Início Notícias Moda

Bons ventos de Espanha

Num desfile tripartido entre três grandes nomes da moda nacional, as senhoras tomaram a dianteira, com Anabela Baldaque a fazer uma pausa com a “Hora do chá”. O amarelo invadiu a passerelle aos primeiros acordes da música escolhida pela criadora portuense, acompanhando o ritmo dos coordenados. Lãs, pelos, sedas e malhas orgânicas criaram calções pelo joelho, saias, blazers, vestidos e camisolas com padrões como tweeds, flores e xadrezes, com um toque romântico e feminino, mas combinados com elementos mais rock e masculinos, como os sapatos rasos. «É uma coleção romântica, sem dúvida, mas com uma atitude um bocadinho mais atrevida. Por isso é o que chamo de rock com pozinhos de romantismo», explicou em Madrid. «Completamente feliz» com o desfile, Anabela Baldaque, que vende já para Espanha, acredita esta primeira apresentação pode abrir novas portas para a sua marca. «A moda portuguesa está na moda. Já tive aqui pontos de venda e estou a tentar recuperá-los. Acredito que estou no caminho certo», afirmou à fashionup.pt. A estreia de Júlio Torcato em Madrid pautou-se pelo mesmo otimismo. O criador de moda levou a sua linha mais jovem e irreverente, continuando a desconstrução dos clássicos, com calças curtas complementadas por casacos jacquard e camisolas em malha, onde se misturaram materiais como o 100% lã, poliamidas, neopreno, pele verdadeira e pelos falsos. «A coleção vive um pouco também desse mix de padrões, de efeitos óticos e jogar com riscas, xadrezes e tweeds», referiu no fim do desfile. Já com vendas em Angola, Moçambique e no Dubai – direcionadas especialmente para a linha tailoring –, a Europa é uma nova aventura no percurso de quase 25 anos de Júlio Torcato, conhecido também pelo seu trabalho com a indústria, nomeadamente com a Lion of Porches. «A Europa é um fim, é um espaço onde estão as melhores marcas, um espaço evoluído em termos de moda. Para mim, esta apresentação em Madrid é importante nesse sentido, para tomar contacto com esta realidade, com uma coleção moderna, e espero agora que isto se traduza em negócios», acrescentou. Júlio Torcato teceu ainda elogios ao Portugal Fashion – que apoiou esta presença nacional na Mercedes-Benz Fashion Week Madrid, que teve uma audiência de mais de 600 pessoas. «Toda esta logística de fazer uma apresentação fora do país é muito cara. Nós, criadores portugueses, falando no meu caso, ainda temos uma dimensão relativamente pequena e, portanto, seria impossível estar num sítio destes, com toda a logística que isso envolve, sem o apoio do Portugal Fashion», admitiu. Para Miguel Vieira, o regresso a Espanha promete dar um novo impulso às vendas das suas várias coleções – vestuário de homem, senhora e criança e calçado – em terras de “nuestros hermanos”. «Acho que precisava de fazer a Fashion Week em Madrid para os meus clientes terem repercussão nas próprias lojas e terem muita publicidade. Obviamente ajuda a vender muito mais rapidamente os produtos que estão nas lojas multimarca», apontou. O preto, o antracite, o bordeaux e o azul-marinho dominaram os coordenados de homem e senhora que desfilaram na capital espanhola, uma pequena parte da coleção completa sob a assinatura de Miguel Vieira. «A coleção é muito grande, para os desfiles reduzo-o logo de imediato», revelou. As propostas para o outono-inverno 2015/2016 são «um mix de clássico e do desportivo», vivendo ainda de contrastes nas matérias-primas, juntando tecidos nobres com outros mais «pobres», como o algodão esfiapado, criando um «luxo hippie-chic», como o batizou o designer. Portugal foi o segundo país convidado pela Mercedes-Benz Fashion Week Madrid, depois do Peru em 2013. «Trata-se de uma semana de moda hermética, muito centrada na promoção dos criadores espanhóis», afirmou Marlene Oliveira, coordenadora do Portugal Fashion, à fashionup.pt. «Por isso, é um momento histórico não só para o Portugal Fashion, mas para toda a moda nacional ter participado neste evento que permite promover as coleções de autor num mercado que é a extensão natural do nosso mercado interno», explicou. «[O desfile] resultou numa combinação perfeita de três coleções muito distintas, mas com um equilíbrio muito apreciado por todos», concluiu.