Início Arquivo

A comunicação virtual das cores reais

Hoje os computadores e os espectrofotómetros apresentam uma importância crescente nos sistemas de processamento e de controlo de qualidade no campo do tingimento. Deste modo,há uma necessidade cada vez maior de comunicar eficazmente os dados entre esses sistemas. Os espectrofotómetros estão já bem implantados na indústria têxtil como ferramenta para a medição da cor e subsequente cálculo da diferença de cor requerida para aprovação da mesma. Este tipo de dados tem sido escolhido como norma para especificações, de preferência para uma amostra física, graças à sua fiabilidade, estabilidade e mobilidade em comparação com as próprias amostras físicas. A produção e o sourcing têxtil, em particular, apresentam agora uma verdadeira natureza global, onde a fabricação e a distribuição estão literalmente em continentes separados. O design e a gestão do produto permanecem nos centros da moda (Nova Iorque, Paris, Londres, etc.), a produção vai para onde dita a economia e o retalho assume-se como global. Um elemento essencial para uma resposta rápida às necessidades do mercado, e para uma redução de custos no desenvolvimento da cor e na sua produção, é a comunicação efectiva dos dados colorimétricos entre os diferentes sistemas. Isto proporciona a operação remota de processos como a aprovação da cor, posição, coordenação da gama de cores, etc. Este cenário global é similar a muitas outras indústrias que procuram gozar das vantagens das condições locais em operações à distância. Um requisito para a operação bem sucedida deste modelo é a comunicação electrónica. Actualmente existem muitos fornecedores de instrumentos de medição de cor e de sistemas de software para realização dos cálculos associados a esta operação. Isto inclui sistemas de controlo da qualidade e sistemas de predição de receitas, assim como sistemas de visualização da cor. A informação colorimétrica gerada por estes sistemas não pode ser logo consumida por outros sistemas, já que se encontra sob um formato conhecido apenas pelo fabricante do próprio sistema. Alguns sistemas podem descodificar os formatos dos dados de outros sistemas e permitir a transformação num formato compatível. Novos sistemas e novos formatos estão em contínuo desenvolvimento. No entanto, esses novos formatos não serão imediatamente compreendidos ou utilizáveis em outros sistemas de colorimetria. Para que sistemas distintos possam ser efectivamente usados na comunicação de cores, é necessário uma norma de dados comum. Isto permite que os dados produzidos por um sistema possam ser imediatamente consumidos por outro sistema, quer seja um sistema de colorimetria ou um sistema comercial. Deste modo, os dados podem ser prontamente visualizados através de um browser standard ou outra ferramenta de dados simples. O XML é uma linguagem desenvolvida para uso na Internet que permite a troca de dados entre sistemas distintos. O XML proporciona dados sobre os dados assim como os próprios dados, possibilitando assim a compreensão de conteúdos de um documento XML standard entre diversos sistemas. Além disso, faculta um formato standard dos dados em forma de documento. Os utilizadores dispõem de muitas funcionalidades para tratar os dados neste formato e, como o código subjacente está na base texto, um simples editor pode “ver” os dados. Esta abordagem tem sido adoptada por muitos outros sectores industriais que requerem a comunicação de dados entre sistemas diferentes. Qualquer fornecedor de sistemas ao tentar lançar um formato particular de dados como modelo standard pode encontrar uma certa oposição comercial por parte dos seus concorrentes. Estes procuram também ganhar algumas vantagens comerciais com este lançamento. Trata-se de uma prática de negócio bastante corrente. A colaboração necessária para definir um formato de dados adequado não advirá dos fabricantes de sistemas e seus concorrentes. O lançamento de uma norma de dados é melhor conseguida através de uma organização industrial, e o grupo de trabalho CMC/NPL é o veículo ideal. Este grupo de trabalho inclui membros dos principais sistemas de estruturas de dados abarcando todos os tipos de dados colorimétricos, tendo já transferido estes para formatos de documento XML de forma a propô-los como norma para os dados.