Para atender às necessidades de um mercado em mutação constante, algumas marcas e retalhistas implementaram um serviço de aluguer dos artigos nos últimos meses. O objetivo é conseguir a lealdade dos consumidores, conquistar novos clientes e aumentar as vendas.
O Futures.ModaPortugal cumpriu a sua missão – identificar uma boa ideia e valorizá-la para a transformar numa empresa competitiva. E o primeiro lugar foi atribuído a um empreendedor que, não tendo qualquer conhecimento sobre a área da moda, criou a marca Ese Sports, dedicada aos gamers.
O Portugal Fashion abriu portas à criatividade e deixou brilhar os designers nacionais com as coleções primavera-verão 2020. Cores vivas, denim, volume e transparências estão no topo da lista de tendências. Sustentabilidade é uma preocupação e o mercado asiático um objetivo de conquista.

CENIT a criar valor

O CENIT fechou a terceira ronda de conferências, com o tema “Marcas/Marketing e Design”, convidando o professor da Faculdade de Economia do Porto Carlos Brito e o designer de moda Júlio Torcato. Amanhã será o último workshop, planeado para abordar um dos destaques da atualidade – “Sustentabilidade na Indústria da Moda”.
O mundo dos adultos e o das crianças têm cada vez mais semelhanças, num jogo de imitação que assume cores e tendências idênticas. Para a primavera-verão 2021, o gabinete WGSN aponta para direções que têm o retro, o digital e a globalização como conceitos incontornáveis.
Num calendário que começa hoje e se estende por quatro dias, o Portugal Fashion regressa com novidades, desde a presença do francês Nicolas Lecourt Mansion à saída da Alfandega do Porto para outros locais no Porto. Entre designers emergentes e reputados, há ainda lugar para a indústria e para cinco marcas de criança.
Os consumidores chineses são os maiores responsáveis pelas vendas de artigos da moda de luxo online. Para as marcas, conquistar este mercado pode ser um desafio e o Tmall é agora o bilhete de entrada para prosperar na China.
As coleções primavera-verão 2020 apresentadas pelos grandes nomes da indústria em Nova Iorque, Londres, Milão e Paris demonstraram as estratégias de mudança e as tendências que estão a afetar o mercado. Sustentabilidade, simplicidade e identidade são alguns dos conceitos incontornáveis.
O Campo de Santa Clara é, nesta edição, o quartel-general da ModaLisboa. Sob o mote Collective e durante quatro dias, a capital irá acolher 24 desfiles, o concurso de jovens designers Sangue Novo e o Check Point, com intervenções de representantes de empresas como a Fabrics4Fashion, a Scoop, a Tintex e a Valérius.
Para quem quer saber o que se vai vestir na primavera e verão do próximo ano, o melhor é pôr os olhos nas passerelles de Nova Iorque, Londres, Milão e Paris. Nas mais recentes criações, os designers optaram por muitas cores e estampados arrojados de todas as formas e feitios.

Mais vistas