Início Notícias Têxtil

Chapéus há muitos, em Barcelos

A BB 95 - Fábrica de Chapéus tem pouco mais de um ano e apresentou-se ao mundo no Modtissimo 2018. A empresa aproveita as infraestruturas da casa-mãe para se lançar num negócio online de venda de bonés e caps.

A BB 95 – Fábrica de Chapéus foi um negócio «de capricho» lançado pelo dono da BarcelBordados, uma fábrica que desde 1995 desenvolve soluções de apontamentos têxteis, como bordados e acessórios. O fundador Rui Martins contou ao Portugal Têxtil, durante o Modtissmo, que o início do projeto foram umas «brincadeiras». Para o empresário, «efetivamente no mercado não existe resposta para este nicho, porque toda a gente acha que os chapéus se compram na China e depois se personalizam. Mas um chapéu tem muito mais que se lhe diga», afirmou. O que a empresa quer é «ser uma fábrica de chapéus que personaliza de raiz o que se quiser, desde o tecido, passando pelo bordado e outros detalhes», explicou Rui Martins ao Portugal Têxtil.

O empresário desconhece negócios semelhantes em Barcelos, ainda que seja uma área de concentração do sector têxtil. Dentro do grupo BarcelBordados, a BB 95 tem alocados entre 10 e 12 trabalhadores, de um universo de 50. «É tudo feito internamente. Um chapéu tem muito tempo de trabalho e design, desde a conjugação de materiais ao estilo, porque depois existem várias formas. Estamos a falar do chapéu normal de pala, ainda não entramos na boina, nem nos gorros», revelou Rui Martins.

A loja online da empresa, lançada pouco antes do Modtissimo, foi o ponto de partida para iniciar a venda dos bonés, cujos preços rondam os 40 euros. Mas ainda há muito a fazer. «Neste momento é que vamos começar a definir a nossa estratégia. Mas naturalmente passa pela venda lá fora, no Norte da Europa. É o mais apetecível para este negócio», garantiu Rui Martins.

Para preparar terreno para o lançamento da marca própria, a BB 95 passou o último ano a trabalhar em regime de private label. «E a nossa pequena história permite-nos já perceber que França, Inglaterra, Finlândia e Noruega são países em que este produto é procurado», apontou o fundador da marca.

Rui Martins adiantou ainda que a empresa não tem grandes previsões para a faturação do primeiro ano, estando mais preocupado com a conceção do negócio e em conseguir produtos de excelência. E nesse sentido também procura os fornecedores mais adequados, sendo que muitos deles até os encontra no Modtissimo.

A casa-mãe, BarcelBordados, tem como mercados principais a Alemanha, Polónia e Suíça. As vendas em Portugal são residuais. «De tudo o que fazemos, 99% é exportação, direta e indireta», admitiu Rui Martins. A empresa tem um volume de negócios que ronda um milhão e meio de euros.

Para o empresário, o maior desafio para o futuro esta relacionado com mão-de-obra, «qualificada e não qualificada. Não existem recursos no mercado para abastecer os postos de trabalho que neste momento nós precisamos», confessou.