Início Breves

Breves

  1. Obama apela à ratificação do TPP
  2. Dona da Saks faz aposta online
  3. PrimaLoft lança novo isolamento
  4. Meio ambiente domina sourcing
  5. Missão cumprida na The North Face
  6. Retalho britânico com o pior Natal desde 2008

1Obama apela à ratificação do TPP

O Presidente Barack Obama apelou ao Congresso para ratificar a Parceria Transpacífico (TPP na sigla original) no seu último discurso de Estado da União. Centrando-se nos grandes temas da economia, reforma da segurança e mudanças climáticas, o Presidente explicou que a cooperação ajudou a forjar o acordo TPP, que, indicou, irá «abrir mercados, proteger os trabalhadores e o ambiente e progredir na liderança americana na Ásia». Obama acrescentou ainda que o acordo tem o potencial de cortar 18 mil taxas sobre produtos “made in America” e «apoiar mais bons empregos». O pacto TPP ficou fechado em outubro entre 12 países, incluindo EUA, Austrália, Nova Zelândia e outras nações do Pacífico, depois de mais de cinco anos de negociações. O objetivo é acabar com as restrições comerciais entre os seus signatários que, em conjunto, representam 40% da economia mundial. Se for ratificado, o acordo pode contribuir para um aumento médio de 1,1% do PIB dos países-membros e aumentar o comércio em 11%, de acordo com o mais recente relatório Global Economic Prospects publicado pelo Banco Mundial. No seu discurso, Obama enfatizou ainda que embora o pacto envolva muitas nações, sob o TPP a China «não estabelece as regras na região, somos nós que estabelecemos», e deixou um apelo ao Congresso: «querem mostrar a nossa força neste século? Aprovem este acordo. Deem-nos ferramentas para o implementar». Embora o pacto já esteja finalizado, há ainda muita discussão sobre se será ratificado. A American Apparel & Footwear Association sugere que se for aprovado pelo Congresso e pelos governos dos outros 11 países, o TPP pode entrar em vigor no final de 2018 ou início de 2019. Contudo, Mike Flanagan, CEO na consultora especializada Clothesource, acredita que é pouco provável que entre em vigor nesta década.

2Dona da Saks faz aposta online

A Hudson’s Bay Company (HBC), que detém a retalhista de luxo Saks, vai comprar o website de comércio online Gilt Groupe Holdings, num negócio avaliado em 250 milhões de dólares (cerca de 231 milhões de euros). O negócio, estima a HBC, reflete o atual foco no desenvolvimento da presença em todos os canais, ao mesmo tempo que prossegue a aposta no negócio outlet através da integração do Gilt com as localizações da Saks Off 5th. «Com esta transação, estamos a acelerar tanto a oferta em todos os canais da HBC como o crescimento do Gilt», acredita Jerry Storch, CEO da HBC. «Acrescentar o Gilt ao nosso negócio digital em rápido crescimento é muito excitante e estamos a ver um enorme potencial para melhorar as nossas estratégias de personalização e em dispositivos móveis com o aproveitamento das capacidades avançadas do Gilt», acrescenta. Já Michelle Peluso, CEO do Gilt, destaca que «os nossos membros vão concluir que ter uma presença física é valioso e uma adição positiva à experiência Gilt». A aquisição deverá contribuir com cerca de 500 milhões de dólares para as vendas consolidadas da HBC no ano fiscal de 2016 e a HBC prevê que o Gilt contribua com 40 milhões de dólares para o Ebitda ajustado no ano fiscal de 2017. O Gilt tem 9 milhões de membros e cerca de 50% das suas encomendas são geradas através da sua plataforma móvel. O negócio deverá ficar concluído em fevereiro.

3PrimaLoft lança novo isolamento

A PrimaLoft está a lançar o PrimaLoft Gold Insulation Active, um isolamento para activewear que oferece uma performance de elasticidade em quatro direções e mantém o utilizador quente durante as atividades no exterior. Desenhado especificamente para atividades de grande esforço, como corrida, montanhismo ou ski, a construção do isolamento permite que a humidade e o excesso de calor sejam transferidos para o exterior, mantendo o utilizador confortável e seco. Em particular, o acabamento Gold Insulation Active e o processo de produção fixam as pequenas fibras do PrimaLoft no lugar, evitando que saiam pelos tecidos, pelo que pode ser usado com materiais respiráveis, de ponto aberto e com elasticidade. O isolamento suave, passível de ser dobrado e resistente à água regula os níveis de conforto do utilizador durante a atividade intensa, evitando assim a necessidade de tirar ou acrescentar camadas de roupa. «A adição do PrimaLoft Gold Insulation Active à nossa lista de tecnologias é uma evolução natural no nosso canal de inovação», afirma o presidente e CEO da PrimaLoft, Mike Joyce. O PrimaLoft Gold Insulation Active está certificado pela Bluesign e será apresentado na Ispo Munich, que se realiza de 24 a 27 de janeiro.

4Meio ambiente domina sourcing

O impacto ambiental deverá subir na lista de prioridades para os executivos de sourcing este ano, com as marcas e retalhistas a avaliarem o impacto das suas cadeias de aprovisionamento. O barómetro para o primeiro trimestre de 2016 do fornecedor de serviços Asia-Inspection mostra que a procura por serviços de auditoria ambiental aumentou em 2015, no seguimento de iniciativas como a campanha Detox da Greenpeace e Zero Discharge of Hazardous Chemicals, uma tendência que se deverá prolongar em 2016. Mas embora a recente Cimeira do Clima tenha mostrado sinais positivos e vontade dos governos de atacar o aquecimento global e incitar a consciência ambiental, na China a situação é diferente. A poluição no país, que no mês passado deu origem a dois alertas vermelhos, é responsável por cerca de 17% das mortes no país, matando 1,5 milhões de pessoas por ano. Em conjugação com a forte poluição da água, a atual situação ambiental na China continua «muito grave e a deteriorar-se», sublinha o relatório. Estão contudo a ser implementados esforços para combater o problema, com o governo a tornar a legislação mais rígida, enquanto as ONG’s continuam a denunciar os prevaricadores. Mas 2015 também mostrou como economias de exportação menos maduras estão muitas vezes cheias de problemas éticos na cadeia de aprovisionamento. Na Turquia, a saúde e segurança dos trabalhadores continua a ser uma questão problemática, indica o estudo, destacando que o país está entre os piores segundo a International Trade Union Confederation e a Organização Internacional do Trabalho (OIT). Em termos mundiais, os dados da Asia-Inspection com base nas auditorias a empresas não revelam melhorias em termos comparativos, mantendo-se os resultados estagnados. No entanto, as economias de produção menos maduras tiveram as piores performances e registaram uma deterioração do cumprimento pelas empresas, com o Camboja a registar uma diminuição da sua pontuação em mais de dois pontos (em 10) no quarto trimestre de 2015 face a 2014, e com o Paquistão, Indonésia e Vietname a registarem igualmente uma diminuição nos níveis de cumprimento.

5Missão cumprida na The North Face

A especialista em vestuário de outdoor The North Face conseguiu o objetivo de integrar penugem com a certificação Responsible Down Standard (RDS) em todos os seus produtos, um ano antes do previsto. A linha de outono da The North Face vai incluir mais de 500 produtos com penugem 100% certificada. Lançada oficialmente em janeiro de 2014, a certificação RDS foi desenvolvida como parte de um esforço conjunto da The North Face, da Textile Exchange e da Control Union Certifications, para avaliar e rastrear a fonte da penugem usada em qualquer produto com este material. A certificação está também a chegar a outras marcas e indústrias, com mais de 40 marcas de vestuário e têxteis-lar a terem iniciado a certificação das suas cadeias de aprovisionamento. Além disso, mais de 1.200 locais de produção na Europa, Ásia e na América do Norte têm a certificação RDS até agora, incluindo 900 quintas industriais, e cerca de 500 milhões de aves estão sob a certificação RDS ao nível das quintas. «No último ano, muitos grupos de quintas, unidades de processamento, confeções e tradings tornaram-se certificados pela RDS, provocando um aumento na disponibilidade de penugem responsável a um número crescente de marcas que estão a exigir isso», afirma Anne Gillespie, diretora de integridade da indústria na Textile Exchange. «A The North Face tem sido um verdadeiro motor a criar a procura que alimentou o dinamismo que estamos a registar», acrescenta. A certificação RDS pretende evitar práticas como alimentação forçada e depenar as aves vivas e dá regras específicas para questões como qualidade da alimentação e da água, alojamento, densidade dos stocks e acesso ao exterior, saúde dos animais, higiene e controlo de predadores, entre outras.

6Retalho britânico com o pior Natal desde 2008

As vendas nos retalhistas de moda do Reino Unido continuaram a cair em dezembro, com os consumidores atentos aos preços e as temperaturas anormalmente altas a provocarem o pior Natal na high street desde 2008. As vendas comparáveis nos retalhistas de moda desceram 5,4% em termos anuais nas quatro semanas até 27 de dezembro, em comparação com um declínio de 3,1% no mesmo mês de 2014, de acordo com o High Street Sales Tracker, o estudo mensal da BDO. A consultora afirmou que as cadeias de moda registaram a performance mais desapontante de todos os sectores, ficando em território negativo em todas as quatro semanas. As vendas das linhas de moda de inverno foram afetadas, segundo a BDO, por uma combinação de níveis de precipitação recorde e poucos descontos, que travaram a saída de casa dos consumidores nas semanas antes do Natal. As vendas comparáveis no geral (excluindo as vendas fora de lojas) desceram 5,3%, o pior resultado mensal desde dezembro de 2008. As vendas fora das lojas subiram apenas 7,5% – representando o número mais baixo desde que a BDO começou a fazer o estudo. «Muitos retalhistas esperaram por vendas de última hora que nunca chegaram», explica Sophie Michael, diretora de retalho e wholesale na BDO. «As pessoas foram muito mais inteligentes sobre a pesquisa de pechinchas este ano. Depois da Black Friday, muitos consumidores parecem ter ficado quietos e à espera que os saldos começassem a 25 de dezembro», acrescenta. Contudo, sublinha Sophie Michael, há indicadores iniciais de que a atividade está mais forte este mês, por isso os retalhistas esperam recuperar algum terreno no tradicional período de saldos de janeiro.