Início Notícias Moda

À moda de Cannes

A passadeira vermelha do Festival de Cannes, que arrancou no dia 8 e termina a 19, voltou a cumprir a tradição de receber os mais memoráveis vestidos e joias do ano, garantindo momentos de moda capazes de subsistir à passagem do tempo – tal como o vencedor da Palma de Ouro.

De acordo com os portais da especialidade, Cate Blanchett e Penélope Cruz são as responsáveis por alguns dos looks mais marcantes de 2018. A imprensa nacional coloca as escolhas da modelo Sara Sampaio no topo da lista.

Caras conhecidas

O mais importante festival de cinema francês, que completa a sua 71.ª edição, recebe, ano após ano, vestidos deslumbrantes, exuberantes e errantes, supermodelos, atrizes de Hollywood e, claro, algumas caras conhecidas do público nacional.

Em 2018, a modelo Sara Sampaio e atriz Rita Pereira estão em destaque.

Sara Sampaio

A primeira foi fotografada em quatro looks distintos, um vestido preto com jogos de transparências assinado pela Julien Macdonald, um vestido de saia rodada dourado da Zuhair Murad, um caicai cortesia da Roberto Cavalli e, por último, um vestido branco com plumas da Ralph & Russo. «Obrigada Ralph & Russo por este vestido customizado de sonho», escreveu Sara Sampaio na legenda relativa ao quarto vestido usado na passadeira vermelha de Cannes.

Já a atriz Rita Pereira escolheu dois looks da designer nacional Micaela Oliveira, que ambas catalogaram nas respetivas redes sociais. O primeiro vestido, sensual e de decote profundo, era vermelho; o segundo, de saia estruturada e corpete caicai justo e acetinado era rosa suave e, segundo a atriz, precisou de viajar de carro para Cannes devido ao seu volume e peso.

Prémio para Portugal

Ainda na comitiva portuguesa no festival francês, o filme “Diamantino”, de Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt, venceu esta quarta-feira o Grande Prémio da Semana da Crítica do Festival de Cinema de Cannes.

Rita Pereira

A informação foi divulgada na conta oficial da Semana da Crítica na rede social Twitter.

As senhoras da passadeira vermelha

Conhecida por looks que entraram para os anais da moda, a atriz Cate Blanchett, que este ano preside o júri, voltou a embainhar coordenados elogiados – ainda que um deles tenha lançado a dúvida.

Na primeira noite do evento, Cate Blanchett surgiu com um vestido de renda com as costas descobertas assinado pela Armani Privé e para atravessar a passadeira vermelha da estreia de “Cold War (Zimna Wojna)” escolheu um vestido estruturado estampado e cravejado de cristais e lantejoulas da designer grega Mary Katrantzou. Para completar, a atriz usou anéis em forma de borboletas, cortesia da casa Chopard.

Já no dia 14, Cate Blanchett apostou num coordenado da coleção de primavera-verão 2018 da Givenchy, com duas peças, uma saia em camadas dégradé com cores quentes e frias e um body preto de gola alta com decote oval nas costas. A joalharia da Chopard voltou a abrilhantar o look. O vestido acabou por dar nas vistas por causar um efeito de ilusão de ótica devido aos tons avermelhados, que se confundiram com a cor da passadeira.

Cate Blanchett

Depois de ter recebido um prémio de honra nos Prémios César, Penélope Cruz voltou a ser o centro das atenções em Cannes, com looks assinados pelas casas Dior e Chanel.

Durante o Festival do Sul de França, a atriz cruzou a passadeira vermelha com peças da sua nova coleção de joalharia, em colaboração com o Atelier Swarovski.

Penélope Cruz surgiu com um conjunto de brincos e anel de ouro branco 18 quilates cravejados de diamantes Swarovski e rubis.

«Foi um prazer trabalhar com Penélope Cruz e explorar, em conjunto, o compromisso da Atelier Swarovski com o luxo consciente. A coleção combina a elegância da passadeira vermelha com trabalho artesanal responsável», afirmou a marca em comunicado.

Penélope Cruz

Em destaque na passadeira vermelha esteve ainda a atriz Emilia Clarke, cujo vestido de design exclusivo em tule exigiu 250 horas de trabalho da casa Dior para chegar à Riviera francesa.

A luta continua

Depois dos movimentos feministas “Me too” e “Time’s Up”, Cannes recebeu na sua icónica escadaria do Grande Auditório Louis Lumière 82 mulheres em protesto contra as desigualdades salariais de género na indústria cinematográfica.

O movimento foi encabeçado por Cate Blanchett, com Salma Hayek e Marion Cotillard entre as 82 mulheres.

«As mulheres não são uma minoria no mundo, ainda que o atual funcionamento da nossa indústria diga o contrário», leu em voz alta Cate Blanchett e a realizadora de 89 anos Agnès Varda.

Emilia Clarke

A iniciativa, inédita na história do festival, não deixou assim esquecer o escândalo Harvey Weinstein, o produtor de Hollywood acusado de assédio sexual e de violação por mais de uma centena de mulheres.

Na corrida ao prestigiado galardão Palma de Ouro estão 21 filmes, o vencedor é conhecido sábado, dia 19.