Início Notícias Marcas

Buzina soma vendas online

Criada por Vera Fernandes em 2016, a marca Buzina foi a vencedora do Prémio de Excelência Empresarial do CENIT dedicado ao comércio eletrónico, graças a uma estratégia online que tem alimentado a sua notoriedade e crescimento.

Vera Fernandes

A partir de uma vila do concelho de Vila Nova de Famalicão, a Buzina tem chegado a vários cantos de Portugal e do mundo apoiada por uma estratégia digital. «É uma marca que cresceu imenso online», reconhece Vera Fernandes, fundadora e designer da marca, adiantando que, atualmente, 95% das vendas são realizadas no comércio eletrónico.

A sede da marca impulsionou o seu desenvolvimento. «A Buzina surge no meio da indústria. Como sou de Joane, estou muito próxima da Riopele e de uma série de outras empresas», conta ao Jornal Têxtil A empresa liderada por José Alexandre Oliveira tem sido, de resto, um dos pilares da marca. «A verdade é que sempre tive o maior dos apoios – a Riopele esteve lá e apoiou-me, por exemplo, na primeira edição que fiz da ModaLisboa e esteve sempre do meu lado», salienta Vera Fernandes. «A Riopele foi a primeira empresa com a qual eu comecei a trabalhar, tinha lá metade do meu agregado, todas as pessoas da minha família trabalhavam lá e, portanto, era a referência que tinha e agradeço muito. Foi muito a partir de lá que as coisas começaram a crescer. Acho que se não tivesse conhecimento dessa empresa e do que acontecia a nível dos excedentes de stock, nunca teria o atrevimento de começar a produzir», confessa.

[©Buzina]
[©Buzina]
A marca nasceu tendo como conceito criar peças de tamanhos únicos capazes de vestir todas as mulheres, isto é, «que permitissem a qualquer tipo de corpo enquadrar-se naquilo que eu defendia enquanto moda. Atualmente já não trabalhamos assim, mas a ideia base foi essa», explica a fundadora.

A sustentabilidade faz igualmente parte do projeto, uma vez que a Buzina usa essencialmente tecidos de stocks parados e «num raio de 11 quilómetros, neste momento, temos tudo, do fornecedor de tecidos à confeção», revela Vera Fernandes. «Costumo dizer que se quisermos criar uma marca sustentável, é criar uma marca sem recursos – ela começa por ser sustentável por si mesma», afirma. «Quando demos conta, tínhamos uma marca sustentável, que também funcionava muito bem online», aponta a fundadora da marca, que é também a designer da mesma.

O local assume, por isso, uma importância vital. «O curioso disto é que a Buzina nasceu numa localidade muito pequenina, que é Joane, e lá vamos continuar», sublinha. «Acabei por, a nível geográfico, ter muita sorte no sítio onde estava inserida e, a nível de mão de obra e de matéria-prima, nunca foi uma dificuldade grande, porque estava familiarizada com uma série de coisas que, se calhar, não é tão usual para outras marcas ou outros criadores», considera.

[©Buzina]
[©Buzina]
Mas o online, e não só, tem permitido à Buzina abrir asas para outros voos. Em março de 2020 estreou-se na passerelle da ModaLisboa, no espaço Lab, dedicado aos talentos e marcas emergentes «A ModaLisboa, para além de ter uma curadoria incrível, devo muito à Eduarda [Abbondanza] e à Joana [Jorge] porque acreditaram no projeto, viram potencial e deram-me a possibilidade de ter a marca representada na semana de moda nacional. Eu queria internacionalizar a marca, sempre foi o meu sonho e a minha ambição enquanto criadora da Buzina, mas, para mim, não faria sentido fazê-lo sem ter o reconhecimento no meu país», afirma Vera Fernandes.

A presença na ModaLisboa tem-se repetido e, por isso, a Buzina está pronta para «dar um passo em frente e passar além-fronteiras», garante.

Além do canal online, a marca tem dois showrooms, um em Joane e outro no Porto, e uma loja em Lisboa, a que se somam mais um ponto de venda na Irlanda e outro em Espanha. A aposta além-fronteiras deverá crescer no futuro. «Gostava muito de internacionalizar mais. Ainda não percebo muito bem o que isso implica, ainda estamos a estudar uma série de questões, mas, possivelmente, as próximas vezes que ouvirem falar da Buzina, nós estaremos lá fora», acredita a fundadora da marca.