Início Breves

Breves

  1. Tendências antecipam outono
  2. Louis Vuitton quer mais de Portugal
  3. Como vender no Instagram
  4. Amazon estende Prime Day
  5. Guarda-roupa tropical aumenta temperatura
  6. Objetos quotidianos viram luxo

1Tendências antecipam outono

Para as amantes de moda que gostam de jogar na antecipação, estão já alinhadas as tendências do outono-inverno 2017/2018, podendo inclusivamente aproveitar-se a época de saldos para tentar encontrar peças em sintonia com os looks-chave da próxima estação. Chanel, Paco Rabanne, Christopher Kane e J.W. Anderson sugerem uma das tendências mais fortes: o metalizado. O brilho dos prateados, dourados ou mesmo das lantejoulas promete iluminar os dias mais frios. A monocromia está de regresso aos guarda-roupas femininos, sobretudo em tons como o vermelho, uma das cores predominantes da estação. Nos regressos em força destaca-se também a alfaiataria, mas com silhuetas leves e fittings largos, como mostram as passerelles da Céline, Stella McCartney ou Calvin Klein. Os cardigans são recuperados dos anos 1990 e fiéis à sua expressão mais clássica, pelo que o próximo outono-inverno garante propostas numa paleta neutra.

2Louis Vuitton quer mais de Portugal

Enquanto avança nas negociações para estabelecer uma unidade de produção nos EUA, a Louis Vuitton adiantou que tenciona aumentar a produção na França e em Portugal, de acordo com o portal Bloomberg. À margem do desfile da marca na semana de moda masculina de Paris, o CEO Michael Burke desvendou essa informação, não fornecendo mais pormenores. De acordo com o Bloomberg, a ideia foi lançada pela marca detida pelo conglomerado de luxo LVMH numa reunião com o presidente norte-americano Donald Trump, que ambiciona impulsionar a produção nos EUA, de acordo com o relatório. A produção doméstica de vestuário e acessórios dos EUA caiu significativamente nas últimas décadas, com as empresas a deslocalizarem-se em busca de salários baixos. Todavia, a crítica sobre as condições de trabalho na indústria de vestuário na Ásia e o impulso doméstico para aumentar a produção nos EUA fez com que muitas marcas refletissem sobre o reshoring de parte da produção aos EUA.

3Como vender no Instagram

Depois de se ter assumido a rede social favorita das marcas – que ali investem substanciais percentagens do seu orçamento de marketing, partilham histórias de bastidores, vendem produtos e envolvem e fidelizam os seus clientes –, o Instagram tem vindo a merecer cada vez mais atenção dos especialistas. Agora, o portal de tendências WGSN decidiu resumir em três regras o manual de sobrevivência das marcas na rede social dominada pela imagem. A primeira prende-se com a importância do storytelling – isto é, contar regularmente histórias no Instagram, que podem envolver as raízes da marca ou mesmo o dia-a-dia das pessoas que nela trabalham; a segunda está relacionada com o lançamento de produtos – o Instagram deve ser uma das plataformas escolhida para a divulgação das novidades da coleção; a terceira regra de ouro para as marcas presentes na rede social é o reconhecimento da importância de causas – a igualdade de género, por exemplo, é muito valorizada pelas gerações mais jovens e as marcas que tiverem algo a dizer sobre o tema serão as que mais poderão lucrar com esses segmentos de consumidores.

4Amazon estende Prime Day

A Amazon anunciou esta semana que a 3.ª edição do seu evento anual de descontos Prime Day acontecerá terça-feira, 11 de julho mas, este ano, o dia será alargado a um total de 13 países, que incluem os EUA, China, Índia, Reino Unido, Espanha, Japão, Itália, Alemanha, França, Canadá, Bélgica e Áustria. A Amazon está também a expandir a duração do evento e o conceito de “dia”. O Prime Day (disponível apenas para os membros Prime, com a habitual possibilidade de participar através de uma adesão gratuita) terá uma duração de 30 horas, com arranque às 9h00 do dia 10 de julho. Cerca de 40% dos “Lightning Deals” da gigante do comércio eletrónico serão garantidos pelas pequenas empresas integradas no Amazon Marketplace, informou a Amazon em comunicado de imprensa. No ano passado, a Amazon considerou que o Prime Day tinha sido o melhor na história da empresa fundada por Jeff Bezos. A 2.ª edição do Prime Day aconteceu a 12 de julho.

5Guarda-roupa tropical aumenta temperatura

Este verão convida a uma viagem tropical – pelo menos nos estampados. As folhagens e os florais em tons vibrantes dominam todas as peças do guarda-roupa estival, existindo ainda a possibilidade de experimentar a tendência com acessórios como bolsas e brincos. Os frutos tropicais também complementam a oferta de marcas de luxo e retalhistas, com particular destaque para os ananases, que ganham versões a três dimensões em t-shirts e movimento nos brincos e colares. No vestuário, a peça favorita das amantes de moda é o vestido camiseiro, mas os conjuntos de estilo pijama com estampados tropicais em diferentes gradações de verde ou laranja também somam pontos.

6Objetos quotidianos viram luxo

Do mais recente “clip” de folhas de papel oversized, assinado pela Prada e vendido a 165 euros, a um tijolo de 30 dólares (aproximadamente 26 euros) com o logotipo da marca de streetwear Supreme, dos pequenos cabos néon da Christopher Kane, também a 30 dólares, à popular bolsa da Balenciaga inspirada pelo saco Frakta da Ikea, vendida pela marca de luxo a 1.600 dólares (ver Ikea dá troco à Balenciaga), sem esquecer o boomerang da Chanel (ver Chanel acusada de apropriação cultural) – nas últimas estações de moda, o mundano virou luxo. De acordo com o The Guardian, a tendência não é fresca, mas tem vindo a colocar cada vez mais produtos no mercado e pode ser explicada simplesmente pelo prisma do lucro. Estes “acessórios” são pequenos e garantem margens sólidas às marcas. Além disso, a maioria das propostas esgota de imediato, funcionando como uma espécie de porta de entrada mais acessível para o universo do luxo.