Início Breves

Breves

  1. myPartner faz anos
  2. Moda kitsch para o verão
  3. Puma cresce a dois dígitos
  4. Nova era na Calvin Klein
  5. Geração Z controla vendas móveis
  6. Flatforms nos pés estivais

1myPartner faz anos

A celebrar o seu 13.º aniversário, a myPartner tem muitos motivos para festejar. De acordo com a empresa, em 2017, a myPartner cresceu em número de colaboradores, competências, resultados financeiros e reconhecimentos. «São 13 anos de sucesso na implementação de soluções de gestão empresarial em Portugal e no estrangeiro que não passaram despercebidos», sublinha. Depois da certificação Gold para soluções Dynamics NAV e CRM, a Microsoft atribuiu à myPartner novas certificações em soluções Cloud da Microsoft. A myPartner foi também recentemente eleita Microsoft Partner of the Year 2017 em soluções Dynamics365, linha de produtos ERP e CRM. «Prémio que reconhece o compromisso e a qualidade da myPartner na implementação de soluções que ajudam a valorizar e a modernizar as empresas em Portugal», explica a empresa. Com tantas razões para comemorar, a myPartner fez a festa com todos os colaboradores em dois dias especiais de comemoração, balanço, partilha e atividades de Team Building, que tiveram lugar na Barragem da Agueira nos passados dias 21 e 22 de julho.

2Moda kitsch para o verão

A tendência começou já há algumas estações, com a chegada do diretor criativo Alessandro Michele à casa Gucci. O designer transformou a estética da marca italiana com blocos de cor, jogos de padrões e texturas, brilhos, plissados e bordados no mesmo coordenado. As marcas e retalhistas têm sabido manter a chama do kitsch acesa e, este verão, as cores fortes e os padrões somam pontos na moda feminina. Do swimwear com padrões tropicais, aos flamingos e lagostas no vestuário e acessórios, passando pelos tons metalizados no calçado e acessórios e looks em camadas contrastantes – vestidos de tule, jeans e t-shirts com estampados gráficos, por exemplo –, os dias quentes são tudo menos aborrecidos nos guarda-roupas. Não obstante, a estética kitsch não se esgota nas peças de roupa e envolve tudo, desde a decoração de interiores às publicações do Instagram.

3Puma cresce a dois dígitos

Nos três meses terminados a 30 de junho, a Puma experimentou um crescimento de 16% na receita, para os 968,7 milhões de euros, com todas as regiões a crescerem a dois dígitos. Enquanto isso, o lucro líquido subiu 13,7%, para os 21,9 milhões de euros, e a margem de lucro bruta cresceu 90 pontos base, para 46,5%. Num relatório de lucros divulgado esta semana, a Puma apresentou o calçado como o principal motor de crescimento. A marca desportiva tem tido sucessivos trimestres fortes e, ainda assim, todos os sinais fiscais apontam para um crescimento contínuo. «Vamos continuar a investir no marketing», garantiu o presidente-executivo Bjorn Gulden. «Vai continuar a representar sempre entre 10% a 12% das vendas».

4Nova era na Calvin Klein

Sob a alçada criativa de Raf Simons, a Calvin Klein revelou recentemente a campanha publicitária multimédia para o outono-inverno 2017/2018. A empresa apresentou a campanha como «um estudo de arte e artifício, do mundo real e imaginado, do mundo da moda combinado com um sentido do quotidiano. Em última análise, [explora] a visão cinematográfica e romântica dos estrangeiros na América, um mundo de sonhos que se tornou concreto». A Calvin Klein adiantou ainda ter mais de 850 milhões de impressões planeadas para 22 mercados globais e que a campanha irá alimentar a evolução contínua da marca. No centro do trabalho está a primeira coleção de Raf Simons para a marca. A estreia de Simons aconteceu a 10 de fevereiro e desvelou a coleção mais americana da semana de moda de Nova Iorque. O designer apresentou a sua visão da América – mas não apenas da América de Nova Iorque ou da América atual. A coleção reuniu várias referências, abordando tanto as fronteiras rurais dos EUA como as suas cidades, todas sintetizadas em algo novo. Na roupa, o quadro conceptual materializou-se em camisas de cowboy, parkas que podem ser encontradas em todas as cidades frias do país e muita alfaiataria urbana com linhas limpas. O denim foi, também, a chave dos looks, posicionando a Calvin Klein como parte integrante da cultura pop americana.

5Geração Z controla vendas móveis

A geração de nativos digitais tem prestado uma atenção crescente às compras móveis, à medida que se vai assumindo como a principal base de clientes do futuro. Com 80% dos consumidores da geração Z influenciados pelas redes sociais ao tomar decisões de compra, não há dúvida de que o smartphone será uma importante ferramenta de marketing. O membro da geração Z compra cerca de duas vezes mais no smartphone do que qualquer outra demografia, de acordo com um estudo da ContentSquare. No entanto, a sua apetência pelas compras móveis vem acompanhada de uma intolerância para aplicações que funcionam mal – 60% dos Z’s não estão dispostos a usar uma aplicação ou website que demore muito a carregar. Além disso, os membros da geração Z visualizam 62% mais páginas durante uma sessão de navegação do que as restantes demografias. O estudo descobriu também que, embora os Z’s prefiram experiências personalizadas, 61% citam o armazenamento seguro e a proteção de dados pessoais como fatores importantes, bem como termos e condições claros (43%) e uma explicação de quais dados serão recolhidos e para que finalidade (39%).

6Flatforms nos pés estivais

Com a subida das temperaturas chegam, também, algumas das propostas de moda mais fora da caixa e, numa altura em que as calças deixam de esconder os pés, começam a descobrir-se os novos sapatos de estética “ugly-chic”. Conhecida pelo seu estilo hippie, a Birkenstocks fabrica sandálias de qualidade e robustas desde 1964. No passado, estas eram usadas apenas pelos amantes da natureza, mas atualmente são vistas nos pés das mais influentes personalidades do mundo da moda. Também recentemente, graças à intervenção de nomes como a Christopher Kane, a também a americana Crocs deixou de ser somente favorita entre o público infantil, alargando a sua oferta para agradar a um público mais maduro e fashionista. Agora, chegou a vez das flatforms – ou sandálias plataforma. Os modelos são tudo menos discretos, ricos em brilho ou em padrões como riscas, flores e bolas – e as solas de borracha podem atingir proporções vertiginosas. Ainda assim, muitas amantes de moda já se renderam ao modelo.