Início Breves

Breves

  1. 3000 oportunidades de carreira apresentadas na UMinho
  2. Nycole recua aos anos 70
  3. WestMister lança meias especiais para Dia dos Namorados
  4. Asics equipa olímpicos japoneses com roupa reciclada
  5. Coleção de skates da Supreme leiloada por 800 mil dólares
  6. China deverá ultrapassar EUA nas vendas de retalho já em 2019

13000 oportunidades de carreira apresentadas na UMinho

A partir desta quinta-feira, 31 de janeiro, o campus de Azurém, em Guimarães acolhe mais uma edição da Semana da Escola de Engenharia da Universidade do Minho (EEUM. Uma das iniciativas inserida no evento é o Dia do Emprego, que se realiza na terça-feira, dia 5 de fevereiro, onde serão apresentadas mais de 3000 oportunidades de trabalho aos alunos da academia minhota. As propostas chegaram de mais de 90 empresas, como a BorgWarner, a Bosch, a Sonae Arauco, o ZF Group, a Accenture, a Continental, a Leica, a APTIV e o grupo Jerónimo Martins. O Dia do Emprego realiza-se das 9h30 às 18h30, no campus de Azurém, com stands das empresas, sessões informativas, entrevistas pessoais e detalhes sobre bolsas e projetos no país e no estrangeiro. A Semana da EEUM, que decorre até 6 de fevereiro e é subordinada ao tema “Desafios 4.0”, inclui várias atividades, como a comemoração do 44º aniversário da EEUM no último dia, com a realização de um debate sobre os grandes desafios da EEUM, nomeadamente a sua ligação ao tecido empresarial, a construção de carreira/profissão dos estudantes, a mobilidade e o alojamento estudantil e o futuro do ensino superior em Portugal. O painel conta com intervenções de Carlos Mineiro Aires, bastonário da Ordem dos Engenheiros, Sven Ost, do conselho de administração da Bosch Car Multimedia, Jorge Batista, co-CEO da Primavera BSS, Domingos Bragança, presidente da Câmara Municipal de Guimarães, Miguel Bandeira, vereador da Câmara Municipal de Braga, além de João Monteiro, presidente da EEUM.

2Nycole recua aos anos 70

A marca portuguesa da jovem criadora Tânia Nicole recuou aos anos 70 para desenhar a coleção primavera-verão 2019. Os coordenados são inspirados em dois universos distintos, o do Baseball, com influências referentes aos equipamentos vintage das equipas, e o universo da banda de rock’n’roll inglesa Led Zeppelin. A silhueta oversized, as sobreposições, as riscas e as camisas são alguns dos elementos-chave inspirados do universo do baseball. Já o look e a atitude dos Led Zeppelin não influenciaram apenas a escolha da paleta cromática, mas também a seleção dos materiais. A coleção foi apresentada no passado mês de outubro, no Portugal Fashion. «Tentei ir buscar detalhes dos Led Zeppelin, como cabedal, e trazer esses detalhes para as partes de trás das camisas e malhas», revelou, na altura, a designer ao Portugal Têxtil.

3WestMister lança meias especiais para Dia dos Namorados

A marca de fabrico 100% português apresenta uma edição especial para o Dia de São Valentim. Sob o mote «um para ti, outro para o teu Valentim», a WestMister sugere dois modelos distintos de meias, onde predominam o vermelho, o azul e o preto, com padrões alusivos à data. Em comunicado, a marca assegura a utilização de «matérias-primas de elevada qualidade (mercerised cotton lisle), da produção pelos melhores meios técnicos (máquinas de 200 agulhas e biqueira sem costura) e de coleções próprias desenvolvidas por designers altamente qualificados». Com dois tamanhos disponíveis, 36/40 e 41/46, as meias podem ser encontradas em 60 lojas de norte a sul do país, como no El Corte Inglês de Vila Nova de Gaia e Lisboa, Paulo Battista Alfaiate, Loja das Meias, Sapataria do Carmo, The Feeting Room, Prassa e Me Allegro, entre outras. No plano internacional, a marca está presente em cinco lojas espalhadas pela Europa e América do Norte.

4Asics equipa olímpicos japoneses com roupa reciclada

A marca nipónica, fornecedora oficial do Japão para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio 2020, anunciou que os kits e os uniformes dos atletas e das equipas técnicas serão fabricados a partir de fibras recicladas. A iniciativa da Asics faz parte de um projeto mais amplo, que pretende tornar o evento desportivo mais ecológico e sustentável – até as medalhas serão feitas de ouro, prata e bronze derivados de restos de dispositivos eletrónicos. Até maio, a Asics espera juntar cerca de 30 mil artigos de vestuário desportivo usado, de modo a obter as fibras de poliéster dos mesmos. Segundo o porta-voz da marca, a Asics também pretender usar reciclagem de fibras na base de garrafas de plástico PET (polietileno tereftalato) e outras matérias para produzir os kits dos atletas. A longo prazo, a marca espera conseguir usar apenas produtos reciclados para produzir o poliéster necessário à criação de vestuário e calçado desportivo. No seguimento do anúncio da Asics, a Uniqlo revelou ter assinado um contrato de quatro anos com o Comité Olímpico da Suécia, lamentando o facto de não ter conseguido equipar os atletas do seu próprio país, o Japão. «Obviamente que gostaríamos de ser o fornecedor oficial da equipa do Japão, mas não conseguimos fazê-lo por uma variedade de razões», afirmou Tadashi Yanai, fundador e CEO do grupo Fast Retailing, do qual faz parte a Uniqlo, em conferência de imprensa, em Tóquio.

5Coleção de skates da Supreme leiloada por 800 mil dólares

Uma coleção de 248 skates da marca de streetwear Supreme foram leiloados online por um valor recorde de 800 mil dólares (cerca de 700 mil euros), na Sotheby’s. A Supreme, criada em 1994 pelo designer britânico James Jebbia, em Nova Iorque, conquistou um estatuto especial no mundo dos skates, com a sua linha de vestuário de streetwear. Em 1998, iniciou a comercialização de skates, de série limitada, desenhadas por artistas como Jeff Koons, Damien Hirst e Richard Prince. A coleção, vendida num leilão online que durou duas semanas, incluía tábuas da Louis Vuitton, por exemplo, e um tributo às sapatilhas Nike Air Jordan. Na coleção havia ainda uma mala da Louis Vuitton, feita à medida de um skate, que valia milhares de dólares. Estes skates foram reunidos pelo colecionador Ryan Fuller, de Los Angeles, a partir de 2005. «Tentei adiar o mais possível a compra de skates porque sabia que, uma vez que começasse, ia ter que ter todos», admitiu Ryan Fuller num vídeo lançado pela casa de leilões. Apesar de ter sido comprada por um valor abaixo do estimado (1,2 milhões de dólares, segundo a Sotheby’s), esta coleção representa, de longe, um recorde para vendas de skates. Em 2012, um skate do atleta Jamie Thomas foi adquirido por 37 mil 425 dólares, numa ação solidária organizada pela Tony Hawk Foundation. Em junho de 2018, numa venda organizada em Hong Kong igualmente pela Sotheby’s, uma série de oito skates desenhados pelo artista Kaws foram leiloados por 55.700 dólares. «Temos verificado um aumento no valor dos skates ao longo dos últimos cinco anos e esta é uma categoria que nos interessa. É considerada uma arte. As pessoas vivem com estes objetos», reconheceu o diretor de comércio eletrónico da Sotheby’s, Noah Wunsch, à AFP.

6China deverá ultrapassar EUA nas vendas de retalho já em 2019

As vendas de retalho no país asiático poderão continuar a crescer nos próximos anos, de acordo com uma estimativa da eMarketer. Na China, as vendas de retalho deverão atingir os 5,64 biliões de dólares (cerca de 4,7 biliões de euros), um aumento de 7,5% em relação a 2018, enquanto os norte-americanos deverão gastar cerca de 5,53 biliões de dólares, um crescimento de 3,3% em relação ao ano passado. «Nos últimos anos, houve aumentos nos salários dos chineses, catapultando milhões para a nova classe média», explica Monica Peart, diretora do departamento de estimativas na eMarketeer. O crescimento do sector do retalho na China tem sido alimentado pelas vendas online, que deverão crescer 30% este ano, atingindo 1,99 biliões de dólares, segundo a empresa. Isto significaria que mais de 35% de todas as vendas de retalho na China deverão ocorrer online, sendo a parcela mais alta do comércio eletrónico em todo o mundo. Comparativamente, as vendas online nos EUA irão representar apenas 10,9% do mercado em 2019. As vendas online de retalho na China já são maiores em valor do que nos EUA e deverão representar 55,8% das compras online mundiais até ao final do ano, subindo para 63% em 2022, numa altura em que os norte-americanos vão constituir apenas 15%.