Início Notícias Tendências

Artigos em segunda mão estão 20% mais caros

Com o aumento do custo de vida, a subida de preços também se faz sentir nos artigos em segunda mão. Segundo dados do OLX, os preços aumentaram 20% entre janeiro e setembro na generalidade das categorias.

[©Pexels/Anete Lusina]

A categoria com maior aumento do preço este ano, entre os artigos em segunda mão de acordo com o OLX, é Telemóveis e Tablets (+37%), com o custo médio a subir de 215 para 294 euros nos primeiros nove meses de 2022. Segue-se a categoria Carros, Motos e Barcos, na qual o preço aumentou 25%, de 2.543 para 3.180 euros, assim como Móveis, Casa e Jardim, que registou um crescimento do preço médio de 24%, de 127 para 157 euros. Também na categoria de Bebé e Criança, o aumento de 21% fez subir o preço médio de 39 para 47 euros.

«No contexto da inflação crescente que se faz sentir atualmente, resolvemos analisar especificamente o caso dos painéis solares, associados à poupança nos gastos domésticos com a energia. O que observamos é que, desde o início de 2022, a procura aumentou em 21% até setembro. Por outro lado, de janeiro a setembro do ano passado, diminuiu 35%. Tal pode significar que as famílias estão, neste momento, a procurar soluções mais eficientes para a poupança numa época de aumento de preços» refere, em comunicado, Andreia Pacheco, head of marketing do OLX Portugal.

Considerando as principais categorias de artigos do OLX, a que releva maior aumento da procura, entre janeiro e setembro, é Imóveis (+28%), seguida por Outras Vendas (+17%), Bebé e Criança (+16%) e Lazer (+15%). A procura mantém-se estável nas categorias de Desporto (+0,3%), Telemóveis e Tablets (+0,8%) e Carros, Motos e Barcos (+2,3%). Por outro lado, a procura caiu nas categorias Tecnologia (-17%), Moda (-15%), Agricultura (-7%) e Móveis, Casa e Jardim (-2,2%).

[©Pexels/Ketut Subiyanto]
Alguns dos produtos mais desejados nas categorias com maior procura são os carrinhos de bebé e berços na categoria Bebé e Criança”, os bilhetes para os Coldplay e guitarras na categoria de Lazer, além de contentores e contentores marítimos na categoria de Outras Vendas. Na categoria Imóveis, a procura pela palavra-chave “arrendar” supera todas as restantes.

No que diz respeito à oferta de produtos, as categorias com maiores crescimentos nos primeiros nove meses do ano são Móveis, Casa e Jardim (+20%) e Outras Vendas (+18%). Já as maiores quebras verificaram-se nas categorias Imóveis (-25%), Telemóveis e Tablets (-12%) e Tecnologia (-9%).

«Estes dados podem indicar que existem menos pessoas a vender e a ficar com os seus produtos atuais, evitando gastos na substituição de produtos», conclui Andreia Pacheco.