Início Notícias Marcas

A nativa digital

Kate Valentine (ex-Spade), Andy Spade e alguns ex-membros da Kate Spade reuniram-se para lançar uma nova marca. A Frances Valentine tem ADN digital e, por enquanto, os seus acessórios e calçado têm morada fixa na rede.

O segundo ato da designer Kate Spade, que em 1993 fundou a marca epónima com o marido Andy Spade, chega com a designação de Frances Valentine. Em 2007, os dois, juntamente com a cofundadora Elyce Arons e a diretora de design Paola Venturi, saíram da empresa, um ano depois de esta ter sido adquirida pelo grupo Liz Claiborne.

Quase 10 anos volvidos, os quatro voltaram a reunir-se depois de terem embarcado em projetos individuais. Andy Spade lançou a Sleepy Jones e desenvolveu o seu estúdio de branding Partners & Spade, Paola Venturi passou pela Prada e Kate Spade dedicou tempo à sua filha.

Logo após de anunciar o lançamento da nova marca de acessórios Frances Valentine, uma combinação de dois nomes de família, Kate mudou o seu último nome por vias legais para Valentine.

Depois de muita antecipação, o portal e comércio eletrónico da marca foi finalmente lançado na semana passada. Andy Spade, em declarações ao portal Fashionista, referiu que a principal prioridade, além da facilidade de utilização, foi que o website fosse capaz de contar a história da marca e respetiva inspiração.

«Será uma combinação de coisas sobre as quais as pessoas nos têm questionado. Estamos a tentar responder a essas perguntas, mas também queremos que seja algo divertido com o qual possam interagir», afirmou. «Estivemos afastados durante sete anos, por isso, penso que queremos mostrar mais de nós como equipa», explicou. «A Kate não quer ser a única pessoa na linha da frente, a Paola está aqui connosco, a Elyce está connosco. É um coletivo», acrescentou.

Se Andy Spade tem uma vasta experiência em comércio online, com a sua plataforma direta ao consumidor da linha de pijamas Sleepy Jones, para Kate Valentine esta é uma realidade nova. «Não faço muitas compras online», revelou a designer. «Não tenho a certeza se devo dizer isso, mas familiarizei-me com o processo e considero que é bastante divertido. O Andy mostrou-me muito», confessou.

Outro campo no qual o quarteto faz planos de investir e não existiu durante os seus anos de “Kate Spade” é o Instagram. Os quatro mentores da Frances Valentine têm usado a rede social para criarem o storytelling da marca e manterem um diálogo próximo com os clientes. «Será uma mistura de coisas pessoais de bastidores; o que estamos a fazer e para mostrar os nossos processos de design», referiu ainda Spade, citando a importância da transparência no universo da moda atual.

Andy Spade revelou também que grande parte do trabalho nas plataformas digitais é da sua responsabilidade e que irá incorporar vídeo no conteúdo de marketing, algo que já faz com frequência na Partners & Spade. Os esforços de marketing e design, como a estética e a abordagem do website, são ainda mais cruciais neste segundo ato, porque a marca enfrenta hoje mais concorrência.

«Quando saímos, os designers de pronto-a-vestir não estavam muito focados nos acessórios. Agora, em vez de termos 20 pessoas a fazer acessórios, há 100 ou 1.000, por isso as pessoas têm mesmo de gostar das coisas que fazemos agora», advogou Spade. «Precisamos de dar-lhes uma razão para as comprarem. Precisamos de nos diferenciar e fazer algo especial, emocional e único», sublinhou.

A italiana Paola Venturi, que tem um historial dedicado ao calçado e soma vários anos nos corredores da Prada, descreveu o processo de design como muito intuitivo e colaborativo – nem sempre existe uma história ou um tema para descrever. «Costumava ficar nervosa, mas agora já não fico quando digo que não temos um tema. É baseado num estado de espírito», elucidou Kate Valentine. Os estilos não vão mudar drasticamente entre coleções, porque, de acordo com a equipa, o objetivo é dar aos clientes algo que eles queiram, sem retirá-lo logo na coleção seguinte.

A plataforma de comércio eletrónico não é, todavia, o único ponto de venda para a Frances Valentine. A marca juntou-se já à Nordstrom, Bloomingdale’s e Shopbop, entre outras, e os fundadores esperam ainda incluir espaços físicos num futuro próximo.

No horizonte está também o alargamento da gama de produtos, da qual a Frances Valentine já apresentou alguns exemplares, sendo que o futuro pode reservar uma verdadeira marca de lifestyle.