Início Arquivo

Ambiente preocupa China

A indústria têxtil e de vestuÁrio no Delta do Rio das Pérolas, na China, tem sido intimada a melhorar a sua performance ambiental – e a fazer parte de programas de consciencialização e formação – para estar conforme aos diversos requisitos internacionais e internos, cada vez mais apertados. De acordo com Tsang Kam-lang, director geral da gestão ambiental no Hong Kong Productivity Council (HKPC), os factores externos que afectam a indústria incluem as directrizes ambientais internacionais nos produtos e na produção, como a ISO 14000, a lista de substâncias restritas para acabamentos de artigos têxteis, compilada pela Associação Americana de VestuÁrio e Calçado e a lista de substâncias restritas da Levi Strauss & Co. JÁ os factores domésticos incluem a rÁpida industrialização e urbanização na República Popular da China que tem levado a uma deterioração da qualidade do ar, da poluição e a cortes de Água e electricidade. O próprio Primeiro-Ministro chinês, Wen Jiao-bo, enfatizou, durante o 11.º Congresso do Povo, a necessidade de reduzir o consumo de energia e de emissão de CO2. Para ajudar as empresas a encarar estes desafios, têm sido propostas algumas medidas. Na sua intervenção no International Symposium on Intimate Apparel organizado em conjunto pela Universidade Politécnica de Hong Kong e a universidade britânica de DeMontfort no mês passado, Tsang afirmou que a melhor forma de melhorar a performance ambiental é usar tecnologia de produção que consuma menos energia e Água e que gere menos desperdícios. Para encorajar os proprietÁrios deas fÁbricas no Delta do Rio das Pérolas a adoptar uma produção mais limpa e eficaz nos custos, foi criado, em Novembro de 2006, um projecto-piloto apoiado pelo Fundo Ambiental de Hong Kong, que registou a adesão de cerca de 15 empresas. Cerca de 93 milhões de dólares foram cedidos pelo governo ao HKPC para expandir este projecto – o programa Cleaner Production Partnership – de forma a permitir alargÁ-lo a mais empresas. Dentro do programa, as iniciativas propostas incluem avaliação no local, projectos de demonstração de tecnologia selectiva e verificação da eficÁcia dos projectos de melhoramento. Na sua intervenção, Tsang Kam-lang desafiou directamente as indústrias de vestuÁrio íntimo a participarem no programa de formação grÁtis ou noutros programas subsidiados pelo governo, para garantir a sua sustentabilidade ambiental e mesmo económica.