Início Arquivo

Algodão no mínimo

Os preços internacionais do algodão para entrega em julho caíram para o mínimo de 77,16 cêntimos de dólar (60,40 cêntimos de euro) por libra na bolsa ICE Futures dos EUA, após um relatório do governo americano antecipar stocks mundiais recordes pela segunda época consecutiva. Os preços recuperaram para cerca de 79 cêntimos para as entregas da fibra tanto em julho como em outubro – colocando-as a cerca de um terço do pico do preço do algodão de 2,27 dólares por libra que foi atingido em março do ano passado. O mercado vacilou após dados do Departamento de Agricultura dos EUA sugerirem que os stocks finais iriam aumentar 10%, dos 73,75 milhões de fardos na época 2012/2013, que começa a 1 de agosto. A projeção é baseada num excesso esperado da produção de 6,7 milhões de fardos em relação ao consumo. A produção mundial deverá ser 5% mais baixa do que na última época, nos 116,7 milhões de fardos, com reduções previstas para quase todos os grandes países produtores de algodão, com exceção dos EUA. O consumo mundial deverá aumentar apenas 3,3% devido a preocupações de um abrandamento da economia mundial, embora os preços mais baixos do algodão estejam a tornar a fibra mais competitiva em relação ao poliéster. O comércio mundial deverá cair 10%, com uma acentuada descida das importações da China a dever ser parcialmente compensada pelo aumento de outros países, onde a procura de algodão deverá aumentar. Uma vez que os stocks da reserva nacional da China estão atualmente estimados em quase 20 milhões de fardos, o Departamento da Agricultura dos EUA acredita que as importações de algodão para o país poderão cair 35% em comparação com a atual época, para 14 milhões de fardos, à medida que alguns dos stocks em reserva são libertados. Os stocks totais finais da China deverão, por isso, crescer 14%, para 28 milhões de fardos, representando 38% dos stocks mundiais totais. Nos EUA, a produção deverá aumentar 9% com base no potencial de plantação e produção média, apesar da continuação da seca nos planaltos do Texas. O uso de fiações domésticas deverá aumentar em 100 mil fardos, para 3,5 milhões de fardos em 2012/2013 – com as exportações a subirem 5%, para 12 milhões de fardos, devido a uma maior disponibilidade de fornecimento. Os stocks finais também deverão aumentar para 4,9 milhões de fardos. O grupo intergovernamental International Cotton Advisory Council (ICAC) indicou no início deste mês que a acumulação projetada de stocks de algodão na China irá pesar nos preços internacionais do algodão em 2012/2013 – mas a extensão dessa pressão descendente irá depender em grande parte da forma como a reserva nacional chinesa for gerida (ver China condiciona algodão).