Início Breves

Breves

  1. Uniqlo guia Fast Retailing
  2. Feriado tardio, resultados adiados
  3. Os jardins resort
  4. Rousteing corre com a Nike
  5. La Samaritaine renasce em 2018
  6. eBay compra na Índia

1Uniqlo guia Fast Retailing

As ações da Fast Retailing, empresa-mãe da Uniqlo, subiram na última sexta-feira, na sequência das vendas mensais, com um aumento de 8% no preço da ação. A notícia surgiu depois de a Uniqlo ter anunciado que as vendas comparáveis de maio subiram 5,9%. Apesar da matemática ter sido ajudada pelas comemorações da Golden Week, no Japão, muitos dos rivais não apresentaram performances semelhantes durante o mês. A retalhista japonesa subiu apesar de o tráfego em loja ter caído 3,6% – a Uniqlo conseguiu aumentar a compra média dos clientes em 9,9%, compensando assim a quebra no tráfego em loja. Os analistas elogiaram a oferta da Uniqlo que tem vindo a apostar nos básicos de activewear, como calças de jogging, e em artigos de moda, como blusas femininas e t-shirts bordadas. Outro fator importante foi a bem-sucedida expansão da linha Airism, uma tecnologia de tecido respirável, às partes de baixo do vestuário.

2Feriado tardio, resultados adiados

O mês de maio foi particularmente difícil para os retalhistas de vestuário nos EUA. Nas quatro semanas que antecederam o dia 28 de maio, as vendas comparáveis para a empresa-mãe da Victoria’s Secret, a L Brands, estagnaram, quando há um ano subiam 4%. Todavia, com um Memorial Day tardio este ano, as cadeias como a Victoria’s Secret esperam que os benefícios sejam visíveis nos números de junho. A empresa-mãe anunciou que a marca de lingerie registou uma queda de 1% nas vendas comparáveis, enquanto a cadeia Bath & Body (também propriedade da L Brands) subiu 3%. As vendas líquidas totais da empresa aumentaram 2% para os 816,6 milhões de dólares (aproximadamente 719,2 milhões de euros). Enquanto isso, a retalhista especializada Cato anunciou uma queda de 1% nas vendas totais para os 87,4 milhões de dólares. A empresa sublinhou que os resultados defraudaram as expectativas. A retalhista juvenil Buckle apresentou ainda pior performance, com as vendas comparáveis a mergulharem 11% e as vendas totais a descerem 10,4%, para os 67,4 milhões de dólares.

3Os jardins resort

Em tempo de apresentações das coleções resort 2017 das principais casas de moda, oficializou-se o regresso do floral às passerelles. As honras de abertura da tendência couberam à Christian Dior, com um desfile de inspiração britânica repleto de florais em vestidos drapeados e blusas cobertas de padrões estivais, misturadas entre jacquards pictóricos, veludos ricos e sedas. Do estampado miniatura num vestido-mini escarlate ao trio de padrões de plantas que dividia as secções de uma saia formal, as pétalas espalharam-se por toda a coleção. Um jardim humilde motivou toda a coleção da Christopher Kane, visitando desde malhas oversized a vestidos soltos – ditando até, por vezes, a forma de uma peça. Os padrões de pétalas foram bordados em cima de padrões contrastantes, emprestando uma vibração progressiva à coleção. «A ideia de pensamento livre é muito importante na forma como trabalho e é mais essencial do que nunca à moda», destacou o designer. Já na Rochas venceram os florais exóticos e o herbário tropical. A coleção brindou às folhas de palmeira, orquídeas, hibiscos e jasmins. Com fundos de azul-céu, amarelo-lima e preto, as flores remataram coordenados de ombros em destaque e costas a descoberto.

4Rousteing corre com a Nike

O diretor criativo da Balmain, Olivier Rousteing, comemorou por estes dias a recente colaboração com o Nikelab numa festa de lançamento, em Paris. A coleção batizada “Football Nouveau” está a venda desde a passada quinta-feira e é a segunda da série Summer of Sport do Nikelab. As propostas da coleção foram inspiradas pelo estilo de vida dos jogadores de futebol profissionais que competem no Euro 2016. A coleção propõe oito peças de vestuário e quatro tipos de sapatilhas, que reinterpretam os modelos Mercurial, Magista, Hypervenom e Tiempo da gigante desportiva. Rousteing revelou também uma exposição em Xangai, intitulada “The Circle”, encenada na loja da Nike. A exposição apresenta peças de três artistas, cada uma com foco num diferente aspeto do futebol. As peças fruto da parceria Nikelab x Olivier Rousteing: Football Nouveau estão disponíveis a partir desde 2 de junho em nike.com/nikelab e em lojas selecionadas.

5La Samaritaine renasce em 2018

O grupo LVMH, proprietário dos grandes armazéns La Samaritaine, em Paris, revelou que a remodelação e os trabalhos de renovação do edifício estão a avançar de acordo com o programado. A abertura ao público, nas palavras do CFO da LVMH, Jean-Jacques Guiony, está prevista «para o final de 2018». A La Samaritaine foi fundada por Ernest Cognacq, em 1869, tendo sido encerrada em 2005, inicialmente para permitir que o trabalho de construção cumprisse todos os regulamentos. O projeto foi expandido mais tarde, tendo sido acrescentados escritórios, um hotel de luxo, habitações e uma creche ao edifício comercial inicial. Os trabalhos começaram em 2012, mas foram posteriormente interrompidos devido a vários apelos de sociedades de preservação do património e associações de moradores, que criticavam, por exemplo, a adição de uma fachada contemporânea a um dos lados do edifício. A disputa judicial estendeu-se durante três anos, antes de ser finalmente resolvida em 2015. O renovado empreendimento vai resultar em 96 unidades de habitação, escritórios, um hotel de luxo com 72 quartos e suites, uma creche com disponibilidade para 80 crianças e o regresso dos grandes armazéns. De um ponto de vista arquitetónico, a La Samaritaine irá recuperar o espírito original do edifício, agora concebido como uma área de retalho de luxo, como o armazém Le Bon Marché, também propriedade do grupo LVMH. De acordo com o grupo, o espaço comercial vai oferecer moda, joias, artigos de couro, beleza e supermercado, bem como uma área de bem-estar. Ainda de acordo com o LVMH, com o projeto de remodelação e renovação do edifício, um investimento de 500 milhões de euros, deverá criar 4.400 postos de trabalho diretos e indiretos.

6eBay compra na Índia

O eBay continua à procura de retalhistas de moda online na Índia, depois conversações infrutíferas de uma possível aquisição da Fashionara e Jabong. O gigante norte-americano tem estado em conversações com os dois websites de moda online da Índia nos últimos meses, noticia o Economic Times, mas sem sucesso. Porém, ainda que o eBay se tenha recusado a comentar, uma fonte revelou que a empresa continua a tentar adquirir retalhistas de moda online, considerando que o sector é uma das categorias de mais rápido crescimento no mercado de e-commerce da Índia. A moda e o estilo de vida contribuíram para quase 40% das vendas do eBay na Índia, superados apenas pela eletrónica. Contudo, apesar da sua rápida entrada na Índia em 2004, o eBay foi facilmente ultrapassado por empresas locais, como a Flipkart e a Snapdeal. No ano fiscal de 2015, o eBay revelou uma receita de 19,8 milhões de dólares, em comparação com os 115,8 milhões do Flipkart.