Início Breves

Breves

  1. Empresários portugueses priorizam acordos alargados
  2. Decenio e Alexandra Moura juntas na ModaLisboa
  3. Recuperação em atraso na Marks & Spencer
  4. Casaco inteligente da Levi’s mais barato
  5. Portojóia atrai visitantes estrangeiros
  6. Springkode lança primeira colaboração com influenciadores

1Empresários portugueses priorizam acordos alargados

De acordo com o novo Barómetro Kaizen do Instituto Kaizen, a grande maioria dos gestores e administradores de médias e grandes empresas portuguesas considera que o objetivo principal da próxima legislatura deve ser a criação de acordos alargados, para garantir previsibilidade e estabilidade às empresas. 40% dos inquiridos acredita que o governo deve reduzir os elevados níveis de endividamento e 38% dá prioridade à redução da carga fiscal das empresas. No estudo, realizado antes das últimas eleições legislativas, que decorreram no passado dia 6 de outubro, cerca de metade dos empresários referiu temer que a maior diversificação partidária da Assembleia da República tenha um impacto negativo, enquanto outros 46% assumiram que este cenário não afetará a sua atividade. Em contrapartida, os gestores empresariais mostraram-se mais confiantes sobre a economia portuguesa do que em fevereiro deste ano, estimando um crescimento acumulado das respetivas empresas entre 5 a 15% nos próximos três anos. António Costa, senior partner do Kaizen Institute Western Europe, acredita que «as empresas que forem capazes de se antecipar, olhando para otimização dos seus processos de forma proativa e contínua, estão claramente numa posição de vantagem». Contudo, no que diz respeito à economia mundial, o cenário muda de figura – 76% admite que o abrandamento do seu ritmo de crescimento é o maior desafio à competitividade, seguida pela instabilidade política na Europa (40%) e pela Guerra Comercial EUA-China (27%). Ao mesmo tempo, a União Europeia oferece um sólido conforto, já que 73% dos CEOs preveem que este continuará a ser o mercado que oferece maiores oportunidades de exportação (73%), à qual se seguem os EUA (27%). Já no que diz respeito às alterações climáticas, o Barómetro Kaisen averiguou que metade dos inquiridos afirmaram que estas preocupações deram origem a medidas concretas: muitas começaram a investir em edifícios mais sustentáveis e em veículos híbridos e elétricos. A igualdade de género também se tornou gradualmente uma preocupação interna, sendo que 51% já tomou medidas neste sentido e outros 15% pretendem fazê-lo nos próximos anos. Por outro lado, os empresários apontam que o desenvolvimento de novos produtos/serviços (54%) e a contratação e retenção de talento (51%) são as áreas mais determinantes para o sucesso das empresas no médio prazo. Contudo, compreendem também que a agilidade organizacional (55%), a otimização dos custos de forma a obter a rentabilidade desejada (40%) e a definição de estratégicas que permitam gerar resultados (39%) constituem os principais desafios na gestão das empresas. Esta edição do Barómetro Kaizen reuniu quase 200 gestores de empresas que representam, no seu conjunto, mais de 30% do PIB português.

2Decenio e Alexandra Moura juntas na ModaLisboa

No seguimento da parceria com a designer portuguesa Alexandra Moura, a Decenio vai apresentar a coleção-cápsula com a designer na 53.ª edição da Moda Lisboa. O desfile da coleção será sábado, dia 12 de outubro às 19 horas, nas Antigas Oficinas Gerais de Fardamento e Equipamento do Exército, no Campo de Santa Clara. O desfile será Powered by Portugal Fashion na sequência do acordo de cooperação entre a ModaLisboa e o Portugal Fashion. Para a Decenio, desfilar na ModaLisboa será uma estreia. A marca promete que a exibição que escolheram para um dos eventos mais aguardados da indústria de moda irá «surpreender e criar uma disrupção em relação a tudo o que já foi visto». A colaboração com Alexandra Moura, que já foi distinguida com o Prémio Mulheres Criadoras de Cultura em 2015 e vencedora de um globo de ouro na categoria de melhor estilista em 2018, vai de encontro ao objetivo da marca de «produzir coleções exclusivas com uma abordagem totalmente diferente da norma. A Decenio pretende reinterpretar as peças clássicas através da visão vanguardista e contemporânea da designer». A coleção-cápsula terá 20 coordenados com a identidade da designer e da marca.

3Recuperação em atraso na Marks & Spencer

A gigante britânica do retalho anunciou que o «progresso está com um atraso» de 18 meses para a recuperação da sua oferta de vestuário e produtos para a casa, que tem dececionado a procura nos últimos tempos. Os analistas revelaram à Press Association que a administração da M&S antecipa que só em 2022 ou 2023 deverá estar consolidada toda a mudança cultural da empresa. A direção considera necessária uma ação mais significativa para que a divisão de roupa e artigos de lar recupere. Este programa de transformação cultural tem sido liderado pelo CEO Steve Rowe, que afirma que a retalhista está determinada a superar os desafios atuais, contando ainda com alguma procura dos consumidores que «compraram muito vestuário que não vendia, enquanto as linhas populares esgotaram». Em contrapartida, o trabalho no desenvolvimento dos produtos ainda não foi acompanhado por uma melhoria das infraestruturas, o que se reflete em problemas relacionados com o «planeamento e a visibilidade do stock» e consequentes prateleiras vazias. Por outro lado, apesar do foco em roupa feminina, a M&S admitiu estar a investir no sector masculino, depois da sua quota de mercado ter descido 1,5 pontos percentuais ao longo dos últimos cinco anos. Esta evolução foi o resultado da opinião geral dos compradores que caracterizam as coleções como «muito velhas» e expressaram a procura por mais calças dos modelos slim e skinny. Acrescenta-se ainda o esforço de reduzir a proporção de fatos no stock masculino para refletir a forma como as pessoas se vestem nos dias de hoje. Contudo, Rowe salienta que a retalhista permanece determinada em «restaurar esses básicos» e não irá apressar o programa de transformação. A administração da M&S destacou ainda as melhorias na vertente digital. Agora, a estratégia é oferecer uma opção “compre agora, pague depois” para compradores online, como parte do processo de modernizar o negócio. Esta foi uma das «ações táticas» planeadas para reverter as quedas das vendas de vestuário.

4Casaco inteligente da Levi’s mais barato

No início de outubro, a Levi’s anunciou a segunda geração do casaco inteligente, produzido em parceria com a Google. Comparativamente à versão original, lançada em 2017, a nova versão do Trucker Jacket with Jacquard apresenta uma gama mais alargada de funcionalidades, acessíveis através de gestos, que resultam da tecnologia aplicada na etiqueta Jacquard Tag, desta vez em tamanho menor. Por meio desta etiqueta, os utilizadores podem aceder à navegação, a relatórios sobre o tempo e o trânsito, mensagens, música e outras aplicações, que serão adicionadas regularmente. A tecnologia também está disponível a um preço mais acessível – enquanto o original rondava os 350 dólares (319 euros), a nova coleção inclui o casaco Trucker clássico para homem e senhora a 198 dólares e o modelo Sherpa Trucker por 248 dólares. Por outro lado, oferece também modelos mais leves e mais flexíveis que o original. Os casacos estão disponíveis em algumas lojas da Levi’s, bem como na sua plataforma online. Paul Dillinger, vice-presidente da inovação global do produto da Levi Strauss & Co., revelou que «dois anos depois de lançarem pela primeira vez o casaco Jacquard, a tecnologia tornou-se mais reduzida e discreta, mais acessível e útil. Mas a premissa e o propósito mantêm-se: podes manter o telemóvel no bolso e os olhos no mundo à tua volta, continuando ligado sem te distraíres». A ideia do Project Jacquard foi anunciada pela primeira vez pelo grupo de Tecnologia e Projetos Avançados (ATAP) da Google no Google I/O 2015, onde a empresa nomeou a Levi’s como a sua primeira parceira oficial.

5Portojóia atrai visitantes estrangeiros

A feira internacional de joalharia, ourivesaria e relojoaria, que se realizou de 26 a 29 de setembro, contou com cerca de 10 mil visitantes, dos quais 300 eram internacionais provenientes de Espanha, Turquia, França, Itália, Alemanha, Brasil, China, EUA, Japão, Moçambique e Luxemburgo. Num evento atento às técnicas tradicionais e numa abordagem futurista destes segmentos, a feira albergou 150 expositores, entre eles 30 designers e 27 empresas oriundas de Cabo Verde, Brasil, Espanha, Turquia, Alemanha e Itália. «Esta edição comemorativa veio reforçar o nosso compromisso em acompanhar a evolução de um sector que se renova ao mesmo tempo que elogiamos as suas raízes. Queremos continuar a ser um palco de destaque à tradição, de visibilidade aos novos talentos e de partilha de tendências que inspirem os profissionais que nos visitam. Em paralelo, não esquecemos o nosso objetivo de aproximar pessoas e de gerar oportunidades de negócio que continuem a dinamizar a indústria», afirma Amélia Estevão, diretora de produto da Portojóia. Ao longo desta edição foram atribuídos os prémios “Best Of Portojóia 2019” que identificaram os melhores da indústria. Em destaque esteve Vítor Nogueira, da Flamingo SA, com o prémio Carreira, Joana Santos, como Designer Revelação, Maria Leão foi eleita pelo público também na categoria Designer Revelação, Inês Santos Pinto, da Escola Artística Soares dos Reis, foi a Aluna Revelação, a J. Batista foi premiada pela Melhor Montra, a ELEMENTS, na Rua das Flores, no Porto, ganhou o prémio Melhor Loja Física, Ana João Jewerly foi considerada a Melhor Loja Online, Eugénio Campos teve a Melhor Montra em Stand e Sara Sousa Pinto ganhou o prémio de Melhor Stand. Para o espaço “Jewel’s Labs” – que tem o objetivo de promover a partilha de conhecimento e ser fonte de inspiração – foram convidadas desta edição a concept store Scar ID e as marcas de joalharia Mesh, Mimata e Wings of Feeling.

6Springkode lança primeira colaboração com influenciadores

Já está online e disponível para venda a primeira colaboração desenvolvida entre a Springkode e personalidades ligadas ao mundo digital e da moda. As influencers Marta Cyrne Carvalho e Mariana Machado ou, como é mais conhecida, Double Trouble, foram as primeiras a desenvolverem peças em conjunto com as parceiras da Springkode. Os artigos confecionados pela fábrica Irmãos Rodrigues, de Barcelos, estão à venda no site por um período limitado de tempo e sujeitos a encomenda, uma vez que serão enviados diretamente da fábrica para a morada dos clientes. «Trata-se de um novo modelo de negócio que estamos a lançar e que acreditamos ter um elevadíssimo potencial. Conseguimos ter zero desperdício porque se produz somente o que foi previamente vendido e mantemos a política de produção a 100% com matérias-primas de luxo reaproveitadas de produções passadas das nossas fábricas parceiras», justifica Reinaldo Moreira, diretor-geral. Além da implementação de parcerias com influenciadores digitais, a Springkode vai introduzir parcerias com designers portugueses e internacionais, novidade para a qual já está a trabalhar. «Acreditamos que a produção de peças exclusivas, em quantidades muito limitadas, com qualidade de luxo e em parceria com personalidades influentes junto do nosso público faz todo o sentido. Conseguimos ter peças à venda por uma ou duas semanas e garantir a sua produção e expedição em igual período de tempo», sublinha Reinaldo Moreira.