Início Notícias Moda

Caos criado por Estelita Mendonça

A mitologia grega foi o mote de inspiração para a coleção da próxima estação quente de Estelita Mendonça, que levou o Caos à beira-rio, numa altura em que a realidade se pode rever neste conceito. Graças à pandemia, as vendas online quadruplicaram e o digital tornou-se, mais ainda, incidente.

[©Portugal Fashion]

A coleção “Outburst” desfilou pela passerelle do Portugal Fashion na última edição. O Douro foi o cenário escolhido para a apresentação das tendências para a primavera-verão 2021 assinadas por Estelita Mendonça, a marca de menswear da autoria de João Pedro Estelita Mendonça. «[A coleção] baseia-se na ideia de caos como o deus da mitologia grega que era um deus andrógeno e primordial que dá origem à unidade e ao mundo. Foi um bocadinho esta ideia de caos que pode crescer em algo definido», explica Estelita Mendonça. «Acho que, neste momento, teve muita lógica ter isto. Estamos a viver um caos muito grande e então tem muita lógica trabalhar esta ideia, se bem que ela foi desenhada antes da pandemia, portanto ainda mais estranho é», revela ao Portugal Têxtil.

O laranja, o azul, o preto, o branco e algumas tonalidades de bege compõem a paleta de cores que pintam as criações da marca, que deu também importância aos detalhes. «Trabalho sempre muita coisa mais tecnológica, mas tenho muitas fibras naturais. Tenho desde poliéster, imensas redes de poliamida, borracha, algodão…», enumera Estelita Mendonça que, apesar da formado em moda e de ter também um curso de manequim, assume a maquilhagem como uma área de interesse e fez já vários trabalhos nesta arte como, por exemplo, para a produtora audiovisual Filmes da Mentes para a Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo.

Crescer sem aviso e valências internacionais

Além de ser detentor de vários prémios, como o Fashion Awards Portugal Fashion, o designer apresentou já coleções em Madrid e até na Vienna Fashion Week. O trabalho como stylist para diversos clientes, por exemplo a Farfetch, é também umas das valências de Estelita Mendonça , assim como a criação de guarda-roupa e figurinos na metragem “Mau Mau Maria” e “Constelações”, respetivamente.

Estelita Mendonça [©Portugal Fashion]
O percurso internacional do designer e da sua marca não se resume, somente, a estas passagens por Espanha e Áustria, também Coreia do Sul e Alemanha fazem parte dos mercados onde está presente, para além de Portugal. «Isto são as lojas físicas que compraram realmente a nova coleção a nível de mercado, mas continuamos a estar presentes no Reino Unido e noutros países», acrescenta.

A pandemia não provocou alterações na estratégia da Estelita Mendonça, mas o digital saiu reforçado. «Na verdade, a estratégia da marca em si não alterou. Apesar de termos sido mais incidentes no que é digital – redes sociais, website –, mas a nível da estratégia de comunicação desta coleção, aí sim, incidimos muito mais nesta ideia de caos que se transforma», afirma o designer.

E se por um lado a estratégia não sofreu grandes mudanças, as vendas no website cresceram sem aviso. «No início da pandemia, as vendas quadruplicaram completamente. De um momento para o outro. Comecei a pensar “o que está a acontecer aqui?”, mas depois, claro, há sempre boicotes na economia, porém, a nível digital, a coisa já funcionava bem. Agora está ainda melhor», reconhece, sem deixar de admitir algum receio, fruto da pandemia, relativamente às encomendas das lojas físicas para a coleção da próxima estação quente.

Procurar moda

Ainda que a marca seja de menswear, o público feminino também acaba por fazer parte do cliente final. «Costumo dizer que a minha marca tem um consumidor bastante diversificado, que vai desde os 25 até aos 55 anos. Somos uma marca de menswear. mas também já recebi como cliente final, muitas vezes, mulheres, o que é ótimo para nós», assume Estelita Mendonça. «Claramente, é um cliente tipo que procura moda, não procura mais uma sweater ou mais uma t-shirt, procura a t-shirt, quer usar uma sweater que lhe diz alguma coisa», destaca.

[©Portugal Fashion]
Já que o online é uma montra para todo o mundo, o futuro caminha nesse sentido. «Neste momento, como tudo funciona digitalmente é bom que ter um desfile ao vivo para as pessoas verem, mas é bom também ter isto em streaming para o resto do mundo ver e, às vezes, até é melhor porque se consegue chegar onde não se conseguia até agora», advoga o designer sobre o formato híbrido do Portugal Fashion.

Para o que resta do ano, os objetivos são «continuar a trabalhar na próxima coleção e tentar fazer com que se venda melhor a nível digital e se possível priorizar o plano de marketing de uma forma mais inteligente, digamos assim», adianta Estelita Mendonça.