Início Notícias Calçado

Calçado à medida

O futuro trará cada vez mais customização e autossuficiência ao sector do retalho, dotando os consumidores de múltiplas possibilidades de escolha e um serviço mais rápido e personalizado, suportado pelo avanço das tecnologias contemporâneas.

O cofundador do retalhista de comércio eletrónico australiano Shoes of Prey, que permite que os consumidores desenhem o seu próprio calçado, espera um dia oferecer aos clientes a possibilidade de imprimirem os sapatos escolhidos no conforto do lar, à media que a tecnologia melhora e a procura por artigos customizados aumenta.

Fundada em 2009, a Shoes of Prey permite que os clientes concebam designs únicos de calçado no seu site, conjugando uma variedade de 300.000 biliões de combinações possíveis de materiais, cores, estilos e tamanhos. A entrega é assegurada num máximo de quatro semanas, mas ocorre frequentemente após duas semanas.

Jodie Fox, que fundou a Shoes of Prey em 2009 com os antigos colaboradores do Google, Michael Fox e Mike Knapp, prevê que a procura do consumidor por uma entrega mais rápida continuará a aumentar. «Idealmente poderemos alcançar uma fase em que somos capazes de disponibilizar, durante a noite, um par de sapatos projetado no dia anterior», acredita Fox.

Isto será possível, apenas, quando os avanços tecnológicos da impressão a três dimensões permitirem a criação de pequenos centros de produção sediados em diversas partes do mundo, por oposição ao modelo atual, segundo o qual a empresa expede exclusivamente de uma fábrica instalada na China.

No futuro, Fox imagina ser capaz de verificar a previsão meteorológica, escolher um conjunto de roupa e projetar um par de sapatos que pode imprimir no seu guarda-roupa enquanto toma um banho. «Conjugar, efetivamente, a personalização e o imediato é o maior desafio», afirma. «O meu sonho futuro é a fabricação em casa», revela.

Sob medida

As marcas desportivas Nike e Adidas já permitem aos clientes personalizar sapatilhas encomendadas on-line e a Adidas espera ser capaz de produzir um sapato de corrida personalizado nas suas lojas no próximo ano.

Uma pesquisa realizada pela consultora Deloitte revela que 37% dos consumidores estão interessados ​​em adquirir calçado personalizado, uma percentagem que aumenta para 48% entre a faixa etária dos 16 aos 24 anos.

Jodie Fox revela que as vendas da Shoes of Prey aumentaram 120% no último ano, impulsionadas pelos seis estúdios de design da marca, recentemente inaugurados nos Estados Unidos, associados aos grandes armazéns Nordstrom. A fundadora da Shoes of Prey afirma que os clientes preferem comprar sapatos na loja, apesar do advento do comércio eletrónico. «Querem tocar-lhes, vê-los, compreendê-los na sua forma física antes de os adquirirem. Isso não mudou», explica.

Os cinco principais materiais selecionados pelos clientes são todos eles de cor negra, refere Fox, e o estilo mais popular é um modelo stiletto de sete centímetros, por vezes adornado com um toque pessoal, como um forro colorido.

Jodie Fox, que prefere sapatos rasos ou então um salto de pelo menos 10 centímetros de altura, revela que o seu cliente típico é uma mulher profissional de 25 a 35 anos de idade, com um rendimento superior à média. «Honestamente, a Shoes of Prey não se trata de sapatos. Trata-se de todo um conceito de obter exatamente o que se quer, quando se quer, e que se irá estender a muitos outros produtos», explica.

Fox conta que a sua avó italiana se riu quando lhe descreveu o modelo de negócio subjacente à Shoes of Prey, observando que os sapateiros costumavam fazer sapatos sob medida quando ela vivia na Sicília. «Estamos a re-imaginar algo que é um produto do passado, com os recursos de que dispomos hoje», reconhece. «É por isso que a tecnologia é tão emocionante», conclui.