Início Breves

Breves

  1. Retalho italiano em alta
  2. Fendi no Coliseu Quadrado
  3. Indonésia abre-se ao estrangeiro
  4. Gap alarga presença na Índia
  5. Dsquared2 continua em crescimento
  6. Reino Unido combate diferença de género

1Retalho italiano em alta

As vendas anuais a retalho aumentaram 1,3% em Itália em agosto, comparativamente a igual período do ano passado, representando o quarto ganho mensal consecutivo. Este resultado segue-se a um aumento de 1,6% no mês anterior, revela o instituto italiano de estatística, ISTAT. As vendas a retalho no país aumentaram 0,3% em agosto face ao mês anterior, a mesma taxa de crescimento reportada no período precedente. Durante os primeiros oito meses do ano, o total de vendas no retalho aumentou 0,7%, em comparação com o período correspondente do ano anterior. Os preços no consumidor subiram 0,4% em agosto relativamente ao ano anterior, com base no índice harmonizado de preços no consumidor do Banco Central Europeu (HICP).

2Fendi no Coliseu Quadrado

O monumento paralelepipedal da era fascista italiana enche-se novamente de trabalhadores, pela primeira vez em 70 anos, num momento em que a marca de moda Fendi inaugura a nova sede no restaurado Coliseu Quadrado, em Roma. O edifício, formalmente conhecido como a Grande Casa da Civilização Italiana, foi construído pelo ditador Benito Mussolini para a Feira Mundial de 1942, entretanto cancelada devido à eclosão da Segunda Guerra Mundial. Abandonado e pouco utilizado desde então, a imitação racionalista do antigo Coliseu de Roma abriga hoje 500 funcionários da casa Fendi e uma exposição de arte gratuita no piso térreo. «Estamos a abrir as portas de um edifício que durante 72 anos esteve fechado para o mundo, escondendo a sua beleza», afirmou o diretor da Fendi, Pietro Beccari. A empresa assinou um contrato de 15 anos, após especulações de que poderia comprar o edifício diretamente ao proprietário estatal do distrito. Beccari admitiu que o governo italiano ficaria agradado por ter como inquilino uma empresa que já financiou o restauro da Fontana di Trevi e o monumento das Quatro Fontes, no centro de Roma. A Fendi não revelou quanto custou converter o edifício num espaço de escritórios ou o preço de arrendamento, mas a imprensa italiana noticia que a renda anual deverá rondar os 3 milhões de euros.

3Indonésia abre-se ao estrangeiro

A Indonésia irá concluir uma revisão do seu regime de investimentos em meados de 2016, com o objetivo de conferir maior participação estrangeira em diversos sectores da economia do país, desde o comércio eletrónico de luxo aos lares de idosos. O Conselho de Coordenação de Investimento da Indonésia solicitou aos ministérios e câmaras de comércio internacionais que sugerissem revisões à «lista de investimentos negativa», um documento que regula a extensão da propriedade estrangeira na economia indonésia, revelou Azhar Lubis, vice-presidente para a supervisão do investimento na agência. A indústria cinematográfica e o sector da horticultura serão, também, incluídos nesta «revisão de grande alcance», anunciou o órgão de coordenação. «Queremos que as coisas sejam mais abertas, essa é a ideia», afirmou Lubis, numa entrevista concedida em Jacarta. «Esta diretriz vem do próprio presidente», acrescentou. Estas transformações enquadram-se nos esforços do presidente Joko Widodo de estimulação de uma economia, que cresce ao seu ritmo mais lento em seis anos. O investimento estrangeiro direto no período compreendido entre julho e setembro manteve-se inalterado face ao trimestre anterior e aquém daquele assinalado no ano passado, como sugerido por dados recentemente divulgados.

4Gap alarga presença na Índia

A expansão do contrato de franquia da Gap com a Arvind Lifestyle Brands em território indiano representa uma oportunidade de receita de 151 milhões de dólares nos próximos cinco anos, adiantou Suresh J., CEO da Arvine Lifestyle Brands. O plano de expansão inclui a inauguração de 33 lojas nos próximos cinco anos. A primeira flagship, que se estende por mais de 900 metros quadrados, foi inaugurada em Nova Deli,  em maio, à qual se seguiu outra em setembro, no Orion Mall de Bangalore. Serão inauguradas mais sete lojas em Bombaim, Deli, Bangalore e Pune até março de 2016, cada uma com um custo estimado de 1,5 milhões de dólares e um tamanho médio de 800 metros quadrados. A Arvind representa um amplo portefólio de marcas internacionais licenciadas na Índia, incluindo Calvin Klein, Nautica e Tommy Hilfiger. No mês anterior, a empresa assinou um acordo com o retalhista americano de vestuário infantil The Children’s Place.

5Dsquared2 continua em crescimento

A casa de moda Dsquared2 continua a crescer a um ritmo acelerado, antecipando um aumento de receitas de 10% em 2015, para 230 milhões de euros, além de ganhos de dois dígitos nas vendas a retalho, anunciou o presidente-executivo da marca, Gianfranco Maccarrone. Paralelamente, anunciou a intenção de abrir mais 50 lojas ao longo dos próximos cinco anos. No ano passado inaugurou 14 novos pontos de venda em diversas localizações mundiais, incluindo Nova Iorque, Los Angeles, Xangai, Hong Kong e St Moritz. Até ao final do ano, a Dsquared2 terá 12 novas lojas, incluindo espaços comerciais em Londres, Miami, Dubai e Singapura. A empresa prevê a abertura de 10 novas lojas em 2016, incluindo em Las Vegas, no The Shops at Crystals, já no primeiro semestre, e em Roma, na Via del Babuino, em março, assim como espaços em Madrid, Munique e Barcelona. A Dsquared2 estreou-se também no Médio Oriente, com novas lojas no Kuwait e no Qatar. Além disso, a empresa planeia inaugurar três lojas na China, onde já se encontra presente, com pontos de venda em Xangai e Pequim. A Dsquared2 pretende ainda explorar a Europa, alavancando as informações recolhidas a partir de vendas online na Alemanha, prosseguindo para França, onde já possuiu boutiques em Paris e Cannes, seguindo-se posteriormente Espanha. Os EUA são o principal mercado online da empresa. Globalmente, as vendas online para 2015 deverão aumentar 40% e «continuar a crescer», revelou o executivo. As vendas de acessórios, bolsas e sapatos, masculinos e femininos, estão a aumentar, representando 30% da receita total, e as novas lojas corroboram a «apresentação correta» de produtos. A Dsquared2 lançou recentemente uma nova fragrância feminina, denominada Want, com o parceiro de licenciamento de longa-data, a ITF

6Reino Unido combate diferença de género

A Grã-Bretanha anunciou recentemente a intensão de reforçar o combate ao fosso salarial entre géneros, obrigando as grandes empresas a publicarem detalhes sobre os bónus atribuídos a homens e mulheres. Em julho, o primeiro-ministro David Cameron anunciou que as grandes empresas seriam obrigadas a divulgar informações sobre a remuneração atribuída aos homens por oposição às mulheres e iniciou uma consulta, que terminou no mês anterior, sobre como elaborar os novos regulamentos. No domingo, o governo avisou que os principais empregadores devem agora revelar informações sobre bónus atribuídos e que o sector público deverá também revelar os níveis de remuneração auferidos pelos funcionários do género masculino e feminino. Em média, uma mulher na Grã-Bretanha ganha 0,8 libras para cada libra auferida por um homem, de acordo com dados oficiais recentes «Deveria assustar-nos o facto de ainda não termos igualdade de género em todos os aspetos da nossa sociedade», defendeu Nicky Morgan, ministra para as Mulheres e Igualdade. Porém, a Confederação da Indústria Britânica adiantou que, apesar da importância de erradicar a desigualdade, uma lei generalista poderá não ser a melhor solução. «Para ser verdadeiramente eficaz, os relatórios sobre as disparidades salariais devem ser relevantes para cada empresa, ao invés de um mero exercício de caixa», afirmou um porta-voz da organização.