Início Notícias Tendências

Activewear para novos públicos

À medida que a distinção entre o mundo físico e o virtual se esbate, o activewear tende a focar-se mais na experimentação e no redesign de estilos retro adaptados ao digital. Serão estes conceitos que vão marcar, de acordo com o WGSN, a oferta para a primavera-verão 2021.

Nike ACG

Seguindo as mesmas três tendências que homem, senhora e criança, no activewear o ajuste a novos públicos está patente no outdoor, com um conceito que funde o estilo da vida no exterior com o sportswear para atrair consumidores mais jovens, numa altura em que acampar se tornou novamente cool. Esta tendência estende-se ainda ao ambiente urbano, uma vez que as pessoas estão, cada vez mais, a passar o seu tempo livre em atividades no exterior. O WGSN indica a necessidade de criar peças confortáveis para todos os terrenos, incluindo com tecidos impermeáveis, que resistem às nódoas, aos odores e às rugas.

Teslasuit

A paixão dos mais novos pelos jogos eletrónicos está a gerar oportunidades nos chamados eSports. O Teslasuit, por exemplo, saltou para o nível seguinte graças à utilização de háptica em todo o corpo que permite ao utilizador “sentir” o mundo digital, com sensações reais que mimetizam o que está a acontecer no ecrã.

O regresso ao condicionamento extremo vai impulsionar a procura de vestuário para desportos aquáticos, que exigem peças que conjuguem desporto e moda. Há, contudo, influências retro no activewear, nomeadamente dos anos 80, com blocos de cor e grafismos ousados com estampados ombré.

O lado natural

Na ligação à natureza, reutilizar é uma das palavras-chave. O WGSN aponta para a exploração de designs upcycled como forma de chegar a estilos únicos capazes de envelhecer bem e para a utilização de detalhes como costuras irregulares e uma estética de “corta e cose” para dar aos designs um sentido de história, sublinhando que os consumidores vão premiar os inovadores ecológicos que comercializem soluções circulares.

Adidas Y3

As preocupações com o clima e condições meteorológicas cada vez mais imprevisíveis vão impulsionar a procura por activewear adaptável, que permita diferentes utilizações, alimentando a versatilidade e o design modular das peças.

Um outro conceito que vai moldar o activewear prende-se com a otimização do corpo humano, incluindo próteses avançadas a serem usadas mesmo por quem não perdeu um membro. No vestuário para desporto, isso traduz-se na utilização de fitas para esculpir, apoiar e acentuar as formas e em tecidos que reagem ao corpo para o arrefecer quando necessário.

A estética pós-apocalipse está ainda presente, incluindo coletes de treino com proteção no peito, máscaras para filtrar o ar integradas em casacos para proteger da poluição, utilização de fibras com minerais para refletir os raios UV e bolsos utilitários que ajudem a enfrentar os elementos.

Peças-chave da estação

Para homem, os calções ocupam um lugar fundamental nas coleções de activewear. As versões técnicas usam matérias-primas de elevada performance que permitem liberdade de movimento mas também permeabilidade ao ar e gestão da humidade, em modelos mais largos e compridos do que nas estações anteriores.

H&M

Para pleno verão, os calções em felpa são obrigatórios, em tons neutros, podendo ser usados tanto em atividades físicas como em loungewear. Ainda nas partes de baixo, o WGSN destaca, entre outras, as leggings, que funcionam como uma armadura graças à integração de apoio muscular e esquelético, e as calças para montanhismo adaptáveis, com múltiplos bolsos, que são atualizadas com tecidos mate para um look mais sofisticado.

Nas partes de cima sobressaem os coletes utilitários, as parkas de recuperação, com fechos, zonas ventiladas e refletoras do calor para ajudar os músculos no pós-treino, e as camisolas de manga curta com capuz, feitas com materiais que promovam o conforto, o descanso e a recuperação e com bolsos oversized para guardar as consolas de jogo e possibilitar que os consumidores joguem em qualquer lugar.

Força feminina

No activewear feminino, os tops curtos – com modelos mais largos, para performance, ou mais justos, para uma estética athleisure – fazem parte das peças fundamentais, enquanto os soutiens de desporto são adaptáveis, para uma utilização mais personalizada, com compressão, para melhor desempenho desportivo, ou com duas camadas, para treinos de alta intensidade, dança e corrida.

The North Face

Num universo que casa desporto com moda, o activewear para mulher propõe ainda t-shirts oversized, com inclusão de painéis em rede para acrescentar respirabilidade e elástico para ajustar na cintura para um look mais feminino.

Em destaque está igualmente o vestido ajustável, uma peça de vestuário raramente associada ao desporto mas que o WGSN aponta como uma adição importante para servir uma consumidora que quer conforto e facilidade de utilização com um toque feminino. A ideia passa por um vestido que encoraja o movimento, graças a uma abertura na parte de baixo e um corte largo, uma cintura assimétrica e cordões ajustáveis, para facultar a personalização.

Calções de ciclista com bolsos e casacos corta-vento, que recuperam e atualizam esta peça fulcral dos anos 90, complementam as coleções para a primavera-verão 2021.