Vestuário

Início Notícias Vestuário

Cordeiro Campos reinventa o negócio

Começou há 35 anos como uma pequena confeção a produzir para grandes empresas, mas pelo caminho soube ler e antecipar as necessidades do mercado. Hoje emprega mais de 140 pessoas, produz pequenas quantidades para marcas de luxo e continua a crescer, estando já previsto um novo investimento de 4 milhões de euros.

Campos & Campos com prego a fundo

A produtora vertical de meias, fundada em 1982, investiu fortemente na internacionalização nos últimos 12 anos e está a aumentar a sua capacidade para responder à procura. Para 2017 conta com um projeto de investimento de 11 milhões de euros, apoiado pelo Portugal 2020, para incrementar a competitividade do negócio.

Primark imparável

No período terminado a 12 de setembro, as vendas da Primark aumentaram 13%, para 5,35 mil milhões de libras, face ao resultado de 4,95...

Nova vida para a Throttleman

Já há duas lojas de portas abertas com o novo conceito e outras seis na calha. Uma morada online está também a ser adjudicada. Novas linhas de vestuário, renovada imagem gráfica e o relançamento da Throttleman fazem parte dos planos do grupo têxtil Crivedi, que comprou a marca portuguesa cujo futuro estava envolto em incerteza desde 2012.

Twintex com o futuro nas mãos

No interior do país, a família Mineiro gere os destinos da Twintex, empresa que, desde a sua fundação, se preocupa, primeiro, em olhar à volta – isso inclui as 420 pessoas que emprega e o meio ambiente – para, logo depois, olhar em frente – passando pelas novas tecnologias e consequentes evoluções do negócio.

H&M e Zara com má reputação

As retalhistas H&M, Zara e Marks & Spencer são algumas das implicadas na utilização de viscose produzida em fábricas poluentes na Ásia, segundo um relatório recentemente divulgado pela Changing Markets Foundation.

Cofemel é a melhor do sector

A Cofemel foi considerada a melhor empresa portuguesa no segmento têxtil, vestuário e couro pela revista Exame. O ranking das cinco melhores fica completo com a TMG Automotive, na segunda posição, a Gabor, a Ecco’Let e a Continental. Já entre as 100 melhores empresas para se trabalhar destacou-se a Ferreira de Sá.

Crialme atinge a maturidade

A empresa de confeção de vestuário, que emprega perto de 500 trabalhadores e fatura anualmente cerca de 15 milhões de euros, especializou-se em fatos para homem e 70% da produção é feita à medida.

A força do digital

A estamparia digital veio dar uma pincelada de tinta fresca à moda ao permitir a produção de pequenas quantidades sem o recurso às matrizes ou cilindros da estamparia convencional. Numa era onde o céu é o limite para a imaginação, passou a ser possível alargar o número de padrões e cores da indústria têxtil e vestuário.

Inditex: o vencedor e os vencidos

O grupo espanhol Inditex tem vindo a distanciar-se cada vez mais dos seus arquirrivais, incapazes de copiar a eficiência do modelo de negócio da Zara.

Mais vistas