A Louis Vuitton pretende diminuir a sua presença em território chinês, iniciando uma tendência que se poderá estender a outras entidades da indústria e que reflete a desaceleração do mercado.
O mercado de retalho para mulheres que preferem vestir-se de um modo mais conservador pode valer mais de 350 mil milhões de dólares (cerca de 307 mil milhões de euros) em dois anos. As grandes marcas e os retalhistas estão atentos à importância da tendência, que vai além da religião.
As propostas de moda infantil para o próximo verão estarão reunidas no Business Design Centre em Londres, para uma edição da Bubble London recheada de novidades, incluindo as que 11 empresas portuguesas levam na mala para apresentar ao mercado britânico e não só.
À 3.ª participação na ModaLisboa, a plataforma de cocriação Awaytomars contornou o formato tradicional de desfiles e surpreendeu com uma performance, na qual 13 artistas plásticos internacionais que escolheram Lisboa como residência trabalharam uma coleção de peças em cru, que foram gradualmente adquirindo cor. No final da mostra, o fundador Alfredo Oróbio antecipou os próximos passos, que incluem um ambicioso projeto sustentável.
A Europa parece estar a ficar demasiado pequena para os criadores de moda portugueses. Os continentes asiático e americano são, cada vez mais, os destinos favoritos das propostas dos designers e marcas nacionais. É o caso de nomes como Carla Pontes, Nycole, Sophia Kah ou Pé de Chumbo.
Sem descurar um seletivo grupo de clientes em private label, onde se inclui a Baby Lacroix, a Tendências & Pormenores reforça a sua aposta na marca própria Priscilla Wear, nascida em 2011 e atualmente fragmentada em duas linhas voltadas para o swimwear de homem, senhora e criança – Priscilla e Cat Man.
Viajou para Lisboa com o regresso marcado. Os próximos meses serão passados nas Filipinas, onde assumiu o papel de diretor criativo de todas as marcas privadas dos grandes armazéns Rustan’s. Em setembro, inaugura a primeira loja monomarca na cidade de Manila. A bagagem de Ricardo Preto não trouxe apenas a coleção.
No primeiro lugar do top nacional de vendas com o novo disco “Marrow”, a banda lisboeta You Can’t Win, Charlie Brown tomou por estes dias conta do Grande Auditório do Centro Cultural de Belém (CCB), precisamente na mesma altura em que foi divulgado que a ModaLisboa iria fazer do CCB não palco, mas passerelle na edição “Boundless”.

Zara sem género

Em 2015, a febre “agender” fez sucumbir todos, do luxo – na Gucci – ao retalho – na Selfridges –, apenas com pequenas diferenças nos sintomas. Já 2016 marca a entrada da gigante do retalho europeu num universo de peças iguais, para o menino e para a menina.
O número de praticantes de desporto encontra-se em crescimento por todo o mundo, numa altura em que a preocupação com o bem-estar está num nível nunca antes atingido. A esta preocupação soma-se o desenvolvimento da inteligência artificial, que irá...

Mais vistas