Início Breves

Breves

  1. Nicola Formichetti despede-se da Diesel
  2. Tecnologia salva shoppings
  3. Zalando na peugada da Amazon
  4. Devoluções online chegam aos 32 mil milhões
  5. Vivienne Westwood inspira documentário
  6. Como vestir a cor do ano?

1Nicola Formichetti despede-se da Diesel

O diretor criativo e editor de moda Nicola Formichetti confirmou ontem, 18 de dezembro, que não irá renovar o seu contrato com a Diesel em 2018, abandonando os corredores da marca, à qual dedicou os últimos cinco anos, no final de 2017. Formichetti recorreu à rede social Instagram para dar a notícia, agradecendo ao fundador Renzo Rosso pela oportunidade. O diretor criativo e editor de moda lamentou o fim da parceria e agradeceu à marca. «Obrigado a todos na Diesel por estes cinco anos maravilhosos. E obrigado a Renzo Rosso por me permitir ser criativo. Foi muito divertido! Desejo tudo de bom à Diesel no seu próximo capítulo», escreveu na sua conta oficial. Renzo Rosso, por seu lado, já disse que não haverá substituição imediata de Nicola Formichetti na direção criativa da Diesel. A marca deverá «trabalhar de forma diferente» e seguir «outro tipo de direção», com projetos especiais.

2Tecnologia salva shoppings

Segundo vários analistas, os centros comerciais norte-americanos não souberam acompanhar a evolução tecnológica – uma das razões pelas quais a Amazon ocupa o pódio do retalho. Tecnologias como realidade aumentada e virtual, geolocalização e chatbots são viáveis em contextos de retalho, mas a maioria dos shoppings ainda não as adotou. No entanto, os centros comerciais têm muitos motivos para olhar para 218 com otimismo. Estes espaços ocupam locais privilegiados e estão a esforçar-se por satisfazer os clientes. Durante a quadra natalícia de 2016, o American Customer Satisfaction Index reconheceu os retalhistas tradicionais com 78 em 100 pontos possíveis em termos de satisfação do cliente, uma subida de 4,7% em relação ao relatório anterior e um recorde histórico para a indústria. Por outro lado, as tecnologias emergentes têm potencial para restaurar a relação dos americanos com os centros comerciais. Os shoppings não estão mortos, mas estão a mudar. Supondo que estes espaços aproveitem tecnologias com aplicações móveis para fidelização dos clientes, recolha de dados sobre viagem de compras e geolocalização, realidade virtual e aumentada em loja (provadores virtuais) e online (chatbots), os shoppings norte-americanos terão um novo rosto e uma nova vida em 2020.

3Zalando na peugada da Amazon

A retalhista de moda online Zalando está na corrida para destronar a Amazon, depois de anunciar planos ambiciosos para duplicar o alcance do seu programa de parceria.
O programa de parceria da Zalando cobra às marcas uma comissão pela venda através do website e permite que as marcas tenham o controlo total dos seus preços e stock. Atualmente, a Zalando tem parceria ativa com aproximadamente 700 marcas, que representam cerca de 10% das suas receitas, mas a retalhista online revelou planos para aumentar essa percentagem para 20% a 30%. «Queremos ter todos os artigos de moda disponíveis em qualquer lugar e a qualquer momento», afirmou um porta-voz da Zalando. «O programa de parceria vai ajudar-nos a concretizar essa vontade, permitindo que os parceiros vendam o seu stock diretamente na Zalando sem necessidade de intermediário», acrescentou.

4Devoluções online chegam aos 32 mil milhões

Com as vendas online a alcançarem os 107,4 mil milhões de dólares (aproximadamente 91 mil milhões de euros) este ano, face aos cerca de 93 mil milhões de dólares em 2016, a CBRE estima que o valor provável das devoluções atinja os 32 mil milhões de dólares, face aos 28 mil milhões de 2016. As devoluções dos artigos comprados no retalho tradicional tendem a subir 8%, enquanto no comércio eletrónico podem vir a crescer entre 15% a 30%, dependendo do produto. Por outro lado, como os retalhistas lidam com a logística da devolução pode determinar o sucesso ou o fracasso do mercado online, de acordo com o relatório da imobiliária. «As devoluções podem ser vistas como uma perda ou como uma oportunidade para causar uma boa impressão ao cliente», considera Chris Miller, vice-presidente de logística na empresa de software de logística Narvar. «Facilitar as devoluções aos consumidores tende a resultar em mais oportunidades de vendas», sublinha.

5Vivienne Westwood inspira documentário

A Dogwoof, principal distribuidora de documentários do Reino Unido, está a preparar-se para lançar um documentário sobre a “rainha do punk”, Vivienne Westwood, já na primavera de 2018. Intitulado “Westwood: Punk, Icon, Activist”, o documentário assinado pela realizadora Lorna Tucker procura, segundo o WWD, ser uma celebração da arte, do ativismo e da importância cultural da criadora britânica na indústria da moda. O documentário inclui entrevistas ao círculo interno de colaboradores, amigos e familiares de Westwood, incluindo o filho Joseph Corré. “Westwood: Punk, Icon, Activist” vai competir no Festival de Cinema de Sundance de 2018, integrando a World Cinema Documentary Competition, no dia 20 de janeiro. No Reino Unido, o documentário deverá chegar às salas de cinema a partir de 23 de março. Já para Portugal, ainda não há data prevista para projeção.

6Como vestir a cor do ano?

O Instituto Pantone, guardião das tendências de cor à escala global, desvendou há semanas a cor do ano 2018. Depois do refrescante verde Greenery, é a vez do místico Ultra Violet 18-3838 assumir o papel principal. Na apresentação, Laurie Pressman, vice-presidente do Instituto Pantone, catalogou o Ultra Violet como uma cor carregada de simbolismo e misticismo, considerando-a uma abertura «ao que está para lá das nossas fronteiras». «Vivemos num tempo que requer inventividade e imaginação», acrescentou. Agora, o portal PopSugar fez uma seleção de coordenados que antecipam a paleta de cor das coleções outono-inverno 2018/2019 e ativam já o Ultra Violet. A alfaiataria é a porta de entrada para a tendência de cor, que é assim usada em look total. Os vestidos XXL seguem igual mantra. Os casacos de pelo falso são uma peça basilar do guarda-roupa feminino nessa estação fria e o violeta empresta-lhes uma dimensão mística. As botas acima do joelho ou as trendy botas-meia também se podem destacar no coordenado pelo violeta, tal como os casacos acolchoados e as malhas oversized. Os especialistas aconselham a vestir o Ultra Violet em coordenados monocromáticos ou combinado com tons neutros.