Início Breves

Breves

  1. Terá o frio afetado a Primark?
  2. A prata que prejudica os oceanos
  3. Marc Jacobs vai lançar linha acessível
  4. Desperdício de roupa sem fim à vista
  5. Adidas e Stan Smith unidos para sempre
  6. Califórnia perto de proibir a utilização de peles de animais

1Terá o frio afetado a Primark?

Talvez nem a Primark seja imune à conjuntura do retalho. Na reunião anual da Associated British Foods (ABF), detentora da retalhista de fast fashion, o presidente da ABF, Michael McLintock, fez uma declaração que sugere que a insígnia de moda poderá ter enfrentado alguns problemas conjunturais. «Em novembro, a atividade comercial da Primark passou por um período desafiante, num mercado de retalho difícil. No entanto, com uma gestão cuidadosa do stock e melhores margens, a nossa expetativa de aumento dos lucros da Primark não se alterou. Nesta fase inicial do nosso ano fiscal, as vendas e os lucros das primeiras oito semanas corresponderam às expetativas», revelou. Michael McLintock não apontou, todavia, as dificuldades com as quais a retalhista se deparou, nem quantificou o impacto das condições do mercado nas vendas da Primark. Porém, ficou a garantia de que não haverá cortes no número de lojas que a insígnia planeia abrir, afirmou o presidente da ABF. «A expansão do espaço de vendas continua», assegurou.

2A prata que prejudica os oceanos

Nos últimos anos, as marcas de vestuário têm infundido nas suas peças – desde soutiens de desporto até boxers – partículas de prata para acabar com os micróbios e afastar os maus odores. Um estudo elaborado por cientistas suecos, contudo, defende que o vestuário desportivo tratado com prata antibacteriana representa uma ameaça tóxica para os organismos que vivem em lagos e mares. As análises laboratoriais, elaboradas pela Svenskt Vatten, também conhecida como a Swedish Water and Wastewater Association, revelou que entre 31% a 90% da prata passa da roupa para as águas residuais após apenas 10 lavagens. Os investigadores testaram 15 peças de vestuário que prometiam eliminar os maus odores. Das 15, nove continham prata. Das nove, oito foram tratadas com Polygiene, uma tecnologia sueca que usa sais de prata em vez de nanopartículas de prata, para impedir a proliferação de bactérias responsáveis por maus odores. O estudo indica que várias marcas de vestuário, incluindo a Adidas, a Add Nature e a Fitnessbutiken.se, não elaboraram corretamente a descrição contida nas etiquetas do vestuário que incorporavam prata. Segundo a legislação da União Europeia, as peças devem incluir o termo “produto biocida” e o nome do tratamento. Independentemente do modo de aplicação, a prata antibacteriana que provém do vestuário tratado é agora «a maior fonte conhecida de prata presente nas instalações de tratamento de efluentes», refere o estudo. Ainda que a prata seja inofensiva para os humanos, representa um mal para as criaturas marinhas. A União Europeia classifica a prata como uma substância biocida, o que significa “muito tóxica” para o mundo aquático, com efeitos nocivos a longo prazo. Além disso, a prata está incluída na lista da U.S. Environmental Protection Agency’s (EPA) como um dos maiores poluentes, sujeita a regulação sob o Clean Water Act. Num relatório de 2010, a EPA afirmou que há «provas claras que a prata, particularmente as nanopartículas, é toxica para os organismos aquáticos e terrestres».

3Marc Jacobs vai lançar linha acessível

A marca norte-americana vai lançar, em maio, uma coleção a preços acessíveis, batizada The Marc Jacobs, que irá estrear-se em conjunto com a coleção pre-fall 2019. Ainda não foram divulgados grandes detalhes para além de uma imagem publicada na conta pessoal de Marc Jacobs, que mostra dois modelos a usarem camisolas às riscas e calças de bombazine, com cores fortes e colares compridos. A publicação inclui a seguinte descrição: «fotografámos, na semana passada, a nossa coleção pre-fall, que será lançada em maio». Marc Jacobs revelou que todas as fotografias da campanha contam com a presença de gémeos e as peças da nova gama estão atualmente a ser apresentadas a compradores. Por seu lado, a Elle adiantou que a coleção também estará presente num lookbook da designer russa Lotta Volkova, fotografada por Hugo Scott, membro da equipa criativa da marca. A última linha lançada por Marc Jacobs, com preços mais acessíveis, a Marc by Marc Jacobs, foi descontinuada e incorporada na linha principal em 2015, apesar de bons resultados nas vendas.

4Desperdício de roupa sem fim à vista

Cerca de 83% dos consumidores compram roupas que nunca usam, segundo um inquérito realizado pela Fashion Retail Academy, do Reino Unido, que questionou 2.000 consumidores, entre os 18 e os 35 anos. O estudo revela que oito em cada 10 consumidores admitem comprar vestuário que nunca vão usar e 11% assumem que mais de metade do seu guarda-roupa nunca é usado. 22,5% dos inquiridos reconhecem que compraram mais de 10 artigos que nunca usaram, o que está a criar grandes oportunidades para o mercado de segunda mão. Não obstante, cerca de 35% dos inquiridos asseguram que nunca comprariam roupa em segunda mão e 12% confessam simplesmente deitar fora a roupa, em vez de a reciclar. As mulheres parecem ter uma maior abertura para usar vestuário em segunda mão face aos homens. Há mais 16% de mulheres a reciclar roupa do que homens. Não é claro se as mulheres o fazem por questões sustentáveis, por haver mais produtos disponíveis em segunda mão para o género feminino ou simplesmente porque querem fazer a coisa certa. Os resultados indicam que 78% dos jovens entre os 18 e os 22 anos e mais de 71% de todos os consumidores inquiridos apreciam a ideia de usar vestuário ecológico, mas 33% não pagaria mais 5 dólares (cerca de 4,40 euros) por um artigo “verde”. 61% dos inquiridos simplesmente não estão interessados em pagar mais por peças de boa qualidade, que podem durar mais tempo, e mais de um quarto prefere roupa mais barata que apenas dure uma estação.

5Adidas e Stan Smith unidos para sempre

A Adidas Originals assinou um contrato vitalício com Stan Smith, na sequência do sucesso das sapatilhas epónimas, um dos modelos mais vendidos do calçado desportivo da marca germânica. A parceira entre a Adidas e Stan Smith foi celebrada com o lançamento do modelo Stan Smith Forever, que honra o design original da sapatilha. De acordo com Torben Schumacher, diretor-geral das Adidas Orginals, a colaboração vitalícia marca o compromisso da Adidas com o modelo. «As Stan Smith são um dos nossos mais importantes, icónicos e reconhecíveis modelos. O seu design intemporal atravessou gerações. Este modelo faz parte da história da Originals e irá continuar a ter um forte impacto nos próximos anos», acredita Schumacher. A parceria de Stan Smtih, lenda do ténis, com a marca iniciou-se em 1973, para promover umas sapatilhas brancas com uma base verde e três riscas. O calçado foi originalmente apoiado pelo tenista francês Robert Haillet em 1965, mas depois de este se reformar, a Adidas assinou um acordo de cinco anos com Stan Smith.

6Califórnia perto de proibir a utilização de peles de animais

O denominado Estado dourado está cada vez mais próximo de proibir a produção e venda de novos produtos em pele por todo a Califórnia. Laura Friedman, membro da Assembleia Legislativa, introduziu a lei State Fur Ban, AB 44, que fará do Estado norte-americano o primeiro a implementar tal medida. Esta iniciativa surge após decisões similares tomadas em diversas cidades pertencentes ao estado da Califórnia. Por exemplo, em setembro, a edilidade de Los Angeles votou unanimemente para proibir a venda de peles dentro dos seus limites geográficos, seis meses depois de São Francisco ter aprovado uma medida semelhante. «A Califórnia é um dos Estados mais progressistas do país e é um líder mundial na promoção do bem-estar dos animais», afirmou Laura Fiedman. «Dadas as evidências das práticas desumanas existentes na produção de peles e havendo uma grande variedade de opções de tecidos quentes e elegantes, não vamos continuar a pactuar com uma crueldade desnecessária para com os animais», explicou. A lei, que é apoiada pela Animal Hope in Legislation, Animal Hope and Wellness Foundation e Humane Society, poderá fazer com que seja ilegal produzir, vender ou doar produtos de peles dentro do Estado (com a exceção de peles em segunda mão), em vestuário, malas, calçado, chapéus e restantes acessórios. Com a interdição, a Califórnia terá uma vaga de apoio dos movimentos contra a utilização de peles, dentro da indústria da moda e de todo o mundo. Recorde-se que diversas casas de moda anunciaram recentemente a sua decisão de pôr fim ao uso de peles nas suas coleções, incluindo a Chanel, Coach, Diane Von Furstenberg, Burberry e Versace. No início do ano, a Noruega tornou-se o mais novo país a propor a proibição da produção da matéria-prima. Em setembro último, a Semana da Moda de Londres foi um evento totalmente sem artigos de peles.