Início Arquivo

A escolha de Sophie

“Miss Champs Elysées” é a história de uma colecção que de “french touch” tem apenas o nome e a sua criadora: Sophie Blanc. Com efeito, esta colecção foi claramente inspirada pelas paragens exóticas que tantas vezes serviram de porto de abrigo à estilista. «Trata-se de uma colecção destinada à área do pronto-a-vestir de alta gama para senhora, tendo como base de fundo Paris. No entanto, todas as criações são de origem étnica, indianas e/ou chinesas, com base em transposições de colecções ocidentais com tecidos orientais», explica Sophie Blanc. Uma linhasexy e chique onde se cruzam, não sem um certo pudor, a Lycra e as rendas com tecidos seleccionados directamente na Índia pela criadora.

 

«Esta colecção apresenta um conceito inovador, no sentido em que, com 6 metros de tecido de seda, rendas e fios de ouro, foi possível confeccionar várias peças de vestuário e assim constituir um verdadeiro guarda-roupa, onde se incluemtop, calças, túnica e vestido, sem esquecer os sapatos, igualmente confeccionado no mesmo tecido. Os sarees todavia nunca são iguais, são padrões únicos e originais, o que faz com que não se repitam», afirma Sophie Blanc. «A cliente terá um guarda-roupa absolutamente exclusivo. De certa forma, é um conceito de alta-costura, mas a um preço bem mais acessível, mais próximo do pronto-a-vestir de alta gama».

 

Mas a maior originalidade desta sua primeira colecção está no facto de ter sido desenhada e fabricada integralmente em Portugal, país escolhido por Sophie Blanc para viver e desenvolver o seu talento criativo. Deste modo, um país que poderia ter sido apenas uma escala numa travessia entre a África do Sul e o Brasil ou os Emirados Árabes Unidos e os EUA, transformou-se de há três anos para cá no seu porto seguro, ou não tivesse sido o Porto o seu local de eleição.

«A base de inspiração para a realização deste trabalho foi e continua a ser Portugal. Tenho um carinho muito especial por este país, para o qual viajei periodicamente durante mais de 12 anos. Mas a decisão de morar aqui definitivamente foi, em especial, ditada por “razões têxteis”: os níveis de perfeição e qualidade dos têxteis “made in Portugal” conquistaram-me completamente, já desde os tempos em que era responsável de compras primeiro no grupo André e depois no grupo Vivarte, ambos franceses», declara Sophie Blanc. «Portugal tem todas as potencialidades para constituir uma referência na produção de vestuário topo de gama. Com efeito, beneficia de condições geográficas únicas e de umknow-how já bem inserido e confirmado e que pode, em minha opinião, ser mais e melhor aproveitado».

Com esta colecção, Sophie Blanc busca algo bem diferente de fama e fortuna… «Mais do que uma colecção, trata-se de um projecto com grande significado para mim, pois é a minha forma de poder ajudar financeiramente na luta contra o flagelo do cancro, já que parte do dinheiro angariado com este projecto será destinado a esse fim», revela. Além disso, a criadora pretende desenvolver derivados desta colecção, como bandanas e lenços, para oferecer a instituições de luta contra o cancro. Uma doença que, apesar das penas que lhe trouxe, deu um sentido mais verdadeiro à sua vida.