Início Notícias Marcas

A viagem promissora da Baby Gi

Sónia Brito e Alfredo Moreira partilham, com o Portugal Têxtil, a história da marca Baby Gi, que se escreve no sentido oposto ao convencional. O projeto nasceu em 2016, fruto dos anos de experiência no ensino da professora Sónia Brito e dos conhecimentos técnicos do engenheiro Alfredo Moreira que, à primeira vista, nada traçam em comum com o têxtil.

Assim como todos os caminhos vão dar a Roma, também os de Sónia e Alfredo foram dar ao têxtil, anteriormente cruzados por um negócio familiar orientado para o private label. A marca Baby Gi surgiu, assim, como resposta às adversidades profissionais e a uma mudança de paradigma.

«A minha parte, o ensino, é fácil de ver: fui abandonada pelo próprio sistema de educação», confessa a professora que apanhou boleia na vontade do marido, Alfredo Moreira, em «mudar de ares», para embarcarem nesta viagem.

Os artigos são dedicados a recém-nascidos, dos 0 aos 6 meses e variam entre babygrows, pijamas, bodys, babetes, coberturas para cadeirinhas, mantas, toalhas de banho, fraldas, almofadas e bolsas de toilete, dispondo, ainda, de uma linha de produtos customizada.

O design é da responsabilidade de Sónia Brito, que admite dar preferência aos «materiais 100% algodão e de boa qualidade», atendendo às necessidades do bebé, para que «seja confortável e funcional» sem deixar de lado o sentido estético.

«A nossa marca tem sempre quatro coleções a rolar. Uma de básicos que é constante, depois fazemos de um a três temas diferentes, sempre dentro desta palete de cores, dos tons mais claros», revela a designer da marca, que se mantem fiel às cores mais sóbrias e neutras como base para o desenvolvimento de todas as coleções.

A estratégia da Baby Gi, focada no mercado externo, passa por participar em feiras internacionais como forma de mostrar que «existimos», sublinha Sónia Brito.

Com paragem na Pitit Bimbo em Florença, Bubble London, Dino Mignon no Canadá, Kinder Jugend na Colónia e FIMI em Madrid, a Baby Gi tem ainda como principais mercados Espanha, Reino Unido, Emirados, França, Alemanha e Holanda.

«Todas as feiras que faço têm um retorno diferente», explica a fundadora, que insiste que a presença nestes eventos são o principal ponto de contacto com os clientes internacionais. «As feiras mostram a qualidade da marca, as pessoas podem atestar a qualidade», acrescenta.

Ainda que a Baby Gi possa ser encontrada em 70 pontos de venda ao longo do território nacional, através de lojas multimarca, a quota de exportação representa o peso mais significativo – 75% – no volume de negócios da empresa, sendo que «a tendência é crescer ainda mais a exportação», admite Alfredo Moreira.

Otimista em relação ao futuro e alavancada pela boa recetividade da marca no mercado, Alfredo Moreira assegura que «as perspetivas de crescimento do ano passado para este ano são de 500%», ressalvando que parte do «quase zero».

De olhos postos na América do Sul e com o desejo de abrir caminho para outros países, o empresário adianta ainda que «o objetivo para três anos é triplicar ou quadruplicar as vendas deste ano».

Atualmente, a Baby Gi emprega quatro pessoas, entre as áreas de logística, contabilidade, design e gestão, recorrendo à subcontratação dos restantes serviços para satisfazer a produção anual que ronda as 50 mil peças.