Início Notícias Têxtil

6Dias Têxteis cimenta a diversidade

A empresa, que desde 2019 possui valências de tecelagem, tinturaria e acabamentos, continua a promover a diversificação, desta vez com a adição de tecidos para têxteis-lar ao portefólio da 6Dias Têxteis.

Patrícia Dias

A aquisição de uma empresa têxtil com tecelagem, tinturaria e acabamentos em 2019 impulsionou a 6Dias Têxteis para uma nova realidade, onde a versatilidade e a adaptabilidade às necessidades do mercado se tornaram mantras. «Temos crescido muito na área dos fios tintos e também dos têxteis-lar. É um mercado que está a crescer com a tecelagem», revela a administradora Patrícia Dias.

O trabalho para esta nova área de negócio, que atualmente representa entre 10% e 15% da produção da empresa, é feito quer diretamente, quer no modelo de subcontratação, e a ideia agora é continuar a desenvolvê-la. «Neste momento pretendemos crescer nos têxteis-lar, mas crescendo também na área da moda. Pretendemos crescer nas duas áreas», afirma ao Jornal Têxtil.

Com 72 máquinas e uma capacidade produtiva de 1,2 milhões de metros por mês, a unidade industrial da 6Dias Têxteis não está ainda a funcionar a todo o gás. «Neste momento temos muita capacidade para aquilo que produzimos», reconhece a administradora da empresa, que continua a «subcontratar e a importar muito», garante.

Ainda assim, a produção própria tem sido uma mais-valia para a 6Dias Têxteis, que aproveitou a oportunidade que surgiu quando a empresa Timingtêxtil, mesmo ao lado das suas instalações na Trofa, foi colocada no mercado. «Sentimos essa necessidade [de ter uma unidade produtiva] porque os nossos clientes também nos tinham pressionado para isso e surgiu a oportunidade de adquirirmos a fábrica», justifica.

O trunfo da versatilidade

O investimento, que rondou os 5 milhões de euros, foi feito imediatamente antes do surto de covid-19 que haveria de pôr o mundo numa pausa forçada e obrigar os negócios, nomeadamente o têxtil, a adaptar-se a uma nova realidade. «Na pandemia começámos a ter muitas encomendas canceladas e enveredámos pelos não-tecidos e conseguimos dar a volta ao negócio a trabalhar nessa área», admite Patrícia Dias.

Uma mudança que permitiu à empresa, que emprega cerca de 50 pessoas, nunca baixar o seu volume de negócios, que em 2021 rondou os 6 milhões de euros. «Como temos muita variedade de produtos, se não vendermos uma coisa, vendemos outra», refere a administradora, que destaca como ponto forte da 6Dias Têxteis a versatilidade. «A versatilidade que temos permite-nos, se calhar, ter mais negócios do que a maior parte das empresas. Como temos muita coisa, é muito fácil tentar adaptar», considera.

A diversidade geográfica tem igualmente sido uma vantagem para a empresa, que tem em Inglaterra o seu principal mercado, seguido por França, Espanha, Alemanha, Suíça, Áustria e Bélgica, mas que vende também para outros continentes além do europeu, como os EUA ou o Brasil. «Para os EUA vendemos essencialmente as coleções porque eles depois produzem em Portugal», assegura Patrícia Dias, enquanto que para o Brasil «já temos alguns contactos, ainda não muita produção, mas temos algumas vendas», desvenda.

De Paris para o mundo

Na mais recente edição da Texworld Evolution Paris, a 6Dias Têxteis atraiu ainda outros mercados, nomeadamente contactos da Argentina. «Recebemos muitos clientes de Nova Iorque, dos EUA, e de Buenos Aires. Nova Iorque já tínhamos tido alguns contactos, mas clientes da Argentina não é muito comum e tivemos vários este ano», aponta. «Surpreendeu-me pela positiva. Vamos pesquisar mais sobre esse mercado, não temos muita noção de como é, foi a primeira vez que tivemos visitas e nem estávamos à espera de clientes dessa área», confessa a administradora.

Depois do crescimento em 2021, «pouco, mas um bocadinho», a instabilidade que se vive em 2022 tem deixado Patrícia Dias mais cautelosa, mas otimista. «Está tudo a aumentar imenso e há muita instabilidade, os artigos aumentaram imenso, a nível dos preços das matérias-primas houve aumentos muito grandes, alguns na ordem dos 30% a 40%, depende do produto». Contudo, «somos bastante versáteis e estamos muito vocacionados para os desejos dos clientes, portanto, é fácil conseguir vencer», acredita.