Nasceu em maio último e, mais do que uma marca, pretende ser uma comunidade de moda que reduz o desperdício. Chama-se R-Coat e reaproveita guarda-chuvas estragados, dando-lhes uma segunda vida como peças de vestuário.
A pensar nos presentes de Natal, a ModaLisboa abriu uma pop-up store na capital portuguesa onde os consumidores podem adquirir, até 18 de dezembro, moda, acessórios e arte de 16 designers e oito marcas.
Para atingir o objetivo de chegar às zero emissões de dióxido de carbono até 2050, a indústria da moda irá necessitar de investir mais de um bilião de dólares, ou cerca de 880 mil milhões de euros, segundo um novo estudo, que aponta a descarbonização como o desafio desta geração.
Como reagir ao mercado da moda nos dias de hoje e melhorar a performance e produtividade dos negócios foi o mote para o mais recente webinar da Lectra, que contou com a participação de César Araújo, presidente da ANIVEC, e especialistas em diversas áreas, que abordaram temas como a indústria 4.0 e a sustentabilidade.
Depois de um interregno forçado devido à pandemia de Covid-19, o Concurso Europeu de Jovens Designers de Moda, os Prémios de Excelência Empresarial e a Conferência Internacional ModaPortugal estão de volta em dezembro para mais uma edição.
Numa altura em que renovou os compromissos de descarbonização no âmbito da COP26, a indústria da moda continua a ser pouco transparente e a não ser capaz de cumprir os seus próprios objetivos. Contudo, embora as grandes marcas continuem com más prestações, há bons exemplos, como as portuguesas Nae e Näz.
O objetivo de tornar a indústria da moda mais limpa afigura-se como uma tarefa intimidante, sobretudo tendo em conta que é difícil determinar quão poluente é a indústria da moda. Contudo, todos os estudos apontam para a necessidade de melhorar a eficiência, tanto da água como da energia e dos materiais.
Os retalhistas americanos acreditam que esta época de vendas retomará o ímpeto de 2019, apesar das preocupações com as cadeias de aprovisionamento e os transportes. Ainda assim, o regresso da opulência deverá marcar o Natal de 2021, a acreditar nos sinais já sentidos pelos grandes retalhistas.
Next Generation é o nome da exposição temporária que reúne as coleções de jovens criadores de moda emergentes do Sangue Novo da ModaLisboa e do espaço Bloom do Portugal Fashion. A mostra, que inclui propostas de 11 designers, estará patente entre 12 de novembro a 9 de janeiro no Museu da Moda e dos Têxteis do World Of Wine, no Porto.
O sucesso da retalhista online chinesa está a permitir-lhe ultrapassar os principais nomes do mercado, como a H&M, a Boohoo e a Asos, graças a uma estratégia que, segundo um estudo do Morgan Stanley, está relacionada com a exploração de benefícios fiscais que lhe permitem vender mais barato que os outros.