Início Notícias Marcas

A marcha da Miel à Moi

Os primeiros passos da Miel à Moi estão a ser circunscritos ao velho continente. É este o rumo da marca portuguesa que nasceu há um ano e que procura nas várias presenças internacionais descobrir as fragrâncias que contemplarão a sua essência.

«O objetivo desta primeira coleção é retirar ideias e através dessas opiniões que recolhemos, criar uma identidade», afirma Nelson Salgado, responsável comercial da empresa Wonder Routin, detentora da marca Miel à Moi.

Alicerçada na qualidade, no design e nos materiais nobres, a coleção destinada a bebés e crianças dos 0 aos 14 anos foi desenvolvida «de acordo com as tendências», destacando «um tema só com flores» e «um tema inspirado nas andorinhas a pensar mais nos nórdicos», explica a designer Sara Macedo ao Portugal Têxtil.

Como foi revelado durante a participação da mostra Kids ModaPortugal na Pitti Bimbo, a marca aposta o trunfo numa linha dedicada à combinação de roupas entre mãe e filha. «Fizemos algumas peças que nem sempre são exatamente iguais, mas têm pormenores que combinam a mãe e a filha para fortalecer a ligação entre elas», confessa a designer.

A Miel à Moi ambiciona expandir-se no mercado europeu e a estratégia da marca passa pela presença em eventos além-fronteiras e a representação através de agentes.

«Estivemos presentes em várias feiras, onde têm surgido esse tipo de oportunidades. É isso que buscamos, alguém que faça a distribuição e a representação da nossa marca lá fora», adianta o responsável comercial.

A Wonder Routine, que para além da marca própria Miel à Moi também trabalha em private label para mercados como Holanda, França, Alemanha, Reino Unido, Espanha, Bélgica e Estado Unidos, apresenta uma quota de exportação de 90% e dispõe de um efetivo de 12 pessoas.

A meta delineada para 2018 passa por duplicar a faturação e «atingir os 2 milhões, no próximo ano, através da marca própria e do privale lavel», assegura Nelson Salgado.

Com projeções elevadas para a marca, o responsável comercial admite que o plano é conseguir que a Miel à Moi seja a melhor cliente da empresa para possibilitar a seleção dos clientes mais vantajosos para o private label.

«Uma marca própria que dê volume de negócios, porque, às vezes, somos obrigados a pegar em coisas que, às tantas, não tinham interesse nenhum e não dão sequer o que precisamos», justifica.

Perspetivando o futuro, a Miel à Moi prepara-se para novos desafios munindo-se de novidades. «Vamos lançar uma nova coleção em janeiro e, possivelmente, a partir dessa altura já teremos loja online», avança Nelson Salgado ao Portugal Têxtil.

Para o ano, o compromisso fica dado para a repetição de algumas feiras internacionais. «Possivelmente faremos uma feira no Reino Unido e vamos certamente repetir a Playtime e a Pitti Bimbo. A CIFF Kids podemos vir a repetir, mas temos que mudar um pouco, pois a Escandinávia é um mercado diferente», conclui o responsável comercial.