Início Breves

Breves

  1. Exportações têxteis da Tunísia crescem em valor
  2. O melhor trimestre de sempre da Puma
  3. Moda e IA de mãos dadas
  4. Levi’s incentiva à reciclagem de denim
  5. Luís Carvalho ilustra primavera-verão 2019
  6. Gateway Portugal celebra 19 anos

1Exportações têxteis da Tunísia crescem em valor

De acordo com dados do Instituto Nacional de Estatística da Tunísia, as exportações têxteis do país diminuíram em volume, mas cresceram em valor. Em termos de volume, as exportações de têxteis e vestuário tunisinas caíram 2,5% no primeiro trimestre de 2019. De modo geral, as exportações baixaram 3,5% nos primeiros três meses do ano. No entanto, uma subida de 20,5% no preço dos produtos significa que o valor das exportações é maior – com as exportações de têxteis, vestuário e artigos em couro a crescerem 14,8% em valor, comparativamente ao ano passado, para 26,2 mil milhões de dinares tunisinos (cerca de 7,7 mil milhões de euros). Recorde-se que, no início do ano, o primeiro ministro da Tunísia, Youssef Chahed, assinou um acordo com União Tunisiana da Indústria, do Comércio e do Artesanato e a Federação Têxtil e Vestuário da Tunísia para criar um plano de desenvolvimento e recuperação do sector. Segundo o plano, o governo vai investir 100 milhões de dinares tunisinos (cerca de 29 milhões de euros) para impulsionar o desenvolvimento da indústria e alavancar mais investimentos, de cerca 350 milhões de dinares tunisinos (cerca de 100 milhões de euros), tanto do sector privado como de fundos privados de investimento. O objetivo é criar numa cadeia de aprovisionamento mais vertical e integrada, assim como 50 mil novos postos de trabalho até 2023, fazendo da indústria têxtil e vestuário da Tunísia um dos cinco principais fornecedores da Europa.

2O melhor trimestre de sempre da Puma

Nos primeiros três meses de 2019, a marca alemã de vestuário e calçado para desporto registou um crescimento de 40% nos lucros líquidos, que atingiram os 94,4 milhões de euros, face aos 67,4 milhões de euros do ano passado. Já o EBIT aumentou 27%, para 252,5 milhões de euros. As vendas da Puma cresceram 16,6%, para 1,3 mil milhões de euros, impulsionadas pelo aumento das vendas em todas as regiões. A EMEA (Europa, Médio Oriente e África) registou um crescimento de 4,4%, para 501,7 milhões de euros, enquanto as vendas no continente americano aumentaram 19,8% para 416,6 milhões de euros e as vendas na região Ásia Pacífico subiram 32,5% para 401 milhões de euros. Em termos de categorias de produtos, as vendas de vestuário aumentaram 28,6% para 468,4 milhões de euros, enquanto as vendas de calçado subiram 10,2%, para 693,3 milhões de euros. As vendas de acessórios cresceram 13,4% para 211,6 milhões de euros. O CEO Bjørn afirma que o primeiro trimestre de 2019 foi «o melhor alguma vez registado na Puma», em termos de resultados trimestrais. «Foi um início de ano muito bom. O crescimento em todas as regiões e todas as categorias de produto mostra que continuamos a progredir. Ainda que tenhamos mais nove meses pela frente e apesar da incerteza no mercado, estamos confiantes que vamos atingir os nossos objetivos para o ano», explica o CEO da Puma.

3Moda e IA de mãos dadas

O Fashion Institute of Technology (FIT), de Nova Iorque, uniu forças com a gigante tecnológica IMB, com o objetivo de desenvolver soluções de Inteligência Artificial (IA) para a indústria da moda. No âmbito da parceria, o laboratório de design e inovação do FIT (o DTech Lab) irá desenvolver soluções de IA para a indústria da moda, nomeadamente um conjunto de interfaces de programação (APIs). As APIs podem ser criadas para uso individual, incorporadas em aplicações existentes e/ou ser usadas para desenvolver novas aplicações para o retalho, como identificação de tendências ou análise, design, desenvolvimento e comercialização de produtos. A primeira experiência do FIT com a IA da IMB foi em 2018, quando a Tommy Hilfiger se uniu à IBM e ao DTech Lab no projeto Reimagine Retail, que teve como desígnio mostrar como a IA pode constituir uma vantagem competitiva em termos de mercado, design de produtos, personalização e otimização da cadeia de aprovisionamento. «O Reimagine Retail foi um exemplo poderoso do que acontece quando a moda se associa a um líder tecnológico para desenvolver inovações desafiadoras», reconhece Michael Ferraro, diretor do DTech Lab. No DTech Lab, estudantes de várias áreas do FIT vão trabalhar diretamente com as APIs, desenvolvendo novas possibilidades de utilização e fornecendo informação na funcionalidade e experiência.

4Levi’s incentiva à reciclagem de denim

A gigante norte-americana do denim tornou-se a mais recente marca a associar-se à Cotton Incorporated, com o objetivo de encorajar os consumidores a reciclar denim, através de uma nova campanha. O projeto Blue Jeans Go Green desafia os consumidores a entregar, nas lojas da Levi’s e outlets, artigos em denim de qualquer marca. Em troca, os clientes recebem um desconto de 20% a aplicar num produto. São cada vez mais as retalhistas e marcas que estão a encorajar a reciclagem através de novos programas ou a inovar através de vestuário reciclado. A retalhista norte-americana American Eagle Outfitters também já se associou à Cotton Incorporated, num projeto idêntico.

5Luís Carvalho ilustra primavera-verão 2019

Para a primavera-verão 2019, o designer vizelense apresentou a sua campanha digital em forma de ilustração, num trabalho desenvolvido pela designer Catarina Moreira. As cerejas, principal inspiração da coleção, são evidenciadas em imagens com uma técnica de edição digital que manipula as fotografias recolhidas nos bastidores da ModaLisboa, pela fotógrafa Carla Pires. Foi precisamente no certame lisboeta que Luís Carvalho apresentou a coleção Cherry, na qual, entre o vermelho, verde seco e azul celeste, trabalhou os quimonos e as cinturas marcadas em algumas peças. «Fui buscar a parte oriental das flores da cerejeira e as formas redondas da cereja para trabalhar alguns moldes da coleção, que era evidente nas saias e em alguns vestidos», explicou, na altura, o criador de moda ao Portugal Têxtil.

6Gateway Portugal celebra 19 anos

A especialista em soluções de segurança eletrónica para o retalho celebra este mês o seu 19.º aniversário no mercado nacional. «A nossa dedicação, capacidade de resposta e a qualidade das nossas soluções são o nosso testemunho de uma liderança de mercado com mais de 10 anos», afirma Carlos Truta, CEO da Gateway Portugal. Criada em 1984, atualmente pertencente ao grupo Gunnebo, a Gateway abriu portas em território nacional em 2000. Os sistemas antifurto EAS (Eletronic Article Surveillance), a etiquetagem manual, as soluções de Security Display (segurança para telemóveis e tablets) e CCTV (sistemas de vídeo vigilância), as soluções de RFID (identificação de artigos por radiofrequência), tablets com aplicações comerciais (pagamentos e comunicação) e cash management (gestão automatizada de numerário) foram algumas das inovações que a especialista em soluções de segurança eletrónica para o retalho desenvolveu nos últimos 19 anos.