Início Arquivo

A Tailândia exporta vestuário de boa qualidade

Com um aumento de 4.2% no produto interno bruto em 1999, a economia da Tailândia restabeleceu-se da queda de 10.2% do ano 1998, o ano que se seguiu à crise económica que este país e o resto da Ásia enfrentaram em 1997. Após esta crise, a Tailândia investiu muito na reestruturação do sector financeiro, no estímulo da procura interna e nos esforços para aumentar a exportação. Esta crise, que durou de 1997 até 1999, afectou também a produção de têxteis e de vestuário, um sector que só na produção de vestuário dá trabalho a 850.000 pessoas. Em 1998, a produção de vestuário foi estimada em 375 milhões quilos (60% tecidos e 40% roupa feita de malha) e o consumo interno de vestuário ficou-se nos 215 milhões de quilos, uma queda de 20% em relação ao ano anterior. De acordo com o Banco da Tailândia, 67% das exportações neste sector foram feitas pela indústria de vestuário (inclui roupa, lingerie, roupa interior e meias) e 33% pela indústria de têxteis. Mas a exportação de têxteis e de vestuário, uma importante fonte de divisas, foi também afectada pela crise. A exportação de vestuário diminuiu 25% durante os anos 1995 e 1997 e, durante os anos 1997 e 1998, 33%. A exportação de têxteis (fibra, fios e tecidos), pelo contrário, foi relativamente estável e só teve uma queda de 7.6% no ano 1998. A razão para estes problemas na área do vestuário foi uma diminuição na exportação para os outros países da Ásia, por exemplo, a exportação para Hong Kong diminuiu 27.1% em 1998 e 26.6% em 1999. Pelo contrário, a procura dos EUA, os maiores clientes de vestuário da Tailândia, não se alterou durante a crise económica e ficou ao mesmo nível do ano 1995. Mas, apesar disso, a exportação total desta área diminuiu 50%. Mesmo assim, a indústria de Tailândia está convencida de que está muito bem situada no mercado global e considera-se uma das líderes de moda na Ásia. Inesperadamente, parece que a crise económica não teve só efeitos negativos, mas também estimulou a procura. Alguns produtores de vestuário orientaram-se para fornecer o mercado asiático e tiveram um aumento considerável porque, por causa da crise económica, as importações de vestuário da Europa ou dos EUA eram cara de mais para a população local. Apesar do salário por pessoa, por exemplo, na Índia ou no Bangladesh ser baixo, há um pequeno grupo de pessoas bom nível económico que não quer comprar artigos de qualidade inferior. A Tailândia, com a sua oferta de boa qualidade, pode aproveitar este potencial. As autoridades da Tailândia, através do departamento da promoção da exportação, têm um grande interesse em aumentar a exportação de vestuário, porque o sector de têxteis e de vestuário é um segmento importante da economia deste país. Este departamento considera actualmente os EUA e a Europa os destinos mais importantes para a sua exportação de têxteis e de vestuário, mas também vê boas possibilidades nos países da Europa oriental, Médio Oriente, na Índia e no Bangladesh. Charin Hansuebsai, director de departamento da promoção da exportação, considera que a Tailândia já beneficia dos efeitos dos seus esforços para melhorar a qualidade dos seus produtos têxteis e de vestuário e que as vendas para a Índia aumentaram 63% no ano 2000. Um outro destino importante é o Japão, um mercado com uma grande força económica, mas, no momento, com uma situação económica complicada.