Início Destaques

Anbievolution subtrai para multiplicar

Numa altura em que o objetivo é, normalmente, aumentar o volume de negócios, a Anbievolution by Luís Andrade está a assumir uma estratégia diferente. A especialista em malhas tirou a Zara, que representava quase metade da faturação, da lista de clientes com o objetivo de aumentar os lucros já em 2018.

Com um volume de negócios que, em 2017, rondou os 12 milhões de euros, a Anbievolution by Luís Andrade deverá, já este ano, reduzir para cerca de metade o seu volume de negócios. «Este ano o meu pai decidiu que não vamos trabalhar com a Inditex, vai ser completamente diferente. O volume de negócios deverá baixar para metade ou menos. Mas queremos, só com essa faturação, fazer o dobro do lucro», revela, ao Portugal Têxtil, André Andrade, responsável de marketing e vendas e a segunda geração a envolver-se no negócio.

Fundada há 20 anos em Santo Tirso por Luís Andrade, a empresa familiar não tem produção própria, mas controla todo o processo, do design à entrega das malhas acabadas ao cliente. «Compramos o fio e mandamos diretamente para as tecelagens. Quando os rolos estão prontos, enviam-nos e a partir daí mandamos para a tinturaria e acabamentos», explica André Andrade. Antes de seguir para o cliente, a malha é testada no laboratório próprio da Anbievolution. «Ficamos sempre com um metro de todas as malhas que saem, para se houver algum problema ser facilmente detetado», destaca.

Orgânicos em crescendo

O design da coleção – a empresa conta já com mais de 3.000 referências – fica a cargo do próprio Luís Andrade e da equipa interna, que contabiliza cerca de 10 trabalhadores, com o apoio do Departamento de Moda do Citeve, «que nos ajuda bastante», confessa o responsável de marketing e vendas.

Entre as mais recentes novidades da Anbievolution conta-se a nova linha de orgânicos, que chegou ao mercado há cerca de quatro meses. «Numa das feiras que fazemos, o meu pai sentiu que havia muita procura por orgânicos e artigos sustentáveis – as pessoas pediam e não tínhamos. A partir daí começámos a trabalhar nessa área, primeiro os “normais”, como o 100% algodão orgânico e poliéster reciclado, e agora já temos muitas coisas diferentes: Ecovero [fibras de viscose da Lenzing produzidas a partir de madeira e polpa sustentável], Seaqual [produzido a partir de plástico reciclado recolhido no mar] e outras», enumera André Andrade.

EUA na mira

Com as vendas repartidas igualmente entre o território nacional e os mercados externos – onde Itália tem um relevo especial, mas Tunísia, Marrocos e Bélgica fazem também parte do portefólio de clientes –, a Anbievolution quer chegar mais longe e a novas latitudes, nomeadamente do outro lado do Atlântico. «Sabemos que nos EUA só gastam quantidades gigantescas, por isso vamos tentar. Para o ano vamos fazer uma feira lá», adianta o responsável de marketing e vendas. Os esforços na América complementam-se ainda com um agente, «mas é recente e, por isso, ainda não tivemos nenhum feedback», refere.

O lado comercial, de resto, será mais explorado pela especialista em malhas nos próximos anos, que a somar à presença em certames internacionais, pretende reforçar o contacto direto com os clientes efetivos e potenciais. «O nosso objetivo agora é arranjar mais um comercial e visitar o cliente no seu país. É diferente falar frente a frente ou por email, não tem nada a ver. Queremos estar sempre muito perto do cliente», resume André Andrade.