curadores de boutiques, temos trabalhado com os colaboradores e especialistas e expandido a nossa presença nas artes, design e comida – assuntos que têm uma afinidade natural com a moda», acrescenta.

Durante a edição deste ano da Semana do Design de Milão, a publicação Wallpaper* revelou a sua sexta Handmade Collection. Tendo por base a temática dos alimentos, bebidas e entretenimento, entre os novos produtos destacam-se o Chef’s Bag – uma colaboração entre o chefe Davide Oldani e a marca italiana de artigos de couro Tod’s – e do Forager’s Gilet, concebida pela marca britânica Hunter e por Thom Hunt.

Experiências em loja

As marcas de moda de luxo têm vindo a imiscuir-se no segmento da restauração e hotelaria desde os anos de 1980 – Giorgio Armani inaugurou o seu primeiro restaurante em 1989 – pelo que, atualmente, a adição de um café ou hotel a um portfólio de marcas de vestuário é encarada como uma progressão natural. Marcas como Cavalli, Versace e Bulgari operam, atualmente, vários restaurantes.

A Burberry lançou o seu primeiro espaço no segmento da alimentação, um café batizado Thomas’s, sediado na sua loja da londrina Regent Street. Integrando o restaurante num espaço de retalho já existente e fortalecendo a sua secção de prendas, a Burberry usa o café como uma forma de manter os consumidores na loja por mais tempo, maximizando as oportunidades de compra. «Pretendíamos criar um espaço onde os nossos clientes pudessem passar algum tempo, relaxando e aproveitando o mundo da Burberry num ambiente mais social», explicou o CEO e diretor criativo da Burberry, Christopher Bailey. «Combinando o nosso novo café, Thomas’s, com a área de presentes, estamos a experimentar algo novo», acredita.

O café in-store da Ralph Lauren disponibiliza, igualmente, aos compradores, uma forma mais acessível de aceder e experimentar a marca. Numa altura em que cada vez mais os consumidores compram on-line, a existência de um restaurante no interior da loja cria uma razão adicional para visitar a loja física.

Conceitos criativos

Demonstrando a simetria entre a moda e a comida, os desfiles começaram a incorporar alimentos nas suas apresentações: a casa Prada serviu os seus próprios chupa-chupas como canapés no desfile de apresentação da sua coleção masculina da estação primavera/verão 2016, enquanto a Chanel criou um célebre supermercado repleto de mantimentos para a apresentação da sua coleção de outono-inverno 2014/2015. Bertie de Rougemont, especialista em eventos de moda, revela que as grandes marcas «quase sempre solicitam menus que refletem a sua história e património. A Fendi, por exemplo, nunca serviria Shepherd’s Pie. A Hackett foca-se em ingredientes sazonais e locais, de produção britânica – nunca, jamais, serviria risotto. Toda a comida apresentada por Stella McCartney é, e sempre será, vegetariana e 100% natural. A Prada foca-se na simplicidade, elegância e numa absoluta falta de pretensão».

Elevando esta tendência a um status artístico, o fotógrafo sueco Linus Morales criou logotipos de luxo em fast food para a sua série de inspiração pop, Fab Food. Os designers gráficos Amy Moss e Peddy Mergui conceberam embalagens para produtos de fast food de luxo imaginários, como o gelado Paul Smith e o iogurte Tiffany & Co. – em formatos que vão desde algo perfeitamente adaptado à marca a algo ousadamente aposto.

Doce deleite

As confeitarias criativas propõem o recetáculo perfeito através do qual comunicar uma declaração artística com recurso a cores, padrões e formas. Em 2009, o pasteleiro francês Ladurée uniu-se à Marni na conceção de uma linha de caixas de edição limitada, enfeitadas com o emblemático padrão “polka dot” da casa e apliques florais. Este ano, uma colaboração com a casa de moda Pucci resultou numa linha de edição limitada de macarons de limão e rosa, embalados em caixas adornadas com o padrão Pucci.

Para comemorar o seu 10º aniversário, no ano passado, o restaurante Chanel com sede em Tóquio, Beige, que é propriedade conjunta do chefe francês Alain Ducasse, pediu a Karl Lagerfeld que desenhasse um bolo de Natal em forma do famoso batom da casa francesa.

A marca Lacoste, por sua vez, celebrou o 80º aniversário no Open de França Rolland Garros com éclairs de edição limitada da autoria da padaria francesa Fauchon.