Início Breves

Breves

  1. Prada adere às compras na hora
  2. Smartphones impulsionam online
  3. Amazon na moda
  4. Malásia surpreende analistas
  5. Americanos com confiança abalada
  6. Casas mais trendy

1Prada adere às compras na hora

A Prada juntou-se ao modelo de retalho “veja agora, compre agora” com a oferta de duas novas carteiras em lojas selecionadas. Miuccia Prada, vista como líder pelas fashionistas, misturou estampados com tecidos luxuosos para criar coordenados glamourosos e coloridos para a sua coleção. A designer, de 66 anos, colocou pelo nas mangas, bordados em vestidos de veludo e jogou com uma grande variedade de estampados – catos, flores e frutos – em tops, saias e vestidos. Os brocados também estiveram em destaque na coleção – nomeadamente em dourado em casacos e saias. Os casacos escuros, reminiscentes de um estilo militar elegante foram conjugados com chapéus brancos de estilo náutico e collants grossos. Os vestidos e casacos apresentaram ombros destacados, um aceno às silhuetas dos anos 40. A marca, conhecida pelos seus artigos de luxo em pele, com carteiras que custam até 6.000 euros, apresentou no desfile as mais recentes adições à sua gama de acessórios: as novas carteiras Pionnière e Cahier. As carteiras pequenas com alça estão à venda por 1.750 e 2.400 euros, respetivamente, com a Pionnière a ser inspirada por uniformes e a caça, enquanto a mais cara Cahier é reminiscente dos antigos cadernos. Estas novas carteiras estão já à venda em lojas selecionadas da Prada em Milão, Londres, Paris e Nova Iorque.

2Smartphones impulsionam online

As vendas a retalho online no Reino Unido mantiveram-se fortes em janeiro, de acordo com as mais recentes estatísticas do e-Retail Sales Index da IMRG Capgemini. Apesar de uma difícil época de Natal, as vendas de comércio eletrónico registaram um aumento de 15% no primeiro mês do ano, ultrapassando a subida de 7% registada um ano antes, quando observadores afirmaram que o efeito da Black Friday tinha continuado a prejudicar as vendas em janeiro. Desta vez as vendas a retalho aumentaram, apesar da queda de 2% nas vendas de álcool. Já as vendas de vestuário prosperaram, com um crescimento de 15%. Igualmente significativo foi a forma como compraram, com as vendas através de smartphones a subirem 96%, depois de terem crescido apenas 26% um ano antes. As vendas através de tablets também aumentaram (13%). «O crescimento sustentado das vendas através de smartphones em janeiro demonstra o progresso que os retalhistas fizeram no desenvolvimento da experiência do consumidor nas suas plataformas móveis», indicou Richard Tremellen, especialista de dados e retalho na Capgemini.

3Amazon na moda

A gigante de comércio eletrónico Amazon está a acelerar os esforços para lançar a sua própria marca de moda. Segundo várias notícias, a retalhista online entrou em conversações para contratar a ex-responsável da Marks & Spencer, Frances Russell, e fazer novos recrutamentos. Russell, que abandonou o cargo de diretora de vestuário de senhora na M&S no ano passado, está preparada para assumir um papel sénior na sua divisão de moda. A empresa está ainda a contratar, com novos anúncios online. «Quando pensa em comprar nova roupa, calçado, relógios e joalharia, pensa na Amazon? Ainda não? Bem, estamos a mudar isso», indica um anúncio de emprego para um engenheiro sénior de desenvolvimento de software em moda/tecnologia. «Fará parte de uma equipa de especialistas que vai trabalhar com designers, merchandisers e gestores de sourcing para assegurar que temos os melhores produtos no segmento», acrescenta. A Amazon tem entrado gradualmente na moda, tendo contratado a manequim Suki Waterhouse como rosto da sua primeira campanha publicitária de moda no verão passado. Também abriu um estúdio de fotografia em Shoreditch, em Londres, que veio juntar-se ao já existente em Brooklyn, Nova Iorque, para promover as marcas de moda vendidas em todos os websites europeus da Amazon.

4Malásia surpreende analistas

O crescimento económico da Malásia abrandou menos do que o esperado, depois dos envios internacionais e da produção terem-se mantido. O PIB subiu 4,5% nos três meses até dezembro, em comparação com 2014, depois de ter subido 4,7% no trimestre anterior, indicou o governo. As estimativas médias de um inquérito da Bloomberg News apontavam para um aumento de 4,1%. A economia cresceu 5% em 2015. «A indústria e os serviços ainda estão bem», afirmou Rahul Bajoria, economista do Barclays Plc sediado em Singapura. «Não estão a crescer ao mesmo ritmo que em 2014, mas não estão a abrandar tão dramaticamente como se pensaria com todas as dificuldades que existem», acrescentou. No ano passado, o ringgit desvalorizou mais do que qualquer outra moeda face ao dólar americano, tornando os bens produzidos no país mais atrativos para os compradores internacionais. Este ano, a moeda da Malásia valorizou cerca de 3% em comparação com o dólar americano, em recuperação depois da queda de 19% em 2015.

5Americanos com confiança abalada

Os consumidores americanos não estão satisfeitos e o otimismo evaporou-se, segundo os dados mais recentes, com a agitação no mercado e o abrandamento no crescimento do emprego a ofuscar os preços mais baixos do combustível. A confiança dos consumidores em fevereiro caiu para o nível mais baixo nos últimos sete meses, com o The Conference Board a indicar que o seu principal índice caiu 5,6 pontos, para 92,2. A leitura de 97,8 em janeiro tinha sido a mais alta dos últimos três meses. A leitura de fevereiro foi a mais baixa desde que a confiança ficou em 91 pontos em julho. A percentagem de pessoas que afirmou que as condições de negócio eram boas caiu para 26%, em comparação com 27,7%, enquanto as que consideram que as condições de negócio estão a deteriorar-se aumentou para 19,8%, em comparação com 18,8%. Os consumidores mostraram-se também menos otimistas em relação ao mercado laboral. Lynn Franco, diretor de indicadores económicos da The Conference Board, afirmou que a continuação da turbulência nos mercados financeiros pode estar a afetar a confiança. Mas afirmou que as perspetivas sobre as condições atuais, mesmo com o declínio em fevereiro, continuaram a níveis que sugerem que a economia vai continuar a crescer a um ritmo moderado nos próximos meses.

6Casas mais trendy

Para as fashionistas que gostam de coordenar tudo, incluindo a casa, a Airbnb fez uma lista de arrendamentos que combinam com o seu estilo, seja ele boho-chic, tribal ou monocromático. Se o estilo é mais princesa boémia, como o proposto na coleção primavera-verão de Manish Arora, o site sugere uma caravana no sul de França, com cores como turquesa e fúcsia e padrões chiques que combinam com o conceito. Se for mais minimalista, do género do fato às riscas Alice & Olivia, há um arrendamento em Osaka que corresponde perfeitamente ao conceito do fato, com o mesmo tipo de decoração monocromático: paredes às riscas, linhas minimais e limpas. Já a especialista em hotéis boutique Mr & Mrs Smith tem algumas sugestões para a Semana de Moda de Paris, que incluem o Hotel des Dames du Pantheon, La Belle Juliette, L’Hotel e Hotel des Academies et Des Arts.