Início Notícias Tendências

As tribos do athleisure

A evolução do athleisure enquanto tendência está a dar origem a novas “tribos de estilo”, desde aqueles que se devotam de corpo e alma ao ginásio até aos consumidores que, sem se cansarem com a atividade física, não dispensam o conforto promovido por este tipo de vestuário.

O athleisure está a evoluir (ver Ao ritmo do athleisure – Parte 2). No ano passado, a tendência – que junta a moda com a roupa de performance – dominou o mercado mundial de vestuário, roubando quota às marcas não-desportivas, com um número crescente de pessoas a optar por activewear mesmo quando não está a praticar um desporto ou atividade física (ver 12 meses de athleisure).

O termo conseguiu mesmo uma entrada no dicionário, sendo definido pelo Merriam-Webster como “vestuário casual desenhado para ser usado tanto para fazer exercício como para uso em geral” (ver Uma nova moda no dicionário).

Mas a tendência é mais do que apenas usar leggings fora do ginásio e há grupos de consumidores que estão a impulsionar o seu desenvolvimento, como revela o gabinete de tendências WGSN, que aponta cinco “tribos de estilo” particularmente relevantes para o atleisure.

#AllDayActives

Estes são os herdeiros diretos da tendência athleisure, integrando sem dificuldade o activewear e o vestuário de performance no seu dia a dia. Relevante tanto para homens como mulheres, os membros da tribo #AllDayActives têm vidas agitadas e, como tal, precisam de vestuário que combine funcionalidade e conforto sem descurar o estilo.

Sendo parte da geração que mais atenção dá ao bem-estar, a saúde e o fitness são essenciais para os #AllDayActives. Isto reflete-se, em parte, nas suas escolhas de vestuário para o dia a dia, selecionando peças onde a funcionalidade está escondida, tornando-as adequadas para todos os aspetos do dia e evitando a necessidade de carregar uma muda de roupa consigo.

Os #AllDayActives preferem, por isso, básicos de desporto, mas de marcas premium – como ADAY, Nike ACG, Outlier, Laain, Peak Performance, The North Face, Mission Workshop e Aether – para esbater as linhas entre o desporto e a moda, permitindo que se sintam bem vestidos para qualquer situação, seja ir para o trabalho de bicicleta, passar um dia no escritório ou ir beber um copo com os colegas e amigos depois do trabalho.

#ProteinPrincess

Resultado de um movimento de saúde e fitness, esta jovem consumidora está focada no lifestyle de fitness aspiracional e em parecer bem. O exercício é um investimento, uma prova de valor para ser documentada e partilhada nas redes sociais diariamente.

As #ProteinPrincess estão normalmente na casa dos 20 anos e fazem exercício cinco a seis vezes por semana. Simbolizadas por uma nova geração de celebridades modelos, como Khloé Kardashian e Karlie Kloss, os seus corpos tonificados são tanto um acessório must-have e símbolo de estatuto como uma carteira.

Como tal, preferem peças que favoreçam as formas com um toque de sensualidade, optando por activewear que tenha um forte impacto visual. As #ProteinPrincess refrescam constantemente o seu guarda-roupa para fitness, com os mais recentes lançamentos e marcas – preferindo nomes como Michi, Nike, Victoria’s Secrets, Net-a-Sporter, Carbon38, Ivy Park e Varley – e demoram tanto tempo a selecionar as roupas que vão levar para o ginásio como para se prepararem para uma saída à noite. Os outfits, de resto, acabam partilhados invariavelmente nas diversas redes sociais.

#Ath-faker

Estas consumidoras incorporam efetivamente a tendência athleisure. Sem irem propriamente ao ginásio, a decisão dos #Ath-fakers de usar activewear no dia a dia é impulsionada pela necessidade de vestuário que seja confortável, tenha estilo seja pensado para servir o seu dia agitado, seja para ir à escola ou almoçar com os amigos. Embora possa não treinar cinco a seis vezes por semana, é importante para ela parecer que o faz.

Embora esta consumidora se vista, essencialmente, para estar confortável, a #Ath-faker tem estilo e mostra-se bem cuidada. Conhecedora de marcas, as suas escolhas são informadas, preferindo marcas de vestuário ativo direcionadas para mulheres, que se centram em designs que favorecem o corpo feminino e com uma grande dose de estilo – como a Lululemon, Lorna Jane, Sweaty Betty, H&M Active, Oysho, Fabletics e Mango.

Claro que no centro do guarda-roupa da #Ath-faker estão as leggings e, para cada par de jeans que costumava comprar, compra agora dois pares de leggings. A #Ath-faker está também atualizada relativamente aos atributos de performance, com expressões como “gestão de humidade” e “compressão” a fazerem parte do seu vocabulário de moda.

#Fash-leisures

São o epítome do que Alexander Wang descreveu como «o uniforme da rua», misturando sportswear premium com roupas do dia a dia. Os #Fash-leisures eliminam as fronteiras tradicionais da moda, combinando o casual com o formal, o desporto com a moda, para criar um look contemporâneo urbano que é, ao mesmo tempo, relaxado e com estilo.

O conforto e funcionalidade desta forma de vestir são um bónus, porque para os #Fash-leisures tem tudo a ver com as marcas e o aspeto visual. Preferem peças de edição limitada, marcas premium e colaborações com designers – como a NikeLab, Yeezy, Publish, John Elliot & Co, Kith, adidas, Puma e Opening Ceremony – e consideram estar no topo da “cadeia alimentar do athleisure” em termos de estilo.

Os homens #Fash-leisures reapropriaram-se dos estilos típicos dos ginásios, como os calções por cima de leggings para corrida, para usarem no dia a dia, fazendo camadas de peças de desporto e peças de moda para criar um look urbano. Para as mulheres, tem tudo a ver com misturas inusitadas e combinar peças discretas com outras mais chamativas. O formal conjuga-se com o informal para gerar justaposições diferentes, como uma camisola larga com um logótipo usada com uma saia de chiffon. Embora este look pareça casual e sem grande preocupação, é ponderado ao milímetro.

#Ath-luxers

Pioneiros na adoção do athleisure, os #Ath-luxers são especialistas em colocar o sportswear no guarda-roupa do dia a dia e levá-lo para um outro nível. Embora seja tradicionalmente feminina, esta tribo de estilo já chegou igualmente ao consumidor masculino.

Altamente aspiracional, os #Ath-luxers dão destaque ao estilo de vida saudável. Preferem ginásios boutique e aulas de bem-estar e o tempo que passam a exercitar-se é, ao mesmo tempo, um luxo e fundamental para as suas vidas sociais. Por isso, são adeptos da transição do vestuário – vestidos impecavelmente para todas as situações, enquanto passam do ginásio para o escritório ou para cocktails.

Os #Ath-luxers, que preferem looks clássicos e marcas premium que combinam performance, estilo e conforto – como Tory Burch, Stella McCartney for Adidas, Kit and Ace, Derek Lam x Athleta e Net-a-Sporter –, são responsáveis por elevar as leggings a uma peça must-have com uma etiqueta de preço de três dígitos. Malhas premium contendo caxemira ou lã merino com características técnicas elevam o sportswear básico a um artigo de luxo e estão no centro do seu guarda-roupa. O acessório certo – seja o mais recente dispositivo de fitness que se assemelha a joalharia ou a garrafa de água must-have – são essenciais à criação do coordenado final.