Mercados

Início Notícias Mercados

“Made in USA” pede apoios

Com o retalho em queda, os produtores de algodão, têxteis e vestuário dos EUA sentem dificuldades para manter o negócio. Há, todavia, quem esteja a superar as expectativas, quer com modelos de negócio diferentes, quer com a produção de artigos para a área da saúde.

África luta pela sobrevivência

Embora o continente tenha sido, até agora, menos afetado do que outros pelo novo coronavírus, a indústria têxtil e vestuário africana está igualmente a atravessar dificuldades, provocadas, sobretudo, pelo cancelamento de encomendas.

ITV da América Latina em risco

Com as fábricas a fecharem, quer por ordem governamental, quer por falta de encomendas, a indústria têxtil e vestuário da América Latina e os seus trabalhadores estão a lutar para se manter no negócio.

O renascimento da Ifema

A entidade organizadora de feiras e congressos já assegurou o regresso nos últimos quatro meses do ano. A Ifema renasce, assim, na pós-pandemia com novas iniciativas e com as medidas de segurança necessárias para concretizar os eventos que estimulam a economia.

Vestuário americano mais otimista

A indústria de vestuário dos EUA está, surpreendentemente, otimista em relação às perspetivas para o resto de 2020. Uma nova previsão avançada pelo Institute for Supply Management coloca este sector como dos poucos a antecipar um aumento do volume de negócios, ao contrário da indústria têxtil.

Confinamento custa €2,2 biliões ao comércio

As medidas de contenção do novo coronavírus em todo o mundo estão a significar uma regressão do comércio internacional ao nível das taxas de importação de 1994. A conclusão é de um estudo da Euler Hermes, que coloca o têxtil entre as indústrias que enfrentam mais riscos de disrupção da cadeia de aprovisionamento.

Canadá compra mais à UE

As empresas canadianas de moda estão a comprar mais vestuário à União Europeia, com o mercado europeu a ocupar agora o quinto lugar entre os principais fornecedores. Apesar de estar a perder força, a China ainda domina as importações e o novo acordo para a América do Norte pode baralhar os números no futuro.

Mais de 100 retalhistas exigem suspensão de contratos

Grandes marcas espanholas, responsáveis por mais de 60 mil postos de trabalho, querem que o executivo de Pedro Sanchéz altere a legislação dos arrendamentos comerciais. Pedido já deu entrada no parlamento.

Turquia em maus lençóis

O cancelamento de encomendas e o alargamento do prazo para os pagamentos por parte das marcas e retalhistas mundiais estão a colocar uma enorme pressão sobre a indústria de vestuário turca, que tem de lidar ainda com os desafios de uma economia que enfrenta a segunda recessão em menos de dois anos.

Economia da China em contração

O PIB chinês sofreu um declínio de 6,8% no 1.º trimestre do ano causado pelo novo coronavírus. Por consequência, a retoma completa da atividade económica está prevista para junho, com uma dificuldade acrescida para as empresas do sector do comércio.

Mais vistas