Início Breves

Breves

  1. Stocks de algodão em queda
  2. Vuitton lidera na exclusividade
  3. Banana Republic sai do Reino Unido
  4. Hilary Swank lança marca de athleisure
  5. Libra não chega para poupar a Burberry
  6. Dono da Inditex aposta no imobiliário

1Stocks de algodão em queda

Os stocks mundiais de algodão em 2016/2017 vão cair para o nível mais baixo desde 2011/2012, com a China a continuar a reduzir a oferta em excesso, acumulada entre 2011 e 2014. O mais recente estudo do Departamento de Agricultura dos EUA estima que em 2016/2017, os stocks mundiais de algodão desçam 10% face à época anterior, para 87,3 milhões de fardos. Segundo o Departamento de Agricultura, com mais de 12 milhões de fardos de algodão vendidos da reserva nacional da China em 2016, e com planos para retomar as vendas no início de março de 2017, a China está a reduzir os níveis de stocks que afetaram o mercado mundial de algodão nos últimos anos. Apesar de estar a reduzir progressivamente os stocks de algodão, os stocks finais da China no final de 2016/2017, estimados em 48 milhões de fardos, deverão representar 55% do total mundial. Os stocks na Índia estão projetados em 11 milhões de fardos, ou cerca de 13% do total, enquanto nos EUA os stocks de algodão deverão representar 5% dos stocks mundiais, enquanto a oferta no resto do mundo equivale a 27%.

2Vuitton lidera na exclusividade

Um estudo do Exane BNP Paribas sobre a relação entre o preço e a perceção de exclusividade das marcas de luxo mostrou que a Louis Vuitton é entendida como mais cara do que é na realidade, enquanto o oposto é verdade para a Brunello Cucinelli. O preço de entrada é essencial para o valor e a rentabilidade de uma marca de bens de luxo que, ao mesmo tempo, tem todas as razões para alimentar esta perceção de exclusividade. «Uma marca que pareça demasiado acessível pode facilmente tornar-se vítima do seu próprio sucesso e perder o seu poder de sedução», explicou a Exane. O estudo destacou que uma marca que é entendida como sendo “cara” fica com uma aura de “exclusividade”. Contudo, na maioria dos casos, a impressão que se tem e os preços reais não coincidem. «Por exemplo, a Louis Vuitton é entendida como mais cara do que na realidade é, enquanto o oposto é verdade para a Brunello Cucinelli, que é mais dispendiosa do que é percecionado», acrescenta o Exane BNP Paribas. O estudo mostrou que quanto mais baixo é o preço de entrada, melhor é a perceção no que diz respeito o preço. Este conceito aplica-se sobretudo a grandes marcas de cosméticos, como a Chanel e a Dior. «A Louis Vuitton disfruta do melhor rácio entre exclusividade percecionada e preço de entrada», concluiu o Exane BNP Paribas, confirmando a sua «posição no geral positiva» sobre o LVMH.

3Banana Republic sai do Reino Unido

A Gap Inc anunciou que vai fechar as oito lojas Banana Republic que tem no Reino Unido, já que o foco da empresa para revitalizar as vendas está na América do Norte. A empresa afirmou que espera encerrar a maior parte das oito lojas até ao final do ano, segundo as indicações da porta-voz da Gap, Kari Shellhorn, à Reuters. A Gap tinha já anunciado em maio que iria fechar 75 lojas Old Navy e Banana Republic no estrangeiro. As vendas das marcas Banana Republic e Gap têm vindo a cair, com as vendas comparáveis nas lojas Banana Republic a descerem 9% no trimestre passado, o sexto trimestre consecutivo de declínio. A Gap tem tido dificuldades em atrair consumidores, que têm preferido retalhistas da fast fashion, como a H&M, a Forever 21 e a Zara para roupas mais baratas e trendy. A Banana Republic vai continuar a servir os seus consumidores britânicos através do website regional, destacou a Gap.

4Hilary Swank lança marca de athleisure

Hilary Swank está a lançar a sua própria marca de athleisure. A atriz vencedora de um Óscar revelou a novidade na sua conta de Instagram, juntamente com fotos e vídeos dos seus muitos treinos no ginásio, onde mostrou sportswear de alta performance, juntamente com malhas em caxemira e vestuário exterior que pode ser usado por cima do equipamento do ginásio – em linha com a atual tendência do athleisure. «Mission Statement é o que eu chamo de usar estética. O que é que significa? Significa roupas que podem ser usadas para qualquer aventura – no conselho de administração ou no ginásio, no avião ou na escola, ao mesmo que mantém o estilo», escreveu Hilary Swank nas redes sociais. A coleção foi ainda pensada para dar poder às mulheres, com Swank a destacar na definição da missão no website da marca que «estamos aqui para apoiar-nos mutuamente e reconhecer que somos todos um trabalho em curso, um movimento mundial de apoio e comunidade». A coleção da Mission Statement já está à venda online.

5Libra não chega para poupar a Burberry

A Burberry registou uma queda nas vendas do primeiro semestre, com a performance mais fraca dos grandes armazéns a contrariar as vendas no seu mercado interno, onde os turistas aproveitaram a desvalorização da libra. A Burberry, que tem mais de 80% das suas vendas nos mercados internacionais, revelou que o comércio positivo na Europa e um aumento de 30% nas vendas na Grã-Bretanha ajudaram a compensar um aumento de 2% nas vendas a retalho comparáveis no segundo trimestre, o primeiro aumento neste indicador desde há quatro trimestres. Mas as vendas totais desceram 4%, para 1,16 mil milhões de libras, nos seis meses até setembro, com a performance a ser afetada por uma queda no volume de negócios realizado em grandes armazéns e com as licenças. «Retirando os benefícios de câmbio, a Burberry está com dificuldades em conseguir um crescimento significativo», afirmou a corretora Liberum, acrescentando que não espera melhorias no segundo semestre, uma vez que a procura nos grandes armazéns americanos se mantém em baixa. A Burberry indicou que se a libra se mantiver ao nível de 12 outubro, o lucro ajustado para o ano pode aumentar em cerca de 125 milhões de libras. A produtora da famosa gabardina tem cerca de 40% dos seus custos no Reino Unido, mas faz cerca de 15% das suas vendas no mercado interno, com mais de metade dessas vendas a serem resultado das compras de turistas, estimam os analistas. A diretora financeira, Carol Fairweather, afirmou que tem havido uma forte procura dos consumidores e dos turistas na Grã-Bretanha nos três meses desde o voto no Brexit. «Os chineses fazem muita parte disso, mas todos os turistas estão a crescer este trimestre, incluindo dos EUA», indicou, acrescentando que este crescimento junto dos consumidores foi «claramente influenciado por movimentos cambiais, mas também estão a responder bem ao que veem nas lojas». Christopher Bailey, que no próximo ano vai ceder o seu ligar de diretor-executivo a Marco Gobbetti, afirmou, por seu lado, que o grupo está a fazer progressos no seu plano de melhoria num ambiente de retalho que continua difícil. «Continuamos no caminho certo para chegar aos nossos objetivos financeiros», afirmou Bailey, que vai manter a direção criativa e assumir a presidência da empresa.

6Dono da Inditex aposta no imobiliário

Amancio Ortega, dono do império Inditex e o homem mais rico da Europa, comprou um dos arranha-céus mais conhecidos de Madrid por 490 milhões de euros, através do seu braço nos negócios imobiliários. A aquisição representa mais um passo na estratégia conhecida do bilionário para criar um império imobiliário através da Pontegadea Immobiliaria, uma das maiores empresas do sector em Espanha, e da sua holding Pontegadea Inversiones. Uma fonte anónima, citada pela Reuters, indicou que a Pontegadea Immobiliaria comprou a torre ao empresário de Abu Dahbi Khadem al-Qubisi, cujo fundo exerceu uma opção de compra à última hora ao anterior proprietário, o banco espanhol Bankia. Ortega comprou propriedades em Mayfair e Oxford Street, em Londres, juntamente com outras propriedades em localizações importantes em Nova Iorque, Madrid e Seul. O empresário arrenda muito do espaço disponível para lojas da Zara, por exemplo, assim como a rivais como a H&M. Amancio Ortega, que celebrou 80 anos em 2016, é o segundo homem mais rico do mundo, com uma fortuna avaliada em 72,7 mil milhões de dólares, segundo os números da Forbes, atrás do cofundador da Microsoft Corp, Bill Gates. A Pontegadea Immoniliaria reservou espaços no valor de 6,06 mil milhões de euros até ao final de 2015, um aumento de 8,3% em comparação com o ano anterior.