Início Breves

Breves

  1. Levi’s entre os bestsellers da Amazon
  2. Britânicos preferiram experiências a roupa
  3. Fundador do Facebook cria mordomo virtual
  4. Consumo estagna em novembro
  5. Armani apoia novos talentos
  6. Malaios prontos para as compras online

1Levi’s entre os bestsellers da Amazon

Jeans para homem e carteiras de senhora foram os itens de moda mais populares na Amazon durante a época de Natal. A gigante do retalho online revelou que as peças de moda mais vendidas foram os jeans para homem 501 Original Fit da Levi’s e as carteiras Emma Large Rfid Wallet da Fossil e a Cedar Street Cami Convertible Cross-Body da Kate Spade New York. Na categoria de produtos de beleza de luxo, os mais vendidos foram o eyeliner Stay All Day Waterproof Liquid Eyeliner, da Stila, o creme de mãos Shea Butter, da L’Occitane, e o secador Ceramic Xtreme da BabylissPro. Na secção “beleza e higiene pessoal”, as escovas de dentes elétricas lideraram.

2Britânicos preferiram experiências a roupa

Os consumidores britânicos optaram por gastar o seu dinheiro em entretenimento em vez de comprarem vestuário este ano, de acordo com o Barclaycard. O consumo aumentou 3,6% em termos anuais entre janeiro e novembro de 2016, pouco abaixo do crescimento de 3,9% no mesmo período em 2015. Mas as compras de vestuário de homem e senhora cresceram 6,8% e 0,8%, respetivamente, em comparação com o aumento de 13,9% e 5,4% no ano anterior, com os consumidores «a reduzirem o consumo» no primeiro semestre do ano. O Barclaycard, que processa quase metade das transações de débito e crédito no Reino Unido, afirma que o consumo na chamada «economia de experiências», incluindo idas ao cinema, restaurantes e teatro, registou um forte crescimento durante o ano. Os gastos em entretenimento subiram 11,5% em comparação com o ano anterior, com o consumo em bares, cinema e teatro a crescer a uma taxa de dois dígitos. O consumo em cinema registou um recorde no crescimento anual de 20,9% em outubro. O Barclaycard indicou que o nível de consumo aumentou em todas as subcategorias, com exceção de supermercados, eletrónica e combustível. Uma guerra de preços entre os supermercados em 2016 ajudou a manter os preços dos produtos alimentares e bebidas em baixo. Os retalhistas já advertiram que os preços deverão subir este ano, depois da desvalorização da libra resultante do voto no Brexit. Paul Lockstone, diretor-geral no Barclaycard, descreveu o crescimento anual como «saudável», apesar da incerteza económica despoletada pelo referendo à saída da UE. «À medida que entramos em 2017, parece provável que os consumidores continuem a olhar para o ambiente externo antes de decidir como alocar o seu dinheiro nos próximos 12 meses», destacou.

3Fundador do Facebook cria mordomo virtual

O fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, tem agora um “mordomo” virtual, batizado Jarvis. Zuckerberg explicou que o Jarvis não é um robot físico, mas uma aplicação acessível através de um smartphone ou um computador. Pode controlar a iluminação, temperatura, música, segurança e eletrodomésticos e pode aprender gostos e preferências, assim como novas palavras e conceitos. Tem um processamento de linguagem natural e capacidades de reconhecimento facial, pelo que consegue compreender comandos de texto e orais e reconhecer quem está a dar a ordem. Mark Zuckerberg afirmou que o projeto o fez compreender a importância de ter software para compreender o contexto, dando o exemplo de quando diz ao Jarvis para aumentar o ar condicionado no seu escritório, significa algo diferente do que quando é a sua esposa a fazê-lo. Um estudo a 700 proprietários de casas nos EUA da Scripps Network Interactie mostra que três-quartos das pessoas procura segurança e conforto quando compra tecnologia inteligente para a casa, com quase os mesmos (68%) a procurar eficiência energética para poupar dinheiro ou gerar um valor mais elevado na venda da propriedade.

4Consumo estagna em novembro

O consumo das famílias no Japão estagnou em novembro, em parte devido a uma altura difícil para o sector da moda, mas as vendas a retalho subiram, com o vestuário entre as categorias em crescimento. O consumo médio das famílias baixou 1,5% em novembro em comparação com o mesmo mês de 2015, sendo o novo mês consecutivo de queda do consumo, de acordo com o Ministério de Comunicações e Assuntos Internos. O consumo das famílias com dois ou mais membros foi de cerca de 270.848 ienes (cerca de 2.200 euros), com o consumo em artigos de moda a baixar 5,2%. No entanto, as vendas totais a retalho no Japão em novembro subiram 1,7%, para 11,7 biliões de ienes (95,18 mil milhões de euros), o primeiro ganho em nove meses, de acordo com o Ministério da Economia, Comércio e Indústria. O crescimento foi liderado pela venda de automóveis e bens alimentares, mas a moda também registou um crescimento, com a categoria “vestuário e itens pessoais” onde está inserida a ter um aumento de 4,4%. Contudo, as vendas em grandes armazéns desceram 3,3%.

5Armani apoia novos talentos

Giorgio Armani anunciou que vai promover um desfile durante a Semana de Moda de Homem em Milão com três designers emergentes. O designer e empresário irá focar-se nos designers Moto Guo, Consistence e Yoshio Kubo, da Malásia, China/Taiwan e Japão, respetivamente. O desfile, que será organizado em parceria com a Camera Nazionale della Moda Italiana, terá lugar no Armani Teatro a 17 de janeiro. «Gosto da ideia de dar a oportunidade a mais do que uma marca de apresentar o seu trabalho durante este evento, deixando toda a expressividade para os coordenados sem nenhum grande cenário, e espero que isso traga dinamismo às suas carreiras, tal como fez com a minha», explicou Armani.

6Malaios prontos para as compras online

O mercado de comércio eletrónico da Malásia deve continuar a crescer, com um estudo recente a concluir que 95% dos consumidores está contente com a sua experiência de compras online. O estudo, realizado pelo mercado online 11street, sediado na Coreia do Sul, também concluiu que os malaios estão mais confortáveis com os pagamentos online, que são mais convenientes do que o pagamento à cobrança. Em termos de categorias de produto, moda, beleza, eletrónica e equipamentos de desporto foram as mais procuradas no último ano. No próximo ano, as categorias que mais deverão crescer incluem decoração de interiores e mobiliário, artigos para a casa, mercearia e suplementos de saúde. No que diz respeito ao género, os homens revelam mais apetência para comprar online do que as mulheres, de acordo com o Beijing Times, e os inquiridos casados têm também mais probabilidade de comprar online do que os solteiros. Hoseok Kim, diretor-executivo da 11street, afirmou que os serviços, preços e confiança serão os principais fatores de diferenciação para os consumidores malaios quando compram online. A melhoria das infraestruturas do país, referiu, vai ainda ajudar a acelerar a entrega de produtos no próximo ano.