Mercados

Início Notícias Mercados

Comissão Europeia prevê crescimento de 5,8% para Portugal

O PIB português deverá crescer 5,8% em 2022, segundo a Comissão Europeia, que antecipava em fevereiro uma expansão de 5,5%, com o sector dos serviços a recuperar significativamente face a uma base baixa.

Mango quer crescer nos EUA

A retalhista espanhola de moda vai investir 100 milhões de euros até 2024 para expandir a rede de lojas no mercado norte-americano. O plano da Mango incluiu já a abertura de um novo ponto de vanda em Nova Iorque, recentemente inaugurado na emblemática 5.ª Avenida.

Legislação da UE sobre diligências traz benefícios

Especialistas, grupos de pressão, marcas e retalhistas, como a C&A, acreditam que legislação da União Europeia sobre as diligências devidas no âmbito da sustentabilidade na indústria da moda é importante não só para os consumidores, mas também para quem quer melhorar as suas credenciais sociais e ambientais.

Euratex apoia ITV ucraniana

A confederação europeia do têxtil e vestuário lançou uma nova iniciativa pensada para facilitar a cooperação entre as empresas ucranianas e europeias do sector, um projeto que, acredita a Euratex, poderá ajudar a cimentar uma relação comercial entre os dois países que tem «potencial» para crescer.

Produção e consumo de algodão aumenta

As mais recentes previsões do ICAC para este ano antecipam um crescimento em praticamente todos os indicadores relacionados com o algodão, com apenas o comércio mundial a registar uma descida. Índia, China e EUA deverão manter-se como principais produtores, com destaque ainda para a retoma na África Ocidental.

Produção de lã cresce este ano

A produção de lã na Austrália deverá aumentar em 2021/2022 comparativamente à época anterior, beneficiando de boas condições de pastoreio e de maiores rebanhos, numa altura em que, face à queda de popularidade dos fatos clássicos, os atores do sector procuram promover a diversificação das aplicações da fibra.

Fazer contas para o reshoring

Muitas marcas nos EUA estão a tentar recuperar da disrupção das cadeias de aprovisionamento e a considerar, para isso, o regresso da produção a solo americano, pesando os prós e contras de ter os produtos feitos “em casa”, graças a uma nova ferramenta da Reshoring Initiative.

Guerra na Ucrânia afeta aprovisionamento

Seja na moda, na indústria automóvel ou na alimentação, o conflito na Ucrânia está a provocar interrupções nas cadeias de aprovisionamento mundiais, com implicações em diferentes áreas da economia que deverão ainda desencadear uma mudança no comportamento dos consumidores.

Indústria prepara-se para a desglobalização

Os confinamentos provocados pelo covid-19, que ainda estão impostos em países como a China, e a invasão da Ucrânia pela Rússia mostraram a volatilidade das cadeias de aprovisionamento mundiais, voltando o foco da indústria para um sourcing mais regional e local

Reindustrialização no Hexágono

A França registou recordes em termos de criação de fábricas, postos de trabalho e relocalização da produção em 2021, segundo a empresa especialista em dados económicos Trendeo, que, no entanto, deteta sinais preocupantes neste processo de reindustrialização para o corrente ano.