Início Notícias Vestuário

As profissões não têm género no Modatex

O Modatex integra o projeto IgualPro, que tem por objetivo desconstruir os estereótipos de género quanto às escolhas profissionais. A iniciativa reúne mais sete entidades portuguesas e uma norueguesa.

O IgualPro, promovido pela Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego (CITE), pretende combater a segregação sexual nas escolhas educativas e vocacionais de raparigas e rapazes e a consequente segregação das suas escolhas profissionais, através da desconstrução dos estereótipos de género associados às diferentes áreas de estudo e respetivas profissões.

«A redução de estereótipos de género no mercado de trabalho passa não apenas pela existência de quadros normativos/ legais e sensibilização das organizações e do público em geral, mas também por garantir que todas as pessoas que se candidatam ao mercado de trabalho, independentemente do seu género, detêm as qualificações e formação necessária para o exercício das profissões», explica José Manuel Castro, diretor do Modatex.

Para além do Modatex o projeto conta com a parceria do CES – Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, da AFP – Associação para o Planeamento da Família, do IEFP – Instituto de Emprego e Formação Profissional, do CECOA – Centro de Formação Profissional para o Comércio e Afins, do CINEL – Centro de Formação Profissional da Indústria Eletrónica, Energia, Telecomunicações e Tecnologias da Informação, do CENFIM – Centro de Formação Profissional da Indústria Metalúrgica e Metalomecânica, do INETE – Instituto de Educação Técnica e da norueguesa Naeringshage Utvikling AS.

Todas estas entidades terão como missão participar na elaboração do estudo científico sobre os estereótipos associados às escolhas profissionais junto dos jovens que frequentam cursos de formação profissional, participar na criação e implementação de um currículo no âmbito das metodologias transformadoras de género, participar na criação e implementação de um Toolkit formativo baseado no estudo e na metodologia a desenvolver no âmbito do projeto, disseminar o estudo cientifico e participar na campanha de sensibilização para jovens de combate aos estereótipos de género na escolha das profissões.

«Os centros de formação profissional, cuja missão é a qualificação de pessoas para os diversos sectores de atividade, poderão ter um papel mais ativo na identificação das profissões onde existem estereótipos e no desenvolvimento de estratégias que promovam um maior esclarecimento junto dos jovens sobre cada saída profissional, contribuindo assim para o aumento de qualificações de todos/as, independentemente do seu género», afirma o diretor do Modatex.

De acordo com os objetivos do projeto, foram identificados e convidados a participar os centros de formação profissional que incluam as profissões mais lesadas. O estudo científico que está a ser realizado permitirá confirmar se efetivamente existe segregação.

O projeto tem a duração de três anos e, neste momento, encontra-se numa fase inicial, pelo que ainda estão a ser recolhidos dados para a realização do estudo.