Início Notícias Marcas

Barcelcom compra INC Compression

A Barcelcom adquiriu 100% da marca e ativos da INC Compression e tem planos para expandir o negócio. A INC Compression será agora a marca para a área do desporto da empresa produtora de meias e artigos de compressão, que antecipa um alargamento do target, um aumento da oferta e a conquista de novos mercados.

A relação entre a Barcelcom e a INC Compression não é nova, uma vez que a Barcelcom já desenvolvia, produzia e certificava os produtos vendidos sob a marca INC Compression. Com a aquisição a 100% de todos os ativos da INC Compression, a Barcelcom tem agora mais um argumento de venda junto dos clientes e consumidores.

«A Barcelcom já desenvolve há muito produtos para a alta competição, mas em private label», explica, ao Portugal Têxtil, Nuno Mota Soares, diretor de projeto e negócios da Barcelcom. «A marca que a Barcelcom tem na área do desporto, a Technosocks, não tinha a expressão que desejávamos. Por isso, como costumo dizer, fizemos uma OPA total, compramos a marca INC Compression e todos os ativos», acrescenta.

As negociações vinham já a decorrer há algum tempo mas o negócio ficou concluído apenas na semana passada. Gustavo Moreira, fundador da INC Compression, passa a fazer parte dos quadros da Barcelcom e irá manter-se como responsável por esta área, nomeadamente no apoio e contacto com os atletas profissionais. A gestão, o marketing e a internacionalização serão da responsabilidade das equipas internas da Barcelcom.

Planos para crescer

Até agora, a INC Compression estava focada nos atletas profissionais em áreas como o ciclismo, andebol, voleibol, futsal, atletismo e basquetebol, mas a Barcelcom pretende levar a marca para novos campeonatos. «A INC Compression tem um trabalho meritório junto dos atletas profissionais. Queremos agora alargar isso também ao consumidor que pratica desporto de forma amadora. Estes consumidores que praticam desporto no dia a dia vão ter acesso aos mesmos produtos usados pelos atletas profissionais», refere Nuno Mota Soares.

O leque de produtos deverá igualmente aumentar. A oferta da INC Compression, focada em manguitos, joelhitos e peúgas de compressão, deverá passar a abarcar 12 a 15 referências, incluindo os novos artigos que a Barcelcom apresentou na última edição da Ispo Munich, em janeiro deste ano (ver A receita da Barcelcom). «Esses produtos deverão alargar também ao ski, porque temos o mercado nórdico, e ao hipismo. Ou seja, a INC vai crescer com o alargamento do target, que irá abranger novas modalidades profissionais e atletas amadores, e pela internacionalização», adianta ao Portugal Têxtil o diretor de projeto e negócios da Barcelcom.

Já presente em diversos países através do private label, a Barcelcom quer entretanto ganhar quota de mercado com a marca própria. «A nível internacional já trabalhamos muito a área do desporto, mas no private label. A INC Compression está sobretudo em Portugal e em Espanha e queremos alargar a sua presença aos mercados onde já estamos representados com o private label, como o Médio Oriente, a Ásia e a Europa do Norte», refere Nuno Mota Soares.

Nuno Mota Soares

Vencedora do prémio de inovação NOS, a Barcelcom Têxteis tem apostado em I&D, desenvolvendo e produzindo produtos de compressão graduada para a área da saúde e desporto de alta competição para todo o mundo e para as mais diversas marcas. Apesar de a marca própria para a área médica estar bem implementada em inúmeros países, como revelou o administrador da empresa, Gaspar Sousa Coutinho, no evento de divulgação dos resultados dos seus projetos de I&D (ver Inovação da Barcelcom a caminho do Irão), a nível de desporto tem trabalhado sobretudo em private label, com o desenvolvimento e produção de artigos que equipam pilotos de Fórmula 1, equipas de futebol da Premier League Inglesa, da Primeira Liga Portuguesa, seleções nacionais e até o Royal National Ballet. Com um efetivo que ronda as 55 pessoas, a empresa registou em 2017 um volume de negócios de 2,5 milhões de euros, 60% do qual conseguido com produtos resultantes de projetos de I&D.