Início Notícias Marcas

Ambitious do calçado ao vestuário

Define-se como «irreverente e citadina» e não esconde os muitos objetivos que tem para cumprir. A Escandinávia e os EUA estão na rota de internacionalização traçada pela marca de calçado masculino que, no curto prazo, vai alargar a oferta ao semento do vestuário.

Pedro Lopes

A Ambitious, que pertence ao grupo Celita, soma já 10 anos de atividade e nasceu da vontade de construir uma marca própria dentro de portas. «Havia o objetivo da empresa se lançar com um projeto próprio, mas dada as dificuldades subjacentes à criação de uma marca e os desafios que surgiriam teria de ser que ser um projeto ambicioso. Surgiu a ideia do Ambitious pelo tipo de calçado e pelo que pretendíamos, que era apresentar uma marca algo fora do normal», explica Pedro Lopes, responsável de marca.

A insígnia caracteriza-se pelos detalhes e, apesar de assumir uma identidade maioritariamente desportiva, propõe igualmente modelos casuais. «Desenvolvemos também linhas mais casuais porque sentimos que o nosso cliente procura no inverno algo mais quente, daí termos desenvolvido a área das botas, que está a ter um sucesso muito grande.

Contudo, o que nos caracteriza é a sapatilha. O desportivo continua a ser o foco da marca», revela ao Portugal Têxtil. «Conseguimos pôr os mesmos detalhes e a mesma variedade de materiais que colocamos nos desportivos neste tipo de sapatos, que normalmente são pretos ou castanhos. Temos um equilíbrio maior entre o sapato desportivo e o sapato dito não desportivo», afirma.

Guimarães, a cidade berço de Portugal, é a casa mãe da Ambitious, que conta com um efetivo de 170 trabalhadores para dar vida à marca, que nasceu da ambição e se destina a um público masculino regido pela «procura de algo diferente» e que «busca se individualizar» dos demais. «Defino a marca como irreverente, citadina. Estamos a falar de um produto moda sem ser demasiado tendência. Abrangemos um público muito vasto, alguém que facilmente consiga olhar para os nossos modelos e usá-los sem os achar demasiado irreverentes», acrescenta.

Distribuição massiva

Com uma quota de exportação de 95%, a Ambitious está presente em 48 mercados e 550 pontos de venda. Itália, Alemanha e Japão ocupam o pódio dos mercados da marca, que em tem o Norte da Europa na linha de mira para o corrente ano. «Estamos a começar já com a Escandinávia, que era um mercado onde não tínhamos grande representatividade, começando pela Suécia, mas o objetivo é expandir para a Dinamarca. Tivemos que nos adaptar ao gosto escandinavo, pautado por linhas mais simples», admite Pedro Lopes. «Para além do investimento na Escandinávia, na segunda metade do ano vamos abordar o mercado norte-americano», adianta.

Para a marca, Portugal é um dos mercados com menos representatividade. «Temos de convencer primeiro o retalhista a aceitar comprar a marca porque há sempre alguma dificuldade em comprar marcas portuguesas, algo que não entendo, porque temos tanta ou mais qualidade do que outras marcas. Queremos criar a distribuição que não existe», assegura.

A Ambitious, que se rege pela «qualidade, tradição e excelência» e está disponível em lojas multimarca, planeia aumentar o número de pontos de venda. «Queremos apostar forte em Portugal. Este verão já vamos ter mais pontos de venda, porque dispomos atualmente de um representante comercial que faz o país inteiro», indica responsável de marca.

Resultados e novos segmentos

Representando 20% do volume de negócios da empresa, que faturou 20 milhões de euros em 2019, – e um crescimento de 25% em relação ao exercício anterior –, a Ambitious pretende alavancar este valor e, em 2025, a meta é alcançar 50%. «O crescimento tem sido sustentado e, portanto, as perspetivas são essas. A empresa não cresceu tanto, a marca está a crescer a um ritmo muito mais rápido que o private label», reconhece.

No curto prazo, a marca pretende alargar a sua oferta ao vestuário, segmento onde já deu os primeiros passos. «Recentemente, lançámos uma coleção-cápsula de vestuário, que correu bem. É algo que vamos explorar, porque queremos que a marca seja mais do que calçado, que seja mais uma marca de lifestyle e que o cliente tenha um total look», elucida Pedro Lopes.

Para ampliar o portefólio de produto, a empresa começou por ampliar as instalações. «Adquirimos outro edifício ao lado da nossa fábrica com duas finalidades: a primeira logística e a segunda pelo projeto de vestuário, para alocar a equipa e um showroom para este segmento novo», conclui o responsável pela Ambitious.