Início Arquivo

A obsessão pelo denim de luxo

Começou há três ou quatro estações como um boato espalhado entre as clientes: umas calças de ganga que fazem “emagrecer” à volta de cinco quilos. O objecto destes boatos que vieram da Califórnia, atravessaram rapidamente o Atlântico para chegarem ao mercado Europeu, foram as calças de ganga da Earl Jean. Agora, não se fala só da Earl Jean, mas também da Frankie B., da Paper Denim Cloth e da Seven que vendem, ao lado das marcas tradicionais como a Dolce e Gabbana, a Roberto Cavalli e a Gucci, inovações em ganga. Se estes jeans tornam realmente as pessoas mais magras é discutível. Mas é verdade que as tornam mais jovens, mais sexys e podem ser vestidos em todas as ocasiões. Isto, pelo menos, são as explicações que os vendedores dão para fundamentar a grande procura deste tipo de calças de ganga. Qualquer que seja a razão, o facto é que as lojas de alta costura, durante as últimas duas ou três estações, têm tido um aumento no volume de vendas da roupa de ganga. A Midi Moser-Föger da Föger Woman Puré, Telfs, Áustria, afirma que “as nossas vendas de jeans aumentaram imenso”. Também a Katharina Sand da Septième Etage, de Genebra, Suíça explica que têm “problemas em obter a mercadoria por causa da elevada procura. As pessoas estão dispostas a esperar um ou dois meses por umas calças de ganga. E estão também dispostas a pagar preços muito elevados. Algumas pessoas que não encontraram os jeans que queriam em Londres voaram até Genebra para os comprar. Temos e-mails de Hong Kong ou mesmo da Alemanha. Hoje, recebi uma encomenda de 50 jeans e já todos estão reservados”. É certo que isto são extremos, mas dão uma imagem sobre o desenvolvimento positivo que o negócio com a ganga tem tido. As calças de ganga são muito procuradas. “Em cada dois pares de calças vendidas, uns são jeans. É perfeito”, diz Andreas Feldenkirchen da Feldenkirchen em Hamburgo, Alemanha. No momento, parece que nenhum cliente pode resistir a uma calça de ganga com um bom corte nas ancas e uma boa apresentação na loja. “O highlight desta estação foram as calças de ganga da Gucci. Os jeans de Vintage-Look foram alvo da procura das mulheres e dos homens,” diz Christina Liebrecht da Christina’s, em Timmendorf , Alemanha. Os casacos de ganga também se vendem bem. Na Alemanha, por exemplo, os casacos da Dolce e Gabbana foram um sucesso. “Os jeans adequados dão uma imagem mais nova e mais erótica” São sempre os mesmos nomes que os vendedores repetem – Dolce e Gabbana, Earl Jean e Roberto Cavalli – e são também os modelos simples em estilo vintage ou used que convencem as mulheres. Os jeans em combinação com as t-shirts estreitas, cintos largos e sapatos altos representam o out-fit do dia-a-dia neste momento e, também, das ocasiões especiais. Por exemplo, a maioria dos vendedores na Alemanha apresentam as suas calças de ganga desta maneira. “Se alguém apresenta ganga, tem de ser numa maneira forte e concentrada, junto com os acessórios adequados,” diz Richard Bogenschütz da Richy’s em Saarbrücken, Alemanha. Preços entre 200, 230 ou 255 euros não são excepcionais, mas mais do que isto as clientes na Alemanha não parecem estar dispostas a gastar. Há uma grande abertura em relação aos preços, tal como em relação à idade das clientes. Mulheres entre 25 e 75 anos compram calças de ganga. Uma razão para isso pode ser o facto de os jeans serem fáceis de combinar com outra roupa e terem sempre um ar desportivo. Os vendedores estão convencidos de que este aspecto desportivo também vai continuar nas colecções da próxima estação. Também apostam em denim combinado com pele, como a D&G, a Theory e a Roberto Cavalli oferecem, ou em nova lavagens e qualidades com riscas ou com um design em espinha, como os da Earl Jean ou da Paper Denim Cloth. A maioria dos vendedores na Alemanha também está convencida de que a procura de ganga ainda não chegou ao seu zénite e vai continuar no próximo ano. Mas o denim tem de ter novas formas: novas lavagens, novos estilos fortes de bleach ou used, em branco ou cores pastel. Se os produtores conseguirem fornecer isto, o mercado a retalho não vê problemas em vender esta mercadoria no próximo ano. A roupa em ganga constitui à volta de 10% das colecções oferecidas nas lojas de roupa na Alemanha, um valor que não parece muito elevado. Há cerca de dois anos, este tecido quase não fazia parte das colecções dos designers. Agora, a imagem já é diferente e este número torna-se mais impressionante. Hoje em dia, parece que uma mulher prefere comprar jeans a umas calças pretas num estilo ultra-moderno. “Uma calça de ganga com uma lavagem boa e interessante é mais atraente para as clientes”, diz Anne Schärfl da Schärfl Moden de Inglostadt, Alemanha. “Os jeans adequados dão uma imagem mais nova e mais erótica.” Se isso é verdade, a obsessão por esta área é explicável.